Análise da resistividade de estruturas de concreto submetidas ao ataque corrosivo de sulfato de magnésio

  • Marcus Souza
  • Leonardo Domingues
  • Natália Moreno Marques
  • Izabela Alves
  • Gustavo José da Costa Gomes
Palavras-chave: Cimento, concreto, sulfato de magnésio

Resumo

O estudo do comportamento do concreto diante ao ataque de íons sulfatos, pode ser descrito por meio de ensaios acelerados que, além do rígido controle das invariáveis intervenientes no processo, no que diz respeito à qualidade dos materiais envolvidos, na dosagem dos agregados e do aglomerante, controle na etapa de cura do concreto, oferece baixo custo e certa velocidade na coleta de dados. Busca-se ao máximo estender a durabilidade das estruturas visando diminuir custos com reparos e manutenções ao longo da vida útil da mesma. Uma boa maneira de se chegar a resultados satisfatórios é na escolha certa dos materiais a serem utilizados buscando as características necessárias para resistir às ações a qual a edificação estará submetida. Neste trabalho, busca-se orientar e propor uma descrição do mecanismo de ataque do agente agressor, para elaboração de projetos, as diferentes formas em que o Sulfato de Magnésio pode entrar em contato com o concreto, e também comprovar a relevância da relação água/cimento (a/c) e comparar a resistividade entre dois tipos de cimento, onde constatou a melhor eficiência do cimento CPIII RS - 40, comparado ao cimento CPII E 32, quando ambos submetidos às mesmas condições de agressividade, em ensaios de corrosão acelerada.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5737. Cimentos Portland Resistentes a Sulfatos. São Paulo, 1992.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto e execução de obras de concreto armado. São Paulo, revisada em 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9917. Agregados para concreto – Determinação de sais, cloretos e sulfatos solúveis. São Paulo, 2009.

BAUER L.A.F. Materiais de construção, Rio de Janeiro: Ed. LTC, 1994, 5º edição v.2

CASCUDO, O. O controle da corrosão de armaduras em concreto. 1. ed. Goiânia: PINI e UFG, 1997.

COSTA, R. M. Análise de propriedades mecânicas do concreto deteriorado pela ação de sulfato mediante utilização do UPV. Belo Horizonte, 2004. 246 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Estruturas) - Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais

EL-ALFI, E. A., RADWAN, A. M., ABED EL-ALEEM, S. Effect of limestone fillers and silica fume pozzolana on the characteristics of sulfate resistant cement pastes.CERAMICS SILIKATY., v. 48, n. 1, p. 29-33, 2004.

GENTIL Vicente. Corrosão. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2003.

HELENE, Paulo Roberto do Lago. Corrosão em Armaduras para Concreto Armado, São Paulo: Pini, 1986.

MEHTA, P. K.; MONTEIRO, P. J. M. Concreto: Microestrutura, Propriedades e Materiais. 3. ed. São Paulo: IBRACON, 2008.

NEPOMUCENO, A.A. Mecanismos de transporte de fluidos no concreto. In, 2005

NEVILLE, ADAN M. Propriedades do concreto . 2º ed. São Paulo: Editora Pini, 1997.

PETRUCCI, Eladio G. R. Materiais de Construção. [S.l.]: Globo, 1978. 436 p.

SANTHANAM, M., COHEN, M. D., OLEK, J. Effects of gypsum formation on the performance of cement mortars during external sulfate attack.Cement and Concrete Research, v. 33, n. 3, p. 325-332, 2003.

SOUZA, R. B. de. Suscetibilidade de pastas de cimento ao ataque por sulfatos – método de ensaio acelerado. São Paulo, 2006. 131 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

SULFATE Attack on Concrete: Research Needs. EUA: Materials Journal, 1991.

TUUTTI, K. Corrosion of steel in concrete. Stokholm, Swedish Cement and Concrete. Research Institute, 1982. 469p.

Publicado
2018-12-04