Análise De Microrregiões Ótimas Para Ampliação De Parque Termo Nuclear Brasileiro

  • Adauri Silveira Rodrigues Junior
  • Reinaldo Ramos Silva
  • Cesar da Conceição Simões
  • Mario Rafael de Souza
  • Rafael Camargo Cardoso

Resumo

A matriz energética brasileira enfrenta diversas mudanças a datar da década de 1970, devido à crise de 1973 que gerou um aumento significativo no preço do petróleo. Novas fontes geradoras de energia começaram a se desenvolver para a diversificação da matriz energética brasileira, desta forma, foram criadas novas usinas hidrelétricas, termoelétricas a óleo combustível, além do incentivo para desenvolver novas tecnologias de fontes geradoras renováveis. Na década de 1990, devido ao crescimento populacional, a globalização, e a diversos fatores do desenvolvimento social como, por exemplo, o avanço tecnológico fez com que se instalassem no território nacional usinas termonucleares, observando o crescimento demográfico e econômico mundial, prevê-se um crescente aumento na demanda de energia elétrica. Por outro lado, os recursos naturais necessários a essa geração de energia vem se esgotando, a energia é o elemento essencial no processo civilizatório. O primeiro princípio da termodinâmica diz “nada se move ou se transforma no universo sem energia”. O governo brasileiro sempre negou a existência da crise energética, segundo ele, a ausência de chuvas foi das maiores nas últimas décadas, o que resultava diretamente na oferta de energia. Considerando que o Brasil possui uma das maiores reservas de urânio do mundo, a energia nuclear é a melhor opção para diversificação da matriz energética brasileira em um período de médio - longo prazo, pois ao que se refere ao Brasil não existe registros oficiais sobre a análise de microrregiões para ampliar o parque termonuclear, contudo o projeto tem uma abordagem quantitativa, inicialmente foram escolhidas variáveis consideradas essenciais para a instalação de usinas nucleares, na primeira parte do desenvolvimento, foram analisadas diversas informações como população, área, densidade demográfica que foram disponibilizadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Visualização de mapas Google Maps foi aplicado neste estudo para encontrar rotas rodoviárias objetivando analisar a distancia das cidades centróides e microrregiões, foi desenvolvido o calculo de previsão de demanda de cada unidade da federação através dos métodos quantitativos de média aritmética e juros compostos. A análise envoltória de dados preconizada pela metodologia é eficaz para a seleção das microrregiões, analisando as variáveis pertinentes para a ampliação do parque termo nuclear. Devido à crescente demanda energética no Brasil, se faz necessários estudos voltados para o tema abordado buscando a eficiência no fornecimento de energia elétrica.

Referências

ACERVO ESTADÃO. Alta do petróleo faz país viver crise nos anos de 1970. Disponível em: <http://acervo.estadao.com.br/noticias/acervo,alta-do-petroleo-fez-pais-viver-crise-nos-anos-1970,10618,0.htm>. Acesso em: 08 mai. 2017.

AGENCIA NACIONAL DE ENERGIA ELETRICA. Prodist. Disponível em: <http://www.aneel.gov.br/modulo-3>. Acesso em: 01 mai. 2017.

ALQUÉRES, J. L. Energia para gerações. Rio de Janeiro, 2003.

ANDRADE, G. N.; SANTA’ANNA, A. P. Análise da evolução da eficiência de empresas de transmissão de energia elétrica. Relatório de Pesquisa em Engenharia de Produção, v. 11, n.2. Disponível em: http://www.producao.uff.br/index.php/relatorios-de-pesquisa-rpep acesso em: 2017-05-06

ANEEL. Agência Nacional de Energia Elétrica. Portal da Agência Nacional de Energia Elétrica. Informações sobre o setor elétrico. Disponível em: < http://www.aneel.gov.br/>. Acesso em: 2017-05-03

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA ELÉTRICA. Visão geral do setor. Disponível em: <http://www.abradee.com.br/setor-eletrico/visao-geral-do-setor>. Acessoem: 21 abr. 2017.

BERTRAND J. W. M.; FRASOO J.C. Modelling and simulation. Operations managemant research methodologies using quantitative modeling. International Journal of Operartions& Production Management. Vol. 22, No 22, 2002. P. 241-264.

BIBLIOTECA IBGE. Divisão regional. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/gebis%20-%20rj/drb/divisao%20regional_v01.pdf>. Acesso em: 30 abr. 2017.

CARDOSO, E. Apostila Educativa Energia Nuclear. Rio de Janeiro: CNEN, 2005. Disponível em: <http://www.cnen.gov.br/ensino/apostilas/energia.pdf>.

COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR. A história da energia nuclear. Disponível em: <http://www.cnen.gov.br/images/cnen/documentos/educativo/historia-da-energia-nuclear.pdf>. Acesso em: 02 mai. 2017.

COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR. Normas. Disponível em: <http://www.cnen.gov.br/ensino/apostilas/energia.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2017.

ELETRONUCLEAR. Acesso a informação. Disponível em: <http://www.eletronuclear.gov.br/>. Acesso em: 07 mar. 2017.

ELETRONUCLEAR. Relatório de impactos ambientais. Disponível em: <http://www.eletronuclear.gov.br/portals/0/rimadeangra3/04_usinas.html>. Acesso em: 21 abr. 2017.

ENERGIA EFICIENTE. A crise energética brasileira. Disponível em: <http://energiainteligenteufjf.com/especial/especial-a-crise-energetica-brasileira/>. Acesso em: 03 mai. 2017.

EPE – EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA (Brasil). Balanço Energético Nacional 2008: ano base 2007. Rio de Janeiro: EPE, 2008.

EPE – EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA (Brasil). Balanço Energético Nacional 2009: ano base 2008. Rio de Janeiro: EPE, 2009.

GIROTTI, C. A. Estado Nuclear no Brasil. Ed. Brasiliense S. A., p. 13-227, 1984.

INTERNATIONAL ATOMIC ENEGY AGENCY. Nuclear science. Disponível em: <https://www.iaea.org/worldatom/>. Acesso em: 18 abr. 2017.

INSC: International Nuclear Societies Council. 2016. Disponível em: <http://insc.ans.org/>. Acesso em: 12 abr. 2017.

KAPLAN, I. Nuclear Physics. 1ª ed, Addison Wesley, p. 476-558, 1963

KASSAI, S. Utilizaçãoda Análise por Envoltória de Dados (DEA) na Análise de Demonstrações Contábeis. 1996. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo: FEA/USP.

KRANE, K. S., Introductory Nuclear Physics, 1ª ed, Ed. John Wiley & Sons, p. 478- 520, 1988.

KELECOM, A; GOUVEA, R. A percepção da Radioatividade por Estudantes de Nível Superior. Mundo & Vida vol 3(2) 2002. Disponível em: http://www.uff.br/cienciaambiental/mv/mv3/MV3(2)78-89.pdf

KOOPMANS, T. C. Efficient allocation of resources. Econometrica, v.19, no.1, october 1951

MARINHO, A.; FAÇANHA, L. O. Programas sociais: efetividade, eficiência e eficácia como dimensões operacionais da avaliação. Texto para discussão n. 787. Rio de Janeiro, abr. 2001. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2006.

MELLO, J. C. CORREIA B. S.; MEZA, L. Â.; GOMES, E. G.; NETTO, L. B. Curso de Análise de Envoltória de Dados. XXXVII Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional, Gramado – RS, 2005.

NUCLEAR REGULATORY COMISSION. Nuclear reactors. Disponível em: <https://www.nrc.gov/>. Acesso em: 06 mai. 2017.

SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL. Mapas. Disponível em: <http://www.ons.org.br/conheca_sistema/mapas_sin.aspx>. Acesso em: 26 mar. 2017.

SHERMAN G. E, SUTTON T. BLAZEK R. HOLL S. DASSAU O. MORELY B. MITCHELL T. AND LUTHMAN L. 2015. Quantum GIS UserGuide - Version 2.10 “Pisa”. Acesso em: 25/10/2016. Disponível em: <http://qgis.org/pt_BR/site/>

SONZA, I. B; CERETTA, P. S. Utilização do DEA para análise da eficiência nos supermercados brasileiros. Anais do 5º Congresso USP: Iniciação Científica em Contabilidade. 2008.

TOLMASQUIM, M. T.; GUERREIRO, A.; GORINI, R. Matriz energética brasileira: uma prospectiva. Novos Estudos - CEBRAP, São Paulo, n. 79, p.47-69, nov. 2007.

Publicado
2019-06-28
Seção
Materiais e Energia