Revista de Saúde http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS <p>A Revista de Saúde tem como proposta a publicação de artigos científicos originais, estudos de caso, relatos de caso, Ponto de Vista, Panorama Internacional e uma sessão à Beira do Leito, todos voltados a temas relacionados à Medicina Interna, além de Urgência e Emergência Médica, com o objetivo de aumentar a visibilidade da produção científica através da política de <em>Open Access</em> (Acesso Livre), buscando excelência de conteúdo e brevidade no processo de avaliação e publicação, utilizando revisores Ad hoc.</p> <p>e-ISSN 2179-2739</p> pt-BR <p>No caso de Relatos de Experiência, li os textos abaixo, e estou de acordo, com a política de gerenciamento dos manuscritos publicados neste periódico.</p><ul><li>Orientações dos Atos Normativos do Conselho Nacional de Saúde do Ministério da Saúde-<a href="http://conselho.saude.gov.br/legislacao/index.htm" target="_blank">http://conselho.saude.gov.br/legislacao/index.htm</a></li><li>A Lei de Direitos Autorais (Lei nº 9.610/98) - Ministério da Cultura - <a href="http://www2.cultura.gov.br/site/2008/02/02/lei-no-9610-de-19-de-fevereiro-de-1998/">http://www2.cultura.gov.br/site/2008/02/02/lei-no-9610-de-19-de-fevereiro-de-1998/</a></li><li>Orientações do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal do Ministério de Ciência e Tecnologia -<a href="http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/310555/Legislacao.html" target="_blank">http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/310555/Legislacao.html</a></li><li>Ética e publicação de relatos de caso individuais. Revista Brasileira de Psiquiatria • vol. 32 • nº 1 • Mar 2010</li></ul> revista.saude@universidadedevassouras.edu.br (Prof. Dra. Paloma Martins Mendonça) editorauss@universidadedevassouras.edu.br (Lígia Marcondes) Wed, 28 Jul 2021 10:56:13 -0300 OJS 3.1.2.0 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Expediente V12 N2 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2935 <p>Expediente</p> Editora da Universidade de Vassouras Copyright (c) 2021 Editora da Universidade de Vassouras https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2935 Tue, 27 Jul 2021 09:50:56 -0300 Editorial V12 N2 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2936 Editora da Universidade de Vassouras Copyright (c) 2021 Editora da Universidade de Vassouras https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2936 Tue, 27 Jul 2021 09:13:55 -0300 Avaliação do conhecimento sobre iniciação científica em alunos de medicina http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2568 <p><strong>Introdução</strong>: A participação do aluno em atividades de iniciação cientifica (IC) proporciona a sua inserção precoce na área de pesquisa, com consequente aquisição de conhecimentos, que serão importantes para sua vida profissional, além servir de estímulo para o seu futuro ingresso, em programas de pós graduação. O objetivo do presente estudo foi obter um panorama do conhecimento sobre IC por estudantes de medicina. <strong>Metodologia</strong>: Estudo observacional e transversal sobre o conhecimento em relação às atividades de iniciação científica, através da aplicação de questionário anônimo <em>online</em>, em alunos do curso de medicina, sobre assuntos relacionados a IC. <strong>Resultados</strong>: Dos 224 entrevistados, 176(78,57%) não atuam em iniciação científica, 181(80,8%) desconhecem os trâmites para obtenção de um parecer pelo Comitê de Ética em Pesquisa, 103(45,98%) nunca produziram um tema-livre e não sabem o que é e 123(54,91%) nunca produziram um artigo científico. Mais da metade dos alunos, 117(52,23%), não possuíam o cadastro no currículo Lattes. <strong>Conclusão</strong>: Foi possível observar através do presente estudo, que os estudantes de medicina possuem muitas dúvidas nos temas relacionados à produção cientifica durante a graduação. A maioria deles não atua em iniciação científica e nunca participou de grupos de pesquisa</p> João Pedro de Resende Côrtes, Sara Cristine Marques dos Santos, Thaís Lemos de Souza Macedo, João Carlos de Souza Côrtes Junior, Paula Pitta de Resende Côrtes , Ivana Picone Borges de Aragão Copyright (c) 2021 João Pedro de Resende Côrtes, Sara Cristine Marques dos Santos, Thaís Lemos de Souza Macedo, João Carlos de Souza Côrtes Junior, Paula Pitta de Resende Côrtes , Ivana Picone Borges de Aragão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2568 Wed, 28 Jul 2021 09:06:59 -0300 O impacto do glaucoma na qualidade de vida: uma revisão sistemática http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2478 <p>O glaucoma é uma neuropatia óptica crônica assimétrica, que ocasiona a degeneração lenta e progressiva das células ganglionares da retina, cujos axônios formam o nervo óptico e conduzem informações para o córtex visual primário. O objetivo do presente estudo é avaliar o impacto do glaucoma na qualidade de vida do indivíduo. Foi realizada uma revisão sistemática de literatura, retrospectiva, transversal, qualitativa, com as bases SciELO, LILACS e a National Library of Medicine do PubMed, com artigos em inglês ou português, publicados entre 2015 e 2020, disponíveis por completo em meio eletrônico e estudos do tipo relato de caso, ensaio clínico, ensaio clínico controlado randomizado ou artigo original. Aqueles artigos que não se adequaram ao tema ou duplicados foram excluídos. Em 21 artigos (33%) foram observados que o glaucoma exerce uma grande influência no domínio físico, 20 (31%) abordaram a relevância do ambiente no manejo da doença, 15 (23%) descrevem a relação com problemas psicológicos, enquanto que 8 (13%) relatam a influência do glaucoma nas relações sociais. Os indivíduos precisam lidar com limitações psicológicas, ambientais e sociais desde o momento do diagnóstico. Reduzir a taxa de deterioração do campo visual possui efeito significativo na QV, sendo o diagnóstico tardio o fator de risco mais importante para deficiência visual e cegueira. O estudo evidenciou os efeitos deletérios do glaucoma na QV, ressaltando a necessidade de abordar holisticamente os pacientes glaucomatosos a fim de amenizar o impacto da doença que, além de elevada prevalência, causa cegueira irreversível e afeta diferentes domínios da QV.</p> Bianca Queiroz, Lívia Oliveira Delgado Mota Copyright (c) 2021 Bianca Queiroz, Lívia Oliveira Delgado Mota https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2478 Mon, 26 Jul 2021 14:38:46 -0300 Prevalência de Lesões Osteomusculares em motoristas de ônibus: Uma revisão integrativa http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2651 <p><strong>INTRODUÇÃO: </strong>Lesões por esforços repetitivos ou distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (LER / DORT) são uma síndrome que vem se tornando motivo de debate mundial, impactando o sofrimento psíquico dos trabalhadores e gerando prejuízos bilionários à sociedade.<strong> MATERIAL E MÉTODO: </strong>Revisão integrativa, sendo realizado o levantamento dos artigos nas bases de dados Scielo, MedLine, Lilacs, a partir da questão norteadora da busca: “Quais regiões do corpo apresentam maior prevalência de lesões musculoesqueléticas em motoristas de ônibus? ”. Assim, as palavras-chave: “Transtornos traumáticos cumulativos (leia / Dort)” foram cruzadas; “Saúde do trabalhador”; “Condução de veículos”; "Epidemiologia"; "Qualidade de vida".<strong> RESULTADOS: </strong>123 artigos foram encontrados nas bases de dados selecionadas para a busca. Após as buscas, por meio da leitura do título e do resumo, foram selecionados 10 artigos, dos quais três artigos foram excluídos por abordarem a prevalência de lesões musculoesqueléticas em outra população que não os motoristas, restando, assim, sete artigos após leitura na íntegra que contemplava o método metodológico critérios estipulados para o desfecho pretendido, com cinco artigos em português e dois em inglês.<strong> DISCUSSÃO: </strong>As regiões corporais com maior prevalência de lesões osteomusculares em motoristas de ônibus foram ao longo da região do esqueleto axial, principalmente com prevalência de dor na parte superior das costas, ombros, pescoço, braços e mãos, região lombar, membros inferiores, tais como joelhos.<strong> CONSIDERAÇÕES FINAIS: </strong>Há elevada prevalência de lesões musculoesqueléticas em motoristas de ônibus, afetando principalmente membros superiores (ombro, pescoço, braços, punhos / mãos) seguidos de membros inferiores (joelhos) e região lombar.</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>Transtornos traumáticos cumulativos (LER/DORT); Saúde do trabalhador; Condução de veículo; Epidemiologia; Qualidade de vida.</p> Danyele Holanda da Silva, André Rodrigues Carvalho, Rivanda Berenice Silva de Freitas Adad, Abimael de Carvalho, Tassiane Maria Alves Pereira, Izabelle Macedo de Sousa Copyright (c) 2021 Danyele Holanda da Silva, André Rodrigues Carvalho, Rivanda Berenice Silva de Freitas Adad, Abimael de Carvalho, Tassiane Maria Alves Pereira, Izabelle Macedo de Sousa https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2651 Mon, 26 Jul 2021 14:40:51 -0300 A eficácia da terapia quiroprática no tratamento da escoliose idiopática do adolescente (EIA): uma revisão integrativa http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2562 <p><strong>Introdução:</strong> A Escoliose Idiopática do Adolescente (EIA) é atualmente caracterizada por curvatura da coluna acima de 10 graus, seguida de rotação vertebral coexistente, e é uma doença que atinge crianças e adolescentes, atingindo cerca de 5,2% da população. A Quiropraxia tem grande relação com a redução da curvatura da coluna vertebral, exercendo atribuições importantes no monitoramento e ajuste da escoliose na fase inicial. <strong>Material &amp; Método:</strong> A literatura sobre a eficácia da Quiropraxia no tratamento da AIE foi atualizada, originalmente em inglês nas bases de dados PubMed, Semantic Scholar e Science Direct dos últimos 5 anos. <strong>Resultados:</strong> Após avaliação dos artigos nas bases de dados, cinco deles foram incluídos para a síntese das informações e ratificação do objetivo da pesquisa. Discussão: Com base nos resultados, ficou demonstrado que a quiropraxia é uma estratégia importante nos primeiros meses de tratamento e nos casos de ângulo de Cobb abaixo de 40 °. Além disso, as manipulações da coluna podem ser usadas em conjunto com exercícios e equipamentos para resultados mais satisfatórios. <strong>Considerações finais:</strong> Mais estudos precisam ser feitos sobre o tema, por se tratar de um assunto muito relevante. Ainda mais, o tratamento quiroprático é essencial para melhorar a auto-estima e a funcionalidade das atividades da vida diária.</p> Lídya Maria Calisto Viana, Keven do Nascimento Pereira, Tassiane Maria Alves Pereira, Janaina Silva Copyright (c) 2021 Lídya Maria Calisto Viana, Keven do Nascimento Pereira, Tassiane Maria Alves Pereira, Janaina Silva https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2562 Mon, 26 Jul 2021 14:42:17 -0300 Sarcoidose: relato de caso http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2725 <p><strong>Resumo:</strong></p> <p><strong>Introdução:</strong> A sarcoidose é uma doença inflamatória multissistêmica de característica autoimune que acomete o pulmão em sua prevalência. Seu diagnóstico é obtido pela correlação clínico – radiológica positiva, além da ratificação histopatológica com o granuloma não caseoso, sua característica marcante. Possui etiologia ainda desconhecida, porém hipóteses sugerem uma reação granulomatosa inflamatória a partir da proliferação de linfócitos T CD4+ e outras células, devido ao contato com antígenos ambientais em indivíduos geneticamente predispostos ao seu desenvolvimento. É considerada uma doença rara e possui literatura escassa no Brasil. <strong>Objetivo:</strong> Relatar um caso de sarcoidose desde o diagnóstico até o tratamento, ampliando o conhecimento escasso sobre essa doença no Brasil. <strong>Material e método:</strong> As informações foram coletadas a partir da análise retrospectiva do prontuário, além de anamnese e exame físico da paciente confrontando os dados obtidos com a literatura atual, pesquisados em português e inglês na bases de dados&nbsp; PubMed, Scielo e Lilacs, dos anos de 2000 à 2019.&nbsp; <strong>Discussão:</strong> Houve correlação epidemiológica positiva com o perfil da paciente relatada, porém verificou-se um equívoco quanto a hipótese diagnóstica inicial com base na incompatibilidade da correlação clínico-histopatológica necessária para fechar o diagnóstico. Após nova biópsia houve melhor esclarecimento quanto a etiologia granulomatosa e confirmação do diagnóstico. <strong>Conclusão: </strong>Concluiu-se que a sarcoidose é pouco prevalente no Brasil e possui um polimorfismo grande sendo inclusa em muitos diagnósticos diferenciais de outras patologias prevalentes. Isso torna-a um desafio diagnóstico, que deve ser sempre considerada frente a manifestações clínicas inespecíficas.&nbsp;&nbsp;</p> <p><strong>PALAVRAS-CHAVE: </strong>Sarcoidose; Sarcoidose pulmonar; Doença de Besnier-Boeck.</p> Igor Campos Roubert, Ricardo André dos Santos Vaz Copyright (c) 2021 Igor Campos Roubert, Ricardo André dos Santos Vaz https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2725 Mon, 26 Jul 2021 14:44:11 -0300 Hamartoma adenomatoide epitelial respiratório: relato de caso http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2525 <p class="western" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;">Os tumores benignos da cavidade nasal incluem um conjunto de lesões de caráter histopatológico heterogêneo. Dentre esses tumores está incluso um subtipo de hamartoma, descrito como Hamartoma Adenomatoide Epitelial Respiratório (HAER) caracterizado por proliferações glandulares anormais derivadas da fossa nasal, nasofaringe e seios paranasais, principalmente do septo posterior, com alto potencial curativo, mas que constitui um diagnóstico desafiador na prática clínica devido a sua raridade. O objetivo foi relatar um caso de HAER, divulgar o conhecimento científico sobre essa tumoração benigna e rara, além de incentivar o diagnóstico diferencial. Paciente masculino, de 49 anos, com sintoma de dor </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR">facial</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"> intensa de início agudo, de carácter contínuo, com intensidade 9 em 10 (sendo zero ausência de dor, e dez o máximo de dor),</span></span></span> <span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;">com irradiação para gengiva, nariz e orelha externa, agravada pela sensibilidade maior a temperatura mais baixa. Várias medidas diagnósticas e terapêuticas foram realizadas para o alívio da dor, mas sem sucesso. Procurou acompanhamento com diversas especialidades, que através de exames de imagem, foi evidenciado uma lesão tumoral em rinofaringe. Por suspeita de uma neoplasia maligna, foi realizado uma cirurgia para exérese total do tumor. Todavia, a análise anatomopatólogica confirmou o diagnóstico de HAER, uma tumoração benigna e rara. Pela raridade do HAER, com poucos relatos na literatura, é importante haver a divulgação, contribuindo para o conhecimento sobre a doença, possibilitando o diagnóstico diferencial naqueles com dor facial de forte intensidade, associado à presença de tumorações em nasofaringe ou paranasal.</span></span></span></p> Raquel Alves dos Santos, Raul Ferreira de Souza Machado, Joelma Rodrigues Souza Gonçalves, Caio Teixeira dos Santos, Ivana Picone Borges de Aragão Copyright (c) 2021 Raquel Alves dos Santos, Raul Ferreira de Souza Machado, Joelma Rodrigues Souza Gonçalves, Caio Teixeira dos Santos, Ivana Picone Borges de Aragão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2525 Mon, 26 Jul 2021 14:45:29 -0300 Análise epidemiológica comparativa entre transplante hepático de doadores vivos e doadores mortos nos últimos 5 anos no Rio de Janeiro http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2506 <p>O transplante de fígado é o tratamento de escolha para pacientes com insuficiência hepática, quando não há mais proposta terapêutica conservadora efetiva. Os objetivos do transplante são melhorar a qualidade de vida do paciente e prolongar sua sobrevida. Este órgão pode ser doado a partir de um cidadão vivo ou falecido. O propósito deste estudo é realizar uma análise comparativa, no Estado do Rio de Janeiro, entre cada procedimento, considerando dados como número total de cirurgias, custo médio, taxa de mortalidade e tempo médio de internação. Segundo os resultados, no Rio de Janeiro, 91,2% dos transplantes utilizaram órgão de doadores falecidos e 8,71% de vivos. Os custos foram de R$ 82.162,94 para procedimento intervivos e R$ 94.216,91 para falecidos. A média de internação foi de 13,9 dias para o procedimento entre vivos e 10,5 dias para doador morto. A taxa de mortalidade e óbitos foram 8,97% e 7, respectivamente, para doadores vivos e 10,77% e 88 para doadores mortos. Apesar da predominância de doadores falecidos, esse procedimento apresenta empecilhos como a resistência das famílias a doação e problemas organizacionais do órgão responsável. E, ainda, existe um temor por parte dos candidatos a doadores em vida com sua saúde e complicações cirúrgicas. Sendo assim, há necessidade de conscientizar a população sobre a importância de ser doador, esclarecer as famílias o real significado da morte encefálica e sanar possíveis dúvidas. Somente o estímulo a ambos os tipos de doação poderá reduzir as filas de espera e salvar vidas.</p> Maria Carolina da Silva Gaspar, Júlia da Silveira Pacheco Ferraz, Mariana do Espírito Santo e Santos, Thayssa Vasconcellos Guide, Cristina Maria Monteiro Dantas Copyright (c) 2021 Maria Carolina da Silva Gaspar, Júlia da Silveira Pacheco Ferraz, Mariana do Espírito Santo e Santos, Thayssa Vasconcellos Guide, Cristina Maria Monteiro Dantas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2506 Mon, 26 Jul 2021 14:47:01 -0300 Insuficiência cardíaca no Brasil: enfoque nas internações hospitalares no período de 2010 a 2019 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2496 <p>Cerca de 23 milhões de pessoas são portadoras de Insuficiência Cardíaca, havendo dois milhões de novos casos diagnosticados a cada ano no mundo, constituindo a primeira causa de internação hospitalar, em pacientes acima de 60 anos de idade no Brasil. Objetivo: Traçar um panorama epidemiológico de insuficiência cardíaca por macrorregião brasileira durante 10 anos. Métodos: realizado através de dados obtidos no banco de dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) - Sistema de Informações Hospitalares e Sistema de Morbidade Hospitalar, sobre o panorama epidemiológico da insuficiência cardíaca no período entre janeiro de 2010 e dezembro de 2019. Resultados: Foi observado que as internações para tratamento de IC possuem predominância do caráter de urgência. No sistema de morbidade hospitalar, a faixa de idade prevalente, em adultos, foi entre 70 a 79 anos e, em crianças, os menores de 1 ano, com 13.374 casos. A taxa de mortalidade brasileira, nos 10 anos pesquisados, foi de 10,13. Conclusão: No Brasil, o número de internações por insuficiência cardíaca é elevado, assim como o de mortalidade. Por isso, é importante investir na prevenção primária das doenças cardiovasculares, assim como na secundária e terciária.</p> Rayane de Oliveira Silva Santos, Sara Cristine Marques dos Santos, Gabriela Albuquerque dos Santos, Mariana Luíza Ferreira de Azevedo, Thaísa Pimenta Ferreira de Oliveira, Ivana Picone Borges de Aragão Copyright (c) 2021 Rayane de Oliveira Silva Santos, Sara Cristine Marques dos Santos, Gabriela Albuquerque dos Santos, Mariana Luíza Ferreira de Azevedo, Thaísa Pimenta Ferreira de Oliveira, Ivana Picone Borges de Aragão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2496 Mon, 26 Jul 2021 14:48:19 -0300 Qual a importância das coagulopatias como causa de óbito nos menores de 1 ano no Brasil? http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2462 <p>As coagulopatias estão associadas à elevada morbimortalidade, principalmente no paciente criticamente doente. Podem ser divididas em congênitas ou adquiridas, dentre as quais a coagulação intravascular disseminada (CIVD) tem maior prevalência. Conhecer como se distribuem no Brasil as coagulopatias no primeiro ano de vida e se representam importante causa de óbito é fundamental para se traçar estratégias de cuidados dos pacientes em risco. O objetivo deste trabalho é conhecer a importância das coagulopatias como causa de óbito através das taxas de mortalidade e mortalidade proporcional em menores de 1 ano no Brasil de 2006 a 2017. Foi realizado estudo ecológico de séries históricas das taxas de mortalidade e mortalidade proporcional por coagulopatias e por todas as causas em menores de um ano, no Brasil, de 2006 a 2017. Dados de nascidos vivos obtidos pelo SINASC / DATASUS / MS e óbitos obtidos no SIM/DATASUS/MS. As coagulopatias representaram 33% dos óbitos por doenças relacionadas ao sangue, sendo a principal causa neste grupo. A taxa de mortalidade foi de 2,10 por 100.000 nascidos vivos e mortalidade proporcional por todas as causas de 15,15%. Dentre as coagulopatias a CIVD foi responsável por 47,4%, sendo identificada como principal causa de mortalidade por coagulopatia no grupo etário estudado, a qual possui diversas causas precipitantes, sendo a mais importante nessa população a infecciosa. Conhecer o perfil epidemiológico de mortalidade infantil é importante para instituir medidas de melhoria da assistência em saúde, fornecendo subsídios para o desenvolvimento de intervenções e redução da mortalidade.</p> Bárbara Luíza Meireles Pinheiro, Ramon Magro Ferreira, Lara Costa Martins, Thais Rocha Salim Copyright (c) 2021 Bárbara Luíza Meireles Pinheiro, Ramon Magro Ferreira, Lara Costa Martins, Thais Rocha Salim https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2462 Mon, 26 Jul 2021 14:49:46 -0300 Estudo epidemiológico das taxas de internação hospitalar entre a mastectomia em oncologia e a plástica mamária reconstrutiva pós mastectomia no período de junho de 2015 a junho de 2020, no Estado do Rio de Janeiro http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2451 <p>O câncer de mama é um importante problema de saúde pública e a neoplasia maligna mais incidente em mulheres no Brasil. Uma vez feito o diagnóstico, o principal tratamento efetivo é através da cirurgia, podendo interferir no estado emocional da paciente já que a mama é um importante símbolo ligada a feminilidade. O objetivo da pesquisa é estudar as internações hospitalares entre a mastectomia em oncologia e a plástica mamária reconstrutiva pós mastectomia, a partir de uma pesquisa do tipo epidemiológica descritiva. Foram analisados dados do DATASUS a respeito do número de internações aprovadas e o valor total gasto com tratamento em pacientes submetidas a mastectomia simples em oncologia e mastectomia radical com linfadenectomia axilar em oncologia no período de junho de 2015 a junho de 2020 e pacientes submetidas a plástica mamária reconstrutiva pós mastectomia com implante de prótese no período de junho de 2015 a junho de 2020. A mastectomia se trata de um processo invasivo, que acarreta na mutilação da mama, comprometendo a autoimagem corporal e a autoestima da paciente. Nesse contexto, a cirurgia reconstrutiva reduz os estigmas e sequelas deixadas pela mastectomia. Os dados obtidos através do DATASUS revelam que existe uma baixa procura para a cirurgia mamária reconstrutiva pelo Sistema Único de Saúde.</p> Tayná Vieira Pires, Alan Ferreira Silva, Sarah Lages Coelho, Suzane Aguiar de Souza, Sebastião Jorge da Cunha Golçalves Copyright (c) 2021 Tayná Vieira Pires, Alan Ferreira Silva, Sarah Lages Coelho, Suzane Aguiar de Souza, Sebastião Jorge da Cunha Golçalves https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2451 Wed, 28 Jul 2021 09:05:46 -0300 Estudo do perfil epidemiológico dos pacientes portadores de tuberculose na Região de Saúde Centro-Sul (RJ) dos casos confirmados entre 2015 e 2019. http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2450 <p>Cerca de um terço da população mundial possui infecção pelo <em>Mycobacterium </em>tuberculosis, sendo de 5% a 10% dessas pessoas, ou adoecerão, ou se tornarão infectantes da tuberculose em algum momento de suas vidas. O objetivo do presente estudo é desenhar o perfil epidemiológico com as características mais comum dos pacientes com tuberculose nos últimos 5 anos (2015 a 2019) na Região de Saúde Centro-Sul (RJ), visando a criação de ações para a prevenção da ocorrência de novos casos, diminuindo morbidades e mortalidade, além de diminuir o gasto com tuberculose pelo SUS de forma local. Trata-se de um estudo transversal, observacional, quantitativo, descritivo, onde os dados foram retirados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan Net, dos anos de 2015 a 2019. Foram notificados 741 casos de tuberculose no período, onde o perfil mais comum encontrado foi de pacientes com escolaridade com ensino médio completo, raça branca, sexo masculino, entrada sendo um caso novo, forma pulmonar, positividade para HIV menor que o índice nacional e com maior percentual de teste, menor índice de realização de tratamento supervisionado e maior índice de encerramento por cura. Existem ações específicas que podem ser implementadas de acordo com cada cidade que compõem a Região de Saúde Centro-Sul (RJ) para melhorar os índices, embora, como visto nos resultados, está superior à média nacional em muitos pontos.</p> <p>Palavras-chave: Tuberculose; Perfil de saúde; Controle de doenças transmissíveis;</p> Renato Franco Borges, Sebastião Jorge da Cunha Gonçalves Copyright (c) 2021 Renato Franco Borges, Sebastião Jorge da Cunha Gonçalves https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2450 Mon, 26 Jul 2021 14:53:17 -0300