Trabalho em Altura X Acidentes de Trabalho na Construção Civil

  • Rodrigo Domis Camargo Universidade Severino Sombra
  • Enilson Salino Braga Universidade Severino Sombra
  • Alex Franco Ferreira Universidade Severino Sombra
  • José Thomaz de Carvalho Universidade Severino Sombra
Palavras-chave: Construção Civil, Treinamento, Segurança

Resumo

Tratando da parte introdutória do trabalho, o estudo tem como relevância apresentar as profundas transformações na área da construção civil envolvendo serviços em altura. O objetivo do trabalho está em mostrar o guia prático da boa conduta das políticas dos riscos ocupacionais dos trabalhadores da construção civil, demonstrando a importância através de treinamentos, orientações e até mesmo o incentivo relacionados aos métodos corretos dos serviços que serão executados na construção civil. A realização do trabalho está no campo da conscientização e a capacitação dos indivíduos para que possam reconhecer as possibilidades de riscos em um ambiente de trabalho na indústria da construção civil. A linha do estudo está nos acidentes de trabalho relacionados às quedas com diferenças de níveis na construção civil. Apesar da grande quantidade de legislação que trata da questão do trabalho no Brasil, ainda são muito reduzidos o interesse e o conhecimento do cidadão comum acerca da temática. Pode ser observado que o acidente de trabalho ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa. Foram verificados os riscos, ações preventivas através da gestão da segurança proporcionado controle de riscos no papel do SESMT (Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho). O artigo apresenta as medidas de controle envolvendo o homem no ambiente de trabalho minimizando os riscos através de recursos como proteção individual em na busca de fazer com que os indivíduos (colaboradores) adquiram hábitos e posturas, seguindo regras e não se expondo aos riscos inerentes ao trabalho em altura na construção civil. Assim pode observar se tiver um bom monitoramento envolvendo a conscientização do uso dos equipamentos e um bom treinamento irá minimizar riscos de morte em acidentes altura.

Biografia do Autor

José Thomaz de Carvalho, Universidade Severino Sombra
Departamento de Engenharia Elétrica - área de Geração; Transmissão; Distribuição; Proteção de Sistemas Elétricos; Engenharia Civil e Engenharia de Segurança do Trabalho

Referências

ALTISEG. Cartilha de Segurança: NR-35 Trabalhos em Altura, Altiseg, 2012. _______. Cartilha de Segurança: Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura. Curitiba, 2012.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria 3.214 de Jul. 1978. Normas regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho - NR-15: Atividades e Operações Insalubres. Brasília, 1978. Acesso em nov, 2001. [on-line]. Disponível em: Disponível em http://unicamp.sibi.usp.br/bitstream/handle/SBURI/25460/S0103-84782007000200030.pdf?sequence=1 Acesso 2017.

BRASIL.C.D. IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). (2009), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro, IBGE.

BRITO, Carmen Reche Garcia. Proteção contra acidentes de trabalho em diferença de nível na construção civil. Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 1997. Disponível em: http://www.segurancaetrabalho.com.br/download/acidentesrazente.pdf. Acesso em: 13/05/2014 as 10:17minutos. Acesso 2016.

CAMPOS, José Luiz Dias, CAMPOS, Adelina Bitelli Dias, Acidentes do Trabalho, 2ª edição, São Paulo: Editora LTR., 2001. Disponível em http://civil.uefs.br/DOCUMENTOS/MARCIMILIA%20SANTANA%20DOS%20SANTOS.pdf Acesso 2017.

CARDELLA, B. Segurança no trabalho e prevenção de acidentes: uma abordagem holística: segurança integrada à missão organizacional com produtividade, qualidade, preservação ambiental, e desenvolvimento de pessoas. 1. Ed – São Paulo: Atlas, 2010.

Cinturão de segurança tipo pára-quedista talabarte de segurança (NBR 15835). Disponível em: http://www.sindusconsp.com.br/downloads/eventos/2010/normas_171211/normas_1 71211.pdf Acesso em 2017.

COSTELLA, Marcelo F. Novo modelo de PCMAT baseado nas contribuições do plano de segurança e saúde na construção. I Conferência latino Americana de Construção Sustentável. São Paulo, jul. 2004. Disponível em:< http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAOVEAF/seguranca-no-trabalho-modelo-pcmat>. Acesso 2017.

LEI 8.213 de 24/07/91. Disponível em http://www6.senado.gov.br/sicon/ExecutaPesquisaLegislacao.action. Acesso em 23/08/09. Acesso 2017.

_______________NR 6 – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPI. Disponível em: portal.mte.gov.br/data/files/.../NR-06%20(atualizada) %202010.pdf. Acesso em nov/2014 Disponível em : http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/3833/1/CT_CEEST_XXIX_2015_07.pdf Acesso 2017.

_______________BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. NR 05 de 1978 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes.

_______________Conceito de Acidentes de Trabalho, Art. 19. da Lei 8.213 de 24/07/91. Disponível em: http://eabsaude.com.br/PDFs/conc_trabalho.pdf Acesso 2014

CAMPOS, Armando Augusto Martins. CIPA - Comissão interna de Prevenção de Acidentes: uma nova abordagem. São Paulo: Editora Senac, 2009. 14ª Ed.

________________ABNT NBR 14629, Equipamento de proteção individual contra queda de altura Absorvedor de energia Disponível em file:///C:/Users/Usuario/Downloads/1CA9C045886167050E5F60E4C2346C2C%20(3).pdf Acesso 2017.

_______________ABNT NBR 15834, Equipamento de proteção individual contra queda de altura – Talabarte de segurança Disponível em: file:///C:/Users/Usuario/Downloads/1CA9C045886167050E5F60E4C2346C2C%20(3).pdf Acesso2017.

_______________ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT).

MONTEIRO, A. R. Apostila de Agentes de Riscos Químicos. Curso de Engenharia de Segurança do Trabalho da Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2011. Disponível em: http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/3944/Eduardo%20Limberger.pdf?sequence=1 Acesso 2017.

PALAZIO. Fábio de Toledo. Conhecendo e eliminando riscos no trabalho. São Paulo: CNI/SESI/SENAI/IEL, 2009.

RAMOS, Paulo. Análise do Programa de Prevenção de Acidentes – Quase Acidente – e a Viabilidade da Aplicação Direta na Construção Civil – Estudo de Caso. Trabalho e Conclusão de Curso submetido à Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC – no ano de 2009. Trabalho disponível em: www.bib.unesc.net/biblioteca/sumario/000040/000040EF.pdf. Acesso. Acesso 2017.

ROCHA, C.A.G.S.C. Diagnóstico do cumprimento da NR-18 no subsetor edificações da construção civil e sugestões para melhoria da gestão da segurança e saúde ocupacional nas empresas da construção civil. 148p. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2013.

RODRIGUES, C.L.P. Leis das Fábricas, 1993. Evolução da segurança do trabalho. Engenharia de Segurança do Trabalho I. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ.

ROQUE, Alexandre Rogério (2011). Palestra - Prevenção de acidente nos trabalhos em altura. Disponível em: http://www.saudeetrabalho.com.br/download/trab-alturaalex.pdf Acesso 2016.

SALIM.C. A FUNDACENTRO, 2011, Saúde e Segurança de Trabalho. Aspectos Institucionais de sistema de informação e indicadores. 2011. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/3033/1/Livro_Saúde_e_segurança_no_trabalho_no_Brasil_aspectos_institucionais_sistemas_de_informação_e_indicadores Acesso 2017.

SESMT 2012. Disponível em: Acesso em 04. Nov. 2012. Disponível em : http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/1361/1/CT_CEEST_XXIV_2013_32.pdf Acesso 2017.

SILVA, M.F.S.; FORMOSO, C. T.; HEINECK, L. F. M. Melhorias de qualidade e produtividade: iniciativas das empresas de construção. Porto Alegre: Programa de Qualidade e Produtividade da Construção Civil no Rio Grande do Sul. 2009. 288p.

WALDHEIM NETO, Nestor. Acidente de trajeto. Goiás: Copyright 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2015.

__________________Brasil. Ministério do Trabalho. NR-6: equipamento de proteção individual - EPI. In: Segurança e Medicina do Trabalho. 61a. ed. São Paulo: Atlas; 2007. p.73-80.

Publicado
2018-12-04