Revista de Saúde http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS <p>A Revista de Saúde tem como proposta a publicação de artigos científicos originais, estudos de caso, relatos de caso, Ponto de Vista, Panorama Internacional e uma sessão à Beira do Leito, todos voltados a temas relacionados à Medicina Interna, além de Urgência e Emergência Médica, com o objetivo de aumentar a visibilidade da produção científica através da política de <em>Open Access</em> (Acesso Livre), buscando excelência de conteúdo e brevidade no processo de avaliação e publicação, utilizando revisores Ad hoc.</p> <p>e-ISSN 2179-2739</p> Universidade de Vassouras pt-BR Revista de Saúde 2179-2739 <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <p>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o artigo simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Creative Commons CC BY que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista. Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. É a licença mais flexível de todas as licenças disponíveis. É recomendada para maximizar a disseminação e uso dos materiais licenciados.</p> <p>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</p> <p>Ver o texto legal da licença em: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/</p> <p> </p> Epidemiologia do câncer de próstata no Brasil nos últimos 10 anos http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2855 <p><strong>&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp; </strong>&nbsp;O câncer de próstata é o que mais acomete homens no país, principalmente idosos com mais de 65 anos. Sendo assim, o objetivo foi avaliar a perspectiva do câncer de próstata no Brasil nos últimos 10 anos, tendo como foco relacionar dados relevantes como número de internações, faixa etária e taxa de mortalidade com a bibliografia coletada. Para isso, foi realizada uma coleta observacional, descritiva e transversal de dados do DATASUS - Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS) do Ministério da Saúde. Como resultado, o número de internações foi de 282.736, com taxa de mortalidade de 9,15 e maior acometimento a partir dos 50 anos e na etnia branca. A partir disso, foi constatado que os números da doença estão aumentando a cada ano, associado a alta taxa de mortalidade. Por esse motivo, é necessário realizar estudos epidemiológicos aprofundados e conscientizar a população a respeito da doença, a fim de possibilitar um melhor controle dela no Brasil.</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>Câncer de Próstata; Neoplasia Maligna da Próstata; Epidemiologia.</p> Eduarda Gomes do Nascimento Gabriel Augusto Filgueiras de Carvalho Gabriela Paiva da Costa Jardim Juliana Lopes Dias Hélcio Serpa de Figueiredo Junior Copyright (c) 2022 Eduarda Gomes do Nascimento, Gabriel Augusto Filgueiras de Carvalho, Gabriela Paiva da Costa Jardim, Juliana Lopes Dias, Hélcio Serpa de Figueiredo Junior https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 48 52 10.21727/rs.v13i2.2855 Análise epidemiológica dos procedimentos cirúrgicos por transplante de células-tronco hematopoiéticas de medula óssea: autogênico versus alogênico http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2860 <p>Os transplantes de medula óssea, são uma modalidade terapêutica que permite a utilização de altas doses de quimioterápicos, devido a possibilidade da infusão de células tronco hematopoiéticas, para reverter a toxicidade causada pelas drogas utilizadas na quimioterapia. O objetivo do presente estudo é a analisar e comparar o perfil epidemiológico dos procedimentos cirúrgicos de transplante autogênico de células tronco hematopoiéticas de medula óssea com o transplante alogênico aparentado e não aparentado. Trata-se de um estudo observacional, descritivo e transversal dos dados disponíveis no DATASUS de dezembro de 2014 a dezembro de 2019, avaliando o número de internações e taxa de mortalidade do transplante autogênico de células-tronco hematopoiéticas de medula óssea, do transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas de medula óssea aparentado e do transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas de medula óssea não aparentado. No Brasil, no período analisado ocorreram 1019 internações para o procedimento de transplante autogênico de células-tronco hematopoiéticas de medula óssea, 1683 internações para o transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas aparentado e 833 internações para o transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas não aparentado. Tal coleta contribuiu para abordar os pontos positivos e negativos das duas modalidades de transplante de medula-óssea. Sendo observado que o procedimento feito com células do próprio paciente, apresenta menos riscos do que o feito com células de outro doador, entretanto, por ter muitos requisitos para o procedimento, o transplante autólogo é mais realizado no Brasil do que o autogênico.</p> Isabella Cristine da Silva Sant'Ana Bruno Cezário Costa Reis Copyright (c) 2022 Isabella Cristine da Silva Sant'Ana, Bruno Cezário Costa Reis https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 53 58 10.21727/rs.v13i2.2860 Perfil Epidemiológico de Idosos Internados por Fratura de Fêmur no Brasil http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2964 <p>A fratura proximal de fêmur em idosos, na maioria das vezes, é consequência de quedas, sendo considerada uma importante causa de morbimortalidade nessa população e muitas vezes está relacionada a outras comorbidades preexistentes. Neste estudo, foi realizada uma revisão de literatura por meio de busca na base de dados do DATASUS- Sistema de Informações Hospitalares/Sistema único de Saúde (SIH/SUS) no período de 2012 a 2019. O objetivo do estudo foi conhecer o caráter epidemiológico envolvido nas internações dessa fratura em idosos de acordo com as cinco regiões brasileiras. Nesse sentido pretendeu-se correlacionar a epidemiologia atual com os resultados encontrados na tentativa de esclarecer o padrão de acometimento de tal ocorrência, por meio da relação entre variáveis como sexo, faixa etária, caráter atendimentos, custos em saúde, óbitos, entre outros. O estudo mostrou que o perfil de internações e óbitos encontrado teve predominância no sexo feminino e raça branca, sendo que esses aumentavam com a idade. Foi possível concluir que em decorrência do avanço da expectativa de vida aumentou-se a prevalência de internações devido à fratura de fêmur nos idosos, o que tem gerado elevado custo à saúde pública.&nbsp; Sendo necessário um controle a fim de prevenir os fatores de risco para quedas nessa população.</p> <p><strong><em>Palavras- chave:</em></strong> fratura de quadril, epidemiologia, idoso, brasil.</p> Jessica Abdala Lima Lineker Pin Salles Marcos Alex Mendes da Silva Copyright (c) 2022 Jessica Abdala Lima, Lineker Pin Salles, Marcos Alex Mendes da Silva https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 59 65 10.21727/rs.v13i2.2964 Mortalidade Materna no estado do Rio de Janeiro: um perfil epidemiológico http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2900 <p>A mortalidade materna é definida como o óbito de uma mulher no período gestacional ou puerperal. Ela é um importante indicador de saúde da população, sendo usada para qualificar desenvolvimento e qualidade de vida dos países. Este trabalho teve como objetivo descrever o perfil epidemiológico das mortes maternas ocorridas no Estado do Rio de Janeiro, entre 2009 e 2019 e discutir os aspectos sociodemográficos relacionados a mortalidade materna. As bases de dados utilizadas foram o Sistema de Informações Sobre Mortalidade (SIM) e o Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC), adquiridos através do Departamento do Sistema Único de Saúde (DATASUS). No intervalo estudado foram registrados 1851 óbitos maternos por causa obstétrica e o coeficiente de mortalidade materna total do estudo foi 78,83. A faixa etária de 45 a 49 anos apresentou maior valor, com coeficiente de mortalidade de 359,06. Em relação a escolaridade, o coeficiente de mortalidade das mães com escolaridade ignorada obteve valor de 455,07. As mulheres pardas apresentaram maior incidência de óbitos, com 827 mortes. De acordo com o estado civil, as progenitoras solteiras obtiveram maior número de mortes, com 1226 óbitos. Com o estudo, pode-se observar que a mortalidade é maior nos extremos de idade, nas mulheres com baixa escolaridade, solteiras e de etnia parda ou negra. Dessa maneira, foi constatado que a mortalidade materna no estado do Rio de Janeiro se distribui de forma desigual. Ao analisar os fatores epidemiológicos notou-se que existem subgrupos de populações mais vulneráveis ao óbito durante o período gestacional e puerpério.</p> Thauane Barbosa da Silva Paula Zamboti Brandão Oswaldo Aparecido Caetano Copyright (c) 2022 Thauane Barbosa da Silva, Paula Zamboti Brandão, Oswaldo Aparecido Caetano https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 66 71 10.21727/rs.v13i2.2900 Análise epidemiológica dos casos de pneumonia na população pediátrica brasileira nos últimos 10 anos. http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2923 <p>A pneumonia está entre as 5 principais causas de morte em crianças com até 5 anos de idade em todo o mundo. No Brasil, nos últimos 10 anos, foram registradas mais de 2 milhões de internações e mais de 14 mil óbitos por esta causa em pacientes com até 14 anos de vida. Dessa forma, o presente estudo teve como objetivo realizar uma análise epidemiológica desta patologia no país entre os anos de 2010 e 2019, coletando informações no Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) – Sistema de Informações Hospitalares/Sistema Único de Saúde (SIH/SUS). Foram coletados dados sobre número de óbitos, internações e taxa de mortalidade de acordo com as faixas etárias, sexo e regiões do país. De acordo com as informações obtidas, houve uma redução de 24,9% do número de óbitos e 37,5% de internações, de modo que a faixa etária mais acometida foi a de pacientes com até 4 anos de idade e a região mais afetada foi a região sudeste. Dessa forma, foi possível notar a importante redução da maioria dos valores avaliados, porém, mantendo ainda números de internações e óbitos relevantes no contexto analisado. Assim, são necessários estudos epidemiológicos regionais mais específicos e maiores investimentos nos setores de assistência à saúde a fim de diminuir o número de acometidos.</p> Catharina Costa Natan de Oliveira Faria Machado Juliana Lopes Dias Ellen Francine Rosestolato Gabriela Paiva da Costa Jardim Christianne Terra de Oliveira Azevedo Copyright (c) 2022 Catharina Costa, Natan de Oliveira Faria Machado, Juliana Lopes Dias, Ellen Francine Rosestolato, Gabriela Paiva da Costa Jardim, Christianne Terra de Oliveira Azevedo https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 72 77 10.21727/rs.v13i2.2923 Perfil Epidemiológico da Tuberculose no Estado de Pernambuco nos Últimos Dez Anos http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2741 <p>RESUMO</p> <p>Apesar da transição no perfil epidemiológico, a tuberculose ainda continua como um sério entrave à saúde pública em todo mundo. No Brasil, o estado de Pernambuco está entre as capitais que possuem um coeficiente de mortalidade por essa doença maior do que o coeficiente do país. O trabalho tem como objetivo estabelecer o perfil epidemiológico da doença Tuberculose no estado de Pernambuco nos últimos 10 anos. O presente estudo se caracteriza por ser Ecológico Retrospectivo, utilizado para medir a prevalência de doenças e útil para o planejamento em saúde. A coleta de dados foi realizada de forma secundária através da divisão de Tuberculose - Casos confirmados e notificados no Sistema de Informação de agravos de notificação – Pernambuco no TABWIN-PE. O número de casos através dos anos aparece alto e constante, sendo o ano de 2019 o que alcançou mais casos, com um total de 6.166, o que representa um aumento de 11,8% ao ano com menos casos que foi 2010. Foi observado que o Perfil Pernambucano nos últimos 10 anos foi análogo ao de diversos estudos e também se esclareceu a importância de medidas de prevenção focadas nas populações encontradas. O alto índice de novos diagnósticos pela tuberculose em Pernambuco, durante os anos de 2010 a 2019, mostra transparência no Sistema de Notificação, visto que a subnotificação é um fator apontado por vários autores.</p> <p><strong>PALAVRAS-CHAVE</strong>: Tuberculose, Saúde Coletiva, Epidemiologia.</p> Wenys Claudio Gomes da Silva Amanda Maria Chaves Irani de Farias Cunha Júnior Copyright (c) 2022 Wenys Claudio Gomes da Silva, Amanda Maria Chaves, Irani de Farias Cunha Júnior https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 78 84 10.21727/rs.v13i2.2741 Expediente V13N2 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/3336 <p>Expediente V13N2</p> Editora Universidade de Vassouras Copyright (c) 2022 Editora Universidade de Vassouras https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 Editorial V13N2 http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/3335 Editora Universidade de Vassouras Copyright (c) 2022 Editora Universidade de Vassouras https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 Sequelas pós-infecção aguda por SARS-CoV-2: Uma revisão de literatura http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/3187 <p>As complicações associadas à fase aguda da COVID-19 já estão bem descritas, no entanto, complicações tardias de médio e longo prazo, recentemente definidas como Síndrome pós COVID aguda ou Covid Longa estão levando um número crescente de pacientes já recuperados da infecção a procurar por assistência médica para tratar sintomas físicos e mentais persistentes. Considera-se fundamental que, à medida que o número de pacientes recuperados aumenta, se tenha uma melhor compreensão das sequelas deixadas pela doença. O objetivo deste estudo foi verificar quais as sequelas mais prevalentes associadas à infecção por COVID-19 após a hospitalização. O método de pesquisa foi uma revisão integrativa de literatura de artigos científicos publicados nos anos de 2020 e 2021, disponíveis nas bases de dados da Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e na coleção Scientific Electronic Library Online (SCIELO) e na base de descritores da U.S. National Library of Medicine - PubMed, utilizando os descritores “SARS-CoV-2”, “COVID-19”, “Sequelas”, e suas correspondentes em inglês. A estratégia de busca recuperou um total de 1028 artigos, após o processo de inclusão e exclusão, 19 estudos foram considerados relevantes para a realização desta revisão. As sequelas COVID-19 pós-aguda são manifestações sintomas clínicos de origem multifatorial apresentadas por pacientes recuperados, independente da gravidade da doença na fase aguda, podendo persistir semanas ou meses após a infecção aguda, bem como se tornar crônicas. As manifestações mais comuns incluem fadiga, dispneia, ansiedade, depressão, distúrbios cognitivos e do sono, perda de apetite, náuseas e diarreia. Conclui-se que os cuidados com pacientes com COVID-19 sintomática não devem terminar com a recuperação do quadro agudo da doença e/ou alta hospitalar, o acompanhamento ambulatorial periódico é fundamental na identificação de possíveis sequelas.</p> Thiago Pontes de Oliveira César Alexandre Mitsuo Mituiassu Marilei de Melo Tavares Rodrigo Dias Ambrósio Felipe Valle de Mello Alberto Guimarães Medrado Sobrinho Copyright (c) 2022 Thiago Pontes de Oliveira César, Alexandre Mitsuo Mituiassu, Marilei de Melo Tavares, Rodrigo Dias Ambrósio, Felipe Valle de Mello, Alberto Guimarães Medrado Sobrinho https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 2 11 10.21727/rs.v13i2.3187 Tratamento não farmacológico na síndrome de abstinência alcoólica: Revisão de literatura http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2948 <p>A síndrome de abstinência alcoólica é caracterizada por sinais e sintomas &nbsp;após abstinência ou diminuição do consumo crônico do álcool. O objetivo desse trabalho foi comparar fatores que podem interferir antes, durante e após , na eficácia do tratamento não farmacológico da abstinência alcoólica. Trata-se de uma revisão integrativa de literatura que utilizou os seguintes descritores: treatment, alcoholic abstinence e symptoms. Foram selecionados, após critérios de inclusão e exclusão nos últimos 5 anos (2016 a 2021), 26 artigos das bases de dados PubMed e BVS. Os fatores que influenciaram antes no tratamento da abstinência alcoólica foram o paciente possuir uma personalidade dotada de autocontrole, rastreamento sobre o abuso de álcool e explorar a trajetória anterior ao tratamento. Entre os fatores que influenciam durante e após o início da abstinência alcoólica estão a inclusão de novas tecnologias, utilização de terapia psicológica e comportamental, além da individualização das metas de consumo. O rastreamento para uso abusivo de álcool deve ser realizado na atenção primária para encontrar casos de alcoolismo iniciais. A instituição de alvos individualizados de consumo diminui as recidivas. A utilização de terapias aumenta o autocontrole e as expectativas do paciente. Por fim, a utilização de internet aproxima o dependente da equipe de saúde e facilita o acompanhamento. Logo, para abordagem efetiva da abstinência alcoólica, o sistema de saúde deve possuir sistema de rastreamento para o consumo abusivo do álcool, inserir terapia psicológica e comportamental no tratamento, calcular meta de consumo personalizada e possuir abordagem que utilize novas tecnologias envolvendo a internet.</p> Vitória Maria Moras Vicentino Márcia Barroso Werneck Copyright (c) 2022 Vitória Maria Moras Vicentino, Márcia Barroso Werneck https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 12 21 10.21727/rs.v13i2.2948 Análise dos efeitos adversos do uso off-label do metilfenidato por estudantes para aperfeiçoamento cognitivo: uma revisão da integrativa http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/3179 <p>O cloridrato de metilfenidato, também conhecido como Ritalina<sup>®</sup>, é um fármaco estimulante do sistema nervoso central (SNC) que provoca a aceleração do funcionamento mental e cognitivo. Esta pesquisa tem como objetivo investigar a utilização do metilfenidato sem prescrição médica com o intuito de aumento da cognição e também as possíveis causas e efeitos no organismo de estudantes através de pesquisas, especificamente, pretende-se verificar estudos acerca dos efeitos a longo prazo do metilfenidato. O presente estudo foi baseado em pesquisas bibliográficas de artigos publicados entre os anos de 2000 e 2020, em bases de dados como <em>SciELO, PubMed</em> e Google Acadêmico. Foram encontrados quatorze artigos onde são abordados os efeitos adversos relacionados ao uso indiscriminado do cloridrato de metilfenidato por acadêmicos, uso <em>off-label</em>, adição relacionada ao abuso deste fármaco e o mecanismo de ação dos medicamentos psicoativos. Os resultados evidenciaram que&nbsp; nos últimos anos o consumo <em>off-label</em> de psicoestimulantes por estudantes com o intuito de incrementar a função cognitiva vem aumentando, esse tipo de consumo não é aprovado, pois além da eficácia ser contestada, o uso indiscriminado pode ocasionar graves efeitos adversos ao indivíduo. Com isso, ressalta-se que o uso de quaisquer medicamentos, principalmente, psicoestimulantes, devem ser utilizados apenas com acompanhamento médico. Portanto, torna-se necessária a criação de políticas públicas que visem mitigar essa problemática no Brasil.</p> Andressa Lima da Silva Fábio Teixeira Kuhn Liss Andria de Oliveira Machado Copyright (c) 2022 Andressa Lima da Silva, Fábio Teixeira Kuhn, Liss Andria de Oliveira Machado https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 22 25 10.21727/rs.v13i2.3179 Insuficiência Valvar Aórtica por Valva Quadricúspide http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2968 <p><strong>Resumo</strong></p> <p>A valva aórtica quadricúspide (VAQ) é uma anomalia congênita de achado raro, com probabilidade de desenvolver complicações para os pacientes com o decorrer da idade<sup>1,3</sup>. Pode ser achado ocasional em pacientes assintomáticos, mas, frequentemente, está associada com regurgitação aórtica podendo resultar em hipertensão pulmonar, hipertrofia moderada e dilatação leve. Recentemente, a ecocardiografia transesofágica (ETE) tem permitido um diagnóstico precoce, rápido e preciso quando há achados de VAQ. A presente pesquisa trata-se de busca bibliográfica em: publicações científicas, artigos científicos e revistas de publicação científica, usando o banco de dados Pubmed e SciELO no período de 2002 a 2019. Foi analisado que a VAQ é uma malformação congênita de valva aórtica extremamente rara com incidência entre 0,008 e 0,043%<sup>1</sup>. Pacientes com VAQ isolada normalmente são assintomáticos até por volta da quinta à sexta décadas de vida, idade em que valva se torna mais ineficiente<sup>3</sup>. Portanto, constata-se que a valva quadricúspide é uma anomalia anatômica que pode ocasionar principalmente insuficiência valvar e regurgitação aórtica. Porém, quando diagnosticada precocemente, possui um tratamento eficaz e preciso que melhora a qualidade de vida do paciente e evita complicações futuras.</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong><em>Palavras-Chave:</em></strong><em> válvula aórtica quadricúspide, ECG, variação anatômica </em></p> Anna Vitória Ferreira Gonçalves Juliano Brenda Cariolita Japiassu Moraes Bruno Araújo Nascimento Edgar Veiga Moneró Fernanda Neves Vilas Boas Guimarães Isecke Copyright (c) 2022 Anna Vitória Ferreira Gonçalves Juliano, Brenda Cariolita, Bruno Araújo, Edgar Veiga, Fernanda Iseck https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 26 28 10.21727/rs.v13i2.2968 Ceratocone: uma revisão quanto ao diagnóstico e tratamento http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2921 <p>Ceratocone é uma doença que afeta a córnea, essa é um tecido do olho humano que apura a qualidade da imagem produzida na retina. Constitui-se de uma membrana convexa, translúcida, inervada, sensível, sendo o único tecido avascular do corpo humano que se situa na parte anterior do globo ocular. Foi realizada uma revisão sistemática da literatura, com base em 20 artigos escolhidos por sua importância, relevância e dados levantados, variando entre os anos de 1945 e 2019, com o uso dos bancos de dados Scielo, Pubmed e Lilacs. Bem como o uso da tomografia da córnea e do segmento anterior, estudada por&nbsp; Bruno de Freitas Valbon, et al. , parece ser um método eficaz para aumentar a sensibilidade e a especificidade do diagnóstico e detecção precoce da ectasia corneana do tipo ceratocone. Como também, Bernardo Teixeira&nbsp;Lopes, et al. , estudou o &nbsp;perfil de espessura horizontal detectando o ceratocone, com capacidade comparável aos índices mais complexos. O diagnóstico do ceratocone abrange uma cuidadosa análise da córnea, abrangendo mecanismos simples aos mais complexos. Já o tratamento, destaca-se o crosslinking como método terapêutico efetivo, até o transplante de córnea nos últimos casos.</p> Bhiannca Oliveira Lívia Oliveira Delgado Mota Copyright (c) 2022 Bhiannca Oliveira, Lívia Oliveira Delgado Mota https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 29 32 10.21727/rs.v13i2.2921 Os Efeitos da Colostroterapia no Aumento da Imunidade em Prematuros http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/3066 <p>Dado o pior prognóstico dos prematuros, uma nova estratégia tem sido estudada para manter a saúde dos recém-nascidos pré-termo, sobretudo daqueles com muito baixo-peso (peso de nascimento &lt; 1500 gramas), conhecida como colostroterapia ou administração orofaríngea de colostro materno, que trata da utilização do colostro materno cru como terapia imune, sem função nutricional, para recém-nascidos prematuros e/ou de muito baixo-peso. A técnica consiste na administração de 0,2 mililitro de colostro materno (0,1 ml em cada lado da cavidade oral), na frequência de três em três horas, por cinco dias consecutivos, iniciando entre 24 e 96 horas de vida da criança. O objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão sistemática sobre os efeitos da colostroterapia no aumento da imunidade em prematuros. Este estudo trata-se de uma revisão sistemática da literatura através de um levantamento bibliográfico onde foi utilizado como fonte de pesquisa o acervo de dados da National Library of Medicine (PUBMED). Após o levantamento dos artigos através dos bancos de dados e seguindo os critérios de inclusão pré-estabelecidos, obtivemos um total de 28 estudos. A colostroterapia parece ser benéfica para bebês extremamente prematuros; no entanto, a segurança e eficácia não foram estabelecidas. Embora as evidências emergentes sejam promissoras, pequenas amostras e ampla variação na técnica limitam a generalização.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> Gisele Alvarenga Carlos Alberto Bhering Copyright (c) 2022 Gisele Alvarenga, Carlos Alberto Bhering https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 33 41 10.21727/rs.v13i2.3066 Barreiras ao Acesso do Rastreamento e Detecção Precoce da Neoplasia de Colo de Útero http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/3210 <p><strong>Resumo</strong></p> <p>O câncer de colo de útero (CCU) tem evolução lenta, com alta taxa de letalidade, porém tem alto potencial de prevenção e cura. O exame utilizado em seu rastreamento é o Papanicolau. Junto à infecção ao Papiloma Vírus Humano (HPV), existem fatores de risco que aumentam a possibilidade do CCU. Desse modo, programas que incentivem o rastreamento podem diminuir a incidência e mortalidade desta neoplasia. O objetivo do estudo foi analisar as barreiras para o acesso ao rastreamento e diagnostico precoce do câncer de colo de útero. Foi realizada uma revisão integrativa de literatura, com levantamento bibiográfico nos bancos de dados PubMed e Biblioteca Virtual em Saúde, com a utilização&nbsp; dos critérios de inclusão e exclusão, além dos filtros, em que ao final da pesquisa foram encontrados 20 artigos. Após a análise dos artigos foi observado que as principais barreiras para o rastreamento e detecção precoce foram a falta de informação e conhecimento, medo de realizar o exame e e encontrar um resultado positivo, falta de acesso, sendo este de transporte ou localização e financeiro. Desse modo, pode-se observar que grande parte das mulheres não fazem o rastreamento, comprovando que as barreiras analisadas impedem que haja uma detecção precoce do CCU, precisando que haja um bom atendimento humanizado, com privacidade, horários acessiveis e informações corretas. Portanto, com as barreiras identificadas é possivel colocar em práticas medidas que diminuem elas e possam elevar a cobertura de rastreamento, sendo possível assim aumentar a sobrevida das pacientes.</p> Gabriela Alves Leite da Luz Oliveira Mariana Moreira Penedo Matheus Hybner Gonçalves Stephanie Anderi Oswaldo Aparecido Caetano Copyright (c) 2022 Gabriela Alves Leite da Luz Oliveira, Mariana Moreira Penedo, Matheus Hybner Gonçalves, Stephanie Anderi, Oswaldo Aparecido Caetano https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 42 47 10.21727/rs.v13i2.3210 Paciente oncológica com obstrução do trato gastrointestinal: um relato de caso entre as clínicas médica e cirúrgica http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2976 <p>Dentre todos os cânceres, o carcinoma colorretal é o terceiro tipo mais prevalente e segundo em maior mortalidade, tanto no Brasil quanto no mundo. Sua etiologia está relacionada a diversos fatores genéticos e ambientais ainda não tão bem compreendidos. Este relato discorre sobre uma paciente sem histórico familiar ou fatores de risco para câncer de cólo a exceção da raça, que foi diagnosticada com uma doença em estágio IV aos 49 anos, após evoluir com um quadro de sub-oclusão intestinal. Apesar do prognóstico reservado, acabou apresentando uma resposta satisfatória e duradoura ao tratamento quimioterápico. Além disso, mesmo necessitando ser submetida a uma jejunostomia descompressiva a apenas 1,5 metros do ângulo Treiz, a paciente também se adaptou bem a nova condição pós-cirúrgica, não evoluindo para um quadro de síndrome do intestino curto. Este trabalho demonstra a importância de mais estudos acerca dos diferentes fatores acerca desta patologia tão prevalente, bem como a importância de se investir no tratamento mesmo de casos mais avançados da doença, desde que não ultrapasse os limites da distanásia.</p> João Antonio Côrtes Vieira Rhafaela Chiapini Ornellas Carlos Roberto Vidal Teixeira Aline Trovão Queiroz Copyright (c) 2022 João Antonio Côrtes Vieira, Rhafaela Chiapini Ornellas, Carlos Roberto Vidal Teixeira, Aline Trovão Queiroz https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 85 89 10.21727/rs.v13i2.2976 Hipercolesterolemia Familiar: Relato De Caso http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2908 <p>A hipercolesteromia familiar (HF) é uma doença genética autossômica dominante, expressada por níveis muito altos de colesterol total (CT), fração de lipoproteínas de baixa densidade de colesterol (low density lipoprotein - LDL-c) no plasma, depósito extravascular de colesterol e risco cardiovascular (CV) elevado, prematuro. Geralmente, nos pacientes hetereozigotos evidencia-se valores de CT entre 350 e 550mg/dl, enquanto nos homozigotos entre 650 e 1000mg/dl.&nbsp; Apesar de ser uma doença comum e com risco elevado de morte, é subdiagnosticada e subtratada, tendo em vista a concomitância de outros fatores de risco (FR) CV em comum com portadores de doença arterial coronariana (DAC). A diretriz recomenda o rastreio universal dos pacientes com CT elevado aos 20 anos e o rastreio em cascata. Para singularizar o diagnóstico, adotou-se o critério Dutch Lipid Clinic Network. A terapia dietética junto as estatinas de alta potência são a primeira escolha de tratamento, podendo associar o ezetimiba e anticorpo monoclonal alirucumabe i-PCSK9 em casos refratários. A associação dos três pode chegar a 85% de redução no LDL-c, reduzindo morbimortalidade na HF. A Hipertrigliceridemia (HTG) grave, com valores acima de 885mg/dl de triglicérides, não exclui o diagnóstico de HF e resulta em risco CV independente, além do risco de pancreatite aguda. O paciente do presente relato manteve níveis homozigotos de CT e HTG grave ao longo de anos, sem diagnóstico de HF e sem a terapia farmacológica necessária, com diversos eventos relacionados às DCVs e pancreatite aguda. Após 16 anos, recebeu prescrição de terapia tripla para controle de HF.</p> Sidnei Correa Sara Cristine Marques dos Santos Ivana Picone Borges de Aragão Copyright (c) 2022 Sidnei Correa, Sara Cristine Marques dos Santos, Ivana Picone Borges de Aragão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-31 2022-07-31 13 2 90 96 10.21727/rs.v13i2.2908