A importância da composição da massa asfáltica para um bom desempenho

  • Luanderson Teles Pereira
  • Pedro Paiva da Costa Nóbrega
  • Diego Henrique Motta Eiras
  • Gustavo José da Costa Gomes
Palavras-chave: Asfalto, Filler, Ligante asfáltico, Massa asfáltica.

Resumo

O presente artigo aborda os tipos de composição asfáltica existentes e a resistência que possuem em estradas de grande movimentação. O que define a resistência de uma massa asfáltica é a qualidade de materiais empregados bem como a quantidade de todos os materiais utilizados aliados a técnicas desenvolvidas por engenheiros especializados no assunto. O asfalto tem sido o principal material cimentante utilizado na construção de rodovias e vias urbanas. Entretanto, os aumentos do número de veículos comerciais e da carga transportada por eixo, entre outros fatores, contribuem para a ruptura prematura dos pavimentos, resultando em aumento dos custos de manutenção, engarrafamentos e atrasos aos usuários. O aumento do interesse pelo desenvolvimento de materiais mais resistentes para os pavimentos rodoviários se insere no contexto da melhoria das condições das vias a partir da diminuição dos defeitos funcionais e estruturais. As deformações permanentes podem ser decorrentes das solicitações de cargas elevadas associadas a elevadas temperaturas, enquanto o alto grau de trincamento pode decorrer da fadiga dos revestimentos quando não são utilizados materiais, dosagens e projetos adequados. O transporte viário de cargas é de grande volume diário e a pavimentação malfeita com materiais de qualidade ruins aliados a uma crise de responsabilidade política em nosso país, faz com que o asfalto mal feito gere transtornos gravíssimos como acidentes e retrabalho para o setor de Obras do DNER.

Referências

ABNT (1992) NBR 7207 Utilização do Pavimento. Especificação. Acesso em: 08 de janeiro de 2015.

DNIT. Manual de drenagem de rodovias. Ministério dos Transportes. Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes. 2006. Acesso em: 08 de janeiro de 2015.

GUIMARÃES NETO, Guilherme Loreto. Estudo Comparativo entre aPavimentação Flexível e Rígida, 2011, 80p. Trabalho de Conclusão de Curso(Graduação em Engenharia Civil) – Curso de Engenharia Civil, Centro de CiênciasExatas e Tecnologia (CCET), Universidade da Amazônia (UNAMA), Belém, 2011.

MOTTA, L. M. G., 1998, “Contribuição para a Estimativa do Módulo Resiliente deMisturas Asfáltica”. In: 14° Encontro de Asfalto, Instituto Brasileiro do Petróleo,Rio de Janeiro-RJ.

MOTTA, L. M. G., MEDINA, J.SOUSA, A. M., 2002, “Características de Fadiga eResiliência de Concretos asfáltico Brasileiros”. 16º Encontro de Asfalto, IBP2402, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás, Rio de Janeiro, 03-05 dezembro.

PINTO, S., PREUSSLER, E. S., 1980, Módulos Resilientes de Concretos asfáltico.Departamento Nacional de Estradas de Rodagens – Instituto PesquisasRodoviárias DNER - IPR, Rio de Janeiro.

REIS, N. F. dos S. Aplicação a um Pavimento Reforçado com Malha de Aço. 2009. Tese (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2009.

SENÇO, Wlastermir de. Manual de Técnicas de Pavimentação. Volume 1, Ed. Pini,São Paulo, 1997.

SENÇO, Wlastermir de. Manual de Técnicas de Pavimentação. Volume 2, Ed. Pini,São Paulo, 2001.

VASATA, Ana Cláudia Dal Pra. Análise Comparativa entre Sistemas de Pavimentação Rígida e Flexível quanto a sua Viabilidade Técnica e Econômica para Aplicação em uma Via Urbana, 2013, 100p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Curso de Engenharia Civil, Departamento Acadêmico de Engenharia Civil, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, 2013.

WESSELING, Diego Henrique. Avaliação Laboratorial do Comportamento de Misturas em Concreto Asfáltico. Trabalho de Conclusão de Curso em EngenhariaCivil – UNIJUÍ – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Publicado
2018-12-04
Seção
Materiais e Energia