Análise do comportamento de estruturas de concreto com fibra de polipropileno sob flexão

  • Viviane Alves Silva Universidade de Vassoudas/UV
  • Reinaldo Ferreira da Costa Júnior UV- Universidade de Vassouras
  • Ana Carolina da Silva Lima Vianna UV- Universidade de Vassouras
  • Nirvana Bartko
  • Adauri Silveira Rodrigues Júnior UV- Universidade de Vassouras
  • Gustavo José da Costa Gomes UV- Universidade de Vassouras

Resumo

O concreto possui uma série de qualidades, tais como excelência à resistência à água (comparado com outros materiais estruturais), facilidade na execução, devido ao seu estado fluido, permitindo variabilidade de formas e tamanhos,  disponibilidade e baixo custo dos ingredientes e o baixo consumo de energia para sua produção, o que lhe garante um local de destaque sendo o material estrutural mais empregado no mundo. Entretanto, o concreto ainda apresenta certas limitações, como por exemplo, o comportamento frágil nas estruturas e uma capacidade minimizada de deformação, em regime plástico. O concreto apresenta ainda uma baixa resistência à tração quando igualado a sua resistência a compressão. Concordante à sua susceptibilidade a solicitações de flexão, aparecem no concreto fissuras e as microfissuras na região tracionada. Umas das soluções técnicas possíveis para minimizar essas limitações é o uso de fibra como reforço no concreto, que lhe garante comportamento dúctil frente aos esforços solicitante. O presente estudo tem por objetivo analisar os resultados obtidos através do ensaio de flexão de três pontos de corpos de prova prismáticos elaborados com concreto simples e outros com concreto incorporado com fibra de polipropileno. Para realizar a análise foram utilizados traços de 40 MPa e 20 MPa de fck. Concluiu-se que a adição de fibra de polipropileno em uma matriz cimentícia, mesmo com um corpo de prova com um fck inferior, diminui a fragilidade que o corpo tem após o tempo de cura. Assim, mostra que tão importante quanto o fator de compressão do concreto, é o seu comportamento à ductilidade, o que lhe confere maior resistência à tração, uma vez que os elementos estruturais sempre estão submetidos a ações combinadas de esforços.

Publicado
2019-12-09