http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/issue/feed Revista de Saúde 2021-04-07T21:08:41-03:00 Prof. DSc. Paloma Martins Mendonça revista.saude@universidadedevassouras.edu.br Open Journal Systems <p>A Revista de Saúde tem como proposta a publicação de artigos científicos originais, estudos de caso, relatos de caso, Ponto de Vista, Panorama Internacional e uma sessão à Beira do Leito, todos voltados a temas relacionados à Medicina Interna, além de Urgência e Emergência Médica, com o objetivo de aumentar a visibilidade da produção científica através da política de <em>Open Access</em> (Acesso Livre), buscando excelência de conteúdo e brevidade no processo de avaliação e publicação, utilizando revisores Ad hoc.</p> <p>e-ISSN 2179-2739</p> http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2763 Expediente V12 N1 2021-03-26T15:52:24-03:00 Editora da Universidade de Vassouras diretoria.editora@universidadedevassouras.edu.br <p>Expediente</p> 2021-03-23T09:06:50-03:00 Copyright (c) 2021 Editora da Universidade de Vassouras http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2762 Editorial 2021-03-26T15:41:55-03:00 Editora da Universidade de Vassouras diretoria.editora@universidadedevassouras.edu.br <p>Editorial</p> 2021-03-23T09:05:29-03:00 Copyright (c) 2021 Editora da Universidade de Vassouras http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2169 Evolução das lesões precursoras do câncer de colo uterino e do câncer de mama em uma cidade no interior do estado do Rio de Janeiro 2021-03-25T11:00:55-03:00 Gabriela Aparecida Azevedo gabriela_azevedo95@yahoo.com.br Orlando Antônio Campo Dall'Orto orlandodallorto@hotmail.com <p>O câncer de mama é uma neoplasia maligna de relevante recorrência e suas taxas de mortalidade também são proporcionalmente elevadas, em razão disso, motiva ampla discussão em torno de medidas que promovam seu rastreio. Já o câncer de colo uterino, do mesmo modo, também possui índices de mortalidade ainda elevados e se destaca a necessidade de conscientização das mulheres à realização periódica do exame de citologia oncótica a fim de detectar precocemente possíveis lesões precursoras de tumores. Realizou-se um estudo transversal, de base populacional na cidade de Vassouras, RJ, no período pré-determinado de 2017 a 2019, a partir de anotações de exames para rastreio, perante uma amostra de 130 pacientes para lesões precursoras ao câncer de mama e 70 pacientes para lesões precursoras ao câncer de colo uterino. Foram coletadas informações a partir das pacientes que frequentaram as Unidades Básicas de Saúde do município neste período citado. A prevalência observada foi de que 76,1% das pacientes que apresentaram alguma lesão em mamas realizaram o seguimento e 23,8% delas não o realizaram. Com relação aos dados do câncer de colo uterino, 67,1% das mulheres que revelaram alguma lesão no colo do útero, mantiveram-se fazendo o seguimento e, 32,8% delas o abandonaram. Assim, constatou-se que existem índices mais positivos em relação à adesão dos programas de rastreamento no município, todavia, profissionais da saúde devem continuar orientando as mulheres sobre os cânceres de mama e colo uterino, buscando identificar os motivos pelos quais algumas pacientes falham em manter sua rotina nos consultórios ginecológicos.</p> 2021-03-23T09:34:39-03:00 Copyright (c) 2021 Gabriela Aparecida Azevedo, Orlando Antônio Campo Dall'Orto http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2332 Buscando Ajuda 2021-03-25T11:00:54-03:00 Bruno Kfuri Carneiro brunokcarneiro@hotmail.com Marcos Antonio Mendonça marcosmendonca09@globo.com <p>O programa de computador “Buscando Ajuda” é um produto técnico desenvolvido na Universidade de Vassouras como resultado de um projeto de pesquisa. Idealizado com o objetivo de motivar os usuários do programa e complementar as consultas realizadas pelos profissionais de saúde, principalmente o médico e/ou psicólogo, reunindo dados sobre a saúde mental de seus pacientes. Foi programado na linguagem C#, utilizando o Visual Studio Community 2017 da Microsoft, versão:15.9.14, sendo capaz de funcionar no Windows 10. Para ter acesso a todas as informações contidas neste software é necessário ter acesso à internet. Ao iniciar o programa e o usuário responder as perguntas da Escala de Depressão do Centro de Estudos Epidemiológicos (CES-D), ele será instruído a clicar no botão denominado “Projeto Transformador”, um local onde terá acesso a 7 vídeos de cunho motivacional para serem vistos durante a semana (1 vídeo por dia). Decorrendo esses 7 dias, o usuário será instruído a responder novamente o questionário. Essa, por sua vez, foi escolhida para integrar o programa por ter como foco os sintomas depressivos ao longo da semana anterior, tornando possível verificar se os vídeos cumprem o seu papel motivacional. O programa não busca diagnosticar, nem mesmo medicar, serve somente como um complemento a fim de melhorar a autoestima dos participantes e fornecer dados para o profissional da saúde sobre os seus pacientes. Mais estudos serão necessários para comprovar a eficácia do programa.</p> <p>Palavras-chave: Depressão; Autoestima; Software;</p> 2021-03-23T09:38:20-03:00 Copyright (c) 2021 Bruno Kfuri Carneiro, Marcos Antonio Mendonça http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2463 Vascularização múltipla da artéria renal: estudo anatômico de cadáveres humanos 2021-03-25T11:00:53-03:00 Ramon Magro Ferreira ramonmagro@hotmail.com Diogo Barros Gutterres dbgutterres@hotmail.com Iago Caetano Cariello iagoccariello@gmail.com Paulo Víctor Innocencio Póvoa de Castro pv.castro@hotmail.com Valdir Donizeti Alves Junior valdir-alvesjr@hotmail.com Emílio Conceição de Siqueira emiliouba@uol.com.br <p>A irrigação é de vital importância para a sobrevivência de qualquer tecido. Cada rim é suprido por uma única artéria, denominada renal principal. A presença de múltiplas artérias renais, assim como o padrão de suas divisões pré-hilares, deve ser avaliada devido à importância em relação à irrigação renal. Sendo assim, as variações da artéria renal estão se tornando mais importantes devido ao aumento gradual dos procedimentos radiológicos intervencionistas, das operações urológicas, vasculares e do transplante renal. O objetivo do estudo é conhecer a prevalência de variações múltiplas das artérias renais no anatômico da Universidade de Vassouras além de revisar a literatura, atualizando os profissionais de saúde e estudantes. Foram utilizados para a execução do trabalho 51 rins, sendo 29 esquerdos e 22 direitos. Observou-se múltiplas artérias em 25,5% rins que faziam parte da amostra do estudo, no qual 76,9% dessas foram do lado direito e 23,1% esquerdo. Grande parte dos resultados encontrados nesse estudo está de acordo com a literatura, entretanto, nessa pesquisa observou-se que houve prevalência de variações encontradas no rim direito, divergindo das literaturas. O conhecimento das variações encontradas nos vasos renais é de suma importância para a sistematização da anatomia radiológica, cirurgia geral e ensino. Conclui-se que variações renais podem expressar uma influência significativa na predisposição à enfermidade, curso da doença, achados nos exames clínicos ou até mesmo na conduta do paciente, além de influenciar procedimentos cirúrgicos.</p> 2021-03-23T09:39:35-03:00 Copyright (c) 2021 Ramon Magro Ferreira, Diogo Barros Gutterres, Iago Caetano Cariello, Paulo Víctor Innocencio Póvoa de Castro, Valdir Donizeti Alves Junior, Emílio Conceição de Siqueira http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2477 Carcinoma de Vesícula Biliar: diagnóstico tardio e prognóstico sombrio 2021-03-25T11:00:53-03:00 Letícia Carreiro Schmidt leticiacarreiroschmidt@gmail.com Nelson Luiz Renna Júnior nelsonrenna@gmail.com <p>O carcinoma de vesícula biliar é uma neoplasia rara, agressiva e que trás um prognóstico sombrio, isso porque é habitual o diagnóstico da mesma em um estágio avançado em decorrência das manifestações clínicas e sintomas apresentarem-se tardiamente. Apresenta-se geralmente entre a 6ª e a 7ª décadas de vida e é de 2 a 3 vezes mais comum no sexo feminino em comparação ao masculino. Muitos carcinomas de vesícula, sendo na maioria destes adenocarcinoma, possuem a doença sistêmica no momento do diagnóstico, com doença nodal (35%) e metástases a distância (40%) ou até mesmo invasão de grandes vasos, preenchendo-se então critérios de inoperabilidade e tornando a neoplasia fatal. O presente artigo buscou abordar o tema em questão, realizando busca a partir das palavras chaves e selecionando 11 artigos científicos somados a outros por pesquisa manual referenciados nos artigos previamente selecionados e um livro texto, para se compreender acerca dos fundamentos que justifiquem o fato de sua identificação atrasada ser altamente fatal. Por conseguinte, de acordo com as literaturas avaliadas, pode-se concluir que o diagnóstico tardio e prognóstico sombrio do carcinoma de vesícula biliar se dá pelo fator anatômico de localização da maioria destes, que fazem com que os sintomas se sobressaiam tardiamente. Não obstante, àqueles com diagnóstico incidental, possuem um prognóstico melhor e são mais sujeitos ao tratamento curativo, com uma vantagem na taxa de morbimortalidade. Tendo em vista, se torna necessário avanços cirúrgicos no tratamento desta doença, além de estratégias para detecção precoce da mesma.</p> 2021-03-23T09:40:39-03:00 Copyright (c) 2021 Letícia Carreiro Schmidt, Nelson Luiz Renna Júnior http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2406 Edema Agudo Pulmonar por Vácuo (ex-vacuum) secundário à extubação em pós-operatório imediato de Lipoenxertia: Relato de caso 2021-03-25T11:00:52-03:00 Richard Raphael Vieira rrbtv@hotmail.com Jhonatan Oliveira Lucateli jhonatanlucateli@hotmail.com Pedro Henrique Reis Haddad haddadph@gmail.com Cyndi Dutra Neves cdutraneves@bol.com.br Maria Elisa Moura de Almeida melisamda@yahoo.com.br Eduardo Nakagawa de Carvalho edunakagawa@hotmail.com <p>As vias aéreas superiores apresentam baixa incidência de complicações em pós-operatório. Todavia, de forma excepcional, podem ser submetidas a uma pressão pleural hidrostática intratorácica tão negativa que resulte em transudação de líquido para o interstício pulmonar e consequente edema agudo pulmonar por vácuo (<em>ex-vacuum</em>), principalmente na vigência de laringoespasmo. É uma complicação rara e o diagnóstico exige agilidade no reconhecimento dos sintomas e muitas vezes métodos de imagem. O tratamento baseia-se principalmente em medidas de suporte clínico e fisioterapia ventilatória. Neste trabalho descreve-se um caso de <em>ex-vacuum</em> ocorrido logo após procedimento de lipoenxertia para correção de anomalia congênita em um hospital escola e compatível com a literatura em gênero e evolução benigna do quadro com tratamento conservador.</p> 2021-03-23T09:41:48-03:00 Copyright (c) 2021 Richard Raphael Vieira, Jhonatan Oliveira Lucateli, Pedro Henrique Reis Haddad, Cyndi Dutra Neves, Maria Elisa Moura de Almeida, Eduardo Nakagawa de Carvalho http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2344 Choque séptico por Febre Maculosa - Relato de Caso 2021-03-25T11:00:52-03:00 Karolyne Stivanin Fraga karol.stivanin@hotmail.com Ana Carolina Monteiro carol-ashmps@hotmail.com Natalia Kopke Soares nataliakopke@yahoo.com.br Fernanda Santos Santanna ferssbio@yahoo.com.br <p>A febre maculosa é uma rickettsiose transmitida pela picada de carrapatos do gênero <em>Amblyomma cajennense</em> e que possui altos níveis de mortalidade no Brasil. A doença é endêmica principalmente na região Sudeste do país e tem como principais hospedeiros do carrapato, os roedores como a capivara e equinos, mas podem ser encontrados também em cães, gatos e pássaros.<sup>4</sup> O objetivo desse artigo é relatar um caso grave de febre maculosa que evoluiu com choque séptico e correlacionar com pesquisas nas bases de dados do Scielo e pubMed.</p> 2021-03-23T09:43:07-03:00 Copyright (c) 2021 karolyne stivanin fraga, Ana Carolina Monteiro, Natalia Kopke Soares, Fernanda Santos Santanna http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2220 Abordagem e tratamento de úlcera de pressão infectada em idosa sob cuidado domiciliar: da atenção primária à especializada 2021-03-25T11:00:52-03:00 Maria Julia Campos Guerra majuguerra@hotmail.com Júlia Pereira Alvim julia.alvim@outlook.com Lucas Oliveira Salles lcs-salles@hotmail.com Roberta Maria Rola Albergaria robertamralbergaria@yahoo.com.br José Carlos Dantas Teixeira majordantas@yahoo.com.br Aline Trovão Queiroz alinetrovao@hotmail.com <p>Nos últimos anos, a população idosa vem aumentando no Brasil e tal fato é acompanhado pelo surgimento de comorbidades, dentre as quais a úlcera por pressão (UP), uma afecção de etiologia multifatorial, considerada problema de saúde pública. Nesse contexto, o cuidado domiciliar prestado pela família do doente, com apoio da equipe da Estratégia de Saúde da Família (ESF), se apresenta como tática capaz de responder à necessidade real da pessoa com condições crônicas. No âmbito da Atenção Primária à Saúde (APS), a equipe da ESF, visando garantir a integralidade do cuidado, é responsável por referenciar, quando necessário, o paciente à Atenção Secundária. Esse artigo objetiva relatar o caso de uma idosa com fatores de risco para UP, que apresentou uma UP em calcâneo infectada por miíase, sendo referenciada ao serviço de Cirurgia Geral de um Hospital Universitário para desbridamento da lesão e, posteriormente, retornando à APS para continuidade do cuidado. Os dados deste relato foram colhidos do prontuário da paciente em um Hospital Universitário. Para revisão e discussão deste artigo foram utilizadas as bases de dados Lilacs, Scielo, Medline, BVS e Pubmed. Ressalta-se a importância do cuidado integral, buscando garantir a promoção, proteção, recuperação, reabilitação e manutenção da saúde do paciente. Desse modo, os cuidadores familiares, orientados por profissionais de saúde, são também atores essenciais na continuidade do cuidado, pois assim, aliando práticas curativas às preventivas, em todos os níveis de atenção à saúde, busca-se uma melhor qualidade de vida para o paciente.</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>Lesão por Pressão; Assistência Domiciliar; Atenção Primária à Saúde; Integralidade em Saúde; Atenção Secundária à Saúde.</p> 2021-03-23T09:44:17-03:00 Copyright (c) 2021 Maria Julia Campos Guerra, Júlia Pereira Alvim, Lucas Oliveira Salles, Roberta Maria Rola Albergaria, José Carlos Dantas Teixeira, Aline Trovão Queiroz http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2390 Síndrome Hemolítico-Urêmica Típica em adulto 2021-03-25T11:00:51-03:00 Bruna Nogueira Castro bruna.crv@hotmail.com Ana Flávia Nogueira Castro ana_crv2008@hotmail.com Rafaela Barbosa Medeiros raafaela.bm@gmail.com Luciano da Silva Lima lucreffins@gmail.com <p>A Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU) pertence ao grupo das microangiopatias trombóticas (MAT) e afeta mais comumente crianças com menos de 6 anos de idade. A SHU pode ser classificada em dois tipos: Típica e atípica. A SHU típica é causada por bactérias principalmente a Escherichia coli produtoras de toxina shiga (STEC). O quadro clínico da SHU- STEC se apresenta inicialmente por uma gastroenterite e evolui para a tríade de anemia hemolítica não imune, trombocitopenia e injúria renal aguda. Este relato consiste no caso de uma paciente de 49 anos previamente saudável com um quadro de SHU típica que iniciou com uma infecção intestinal e após alguns dias evoluiu com anemia hemolítica não imune, trombocitopenia e insuficiência renal aguda. A base do tratamento é o de suporte e a paciente foi devidamente tratada com hidratação precoce, hemodiálise e transfusão sanguínea, entretanto, desenvolveu um quadro de sepse de foco abdominal e foi a óbito após 19 dias de internação na Unidade de terapia Intensiva. A SHU típica é uma doença rara e com relativa subnotificação em adultos, destacando a importância do reconhecimento precoce da doença, afim de notificar os casos em adultos estimulando estudos para melhorar o tratamento das evoluções desfavoráveis da doença principalmente por se manifestar de forma mais grave nessa faixa etária.</p> 2021-03-23T09:45:28-03:00 Copyright (c) 2021 Bruna Nogueira Castro, Ana Flávia Nogueira Castro , Rafaela Barbosa Medeiros , Luciano da Silva Lima http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2475 Cerebelite pós-infecciosa com neuroimagem atípica: Relato de caso 2021-04-07T21:08:41-03:00 Gabriela Manso Freitas gabriela_mansofreitas@hotmail.com Sarah Lages Coelho sarahlagesc@gmail.com Ivana Rocha Raslan ivanaraslan@yahoo.com.br <p>Tem como objetivo mostrar à comunidade científica um caso de cerebelite pós-infecciosa com achado radiográfico indicativo de deficiência de vitamina B12, a partir da avaliação do prontuário da paciente. Relatamos o caso de uma criança de 8 anos com história de perda súbita do equilíbrio e dificuldade de deambular. Ao exame neurológico observam se sinais de ataxia cerebelar. Dosagem sérica de vitamina B12 e ácido metilmalônico descartaram hipovitaminose. De acordo com a evolução clínica e exames realizados estabelece o diagnóstico de cerebelite pós-infecciosa, importante causa de ataxia aguda na infância. Interroga se o resultado de neuroimagem atípico poderia estar associado a reações por autoanticorpos relacionados à etiologia da cerebelite pós-infecciosa.</p> 2021-03-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Gabriela Manso Freitas, Ivana Rocha Raslan http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2361 Percurso do diagnóstico de malignidades 2021-03-25T11:00:51-03:00 Jenifer Pereira Vitoriano jeniferpv@hotmail.com Suelen Brito Nascimento suelenbrito@id.uff.br Isabela Oliveira Alves da Silva isabelaalves@id.uff.br Sara dos Santos Nascimento sara_nascimento@id.uff.br Hye Chung Kang hyekang@id.uff.br <p>No Brasil aproximadamente 15% das mortes decorre do câncer, representando um grave problema de saúde pública, mais de 7% por malignidades hematológicas. O diagnóstico é complexo e grande parte da falha à quimioterapia decorre do início tardio do tratamento. Analisamos quantos trabalhos recentes na literatura abordam o tempo transcorrido desde os primeiros sintomas até o diagnóstico dos pacientes que apresentam alguma malignidade, especialmente as hematológicas, bem como desempenhamos uma pesquisa sobre a temática. Realizamos uma revisão da literatura médica usando a metodologia descrita por Jacobsen <em>et al.</em> (2017), consultando as bases de dados científicas Scielo e Pubmed, observando o intervalo de tempo entre 2015 a 2019. A pesquisa realizada no Hospital Universitário Antônio Pedro se deu por meio de um questionário aplicado aos pacientes que frequentam o ambulatório de quimioterapia. Foram identificadas 276 publicações no PubMed e 44 publicações no Scielo, ao final selecionou-se 7 artigos, onde apenas um se referia a malignidades hematológicas. O questionário está em andamento e foram incluídos até o momento 39 pacientes, o maior grupo os portadores de neoplasias hematológicas, 41,02%; 48,72% buscaram atendimento médico dias após o início dos sintomas; 38,46% tiveram diagnóstico em estágio avançado; serviço inicial com maior procura foi a Unidade Básica de Saúde, 51,29%.Em todos os artigos selecionados e analisados bem como em nossa pesquisa os indivíduos têm um atraso significativo na busca por diagnóstico final, portanto, do tratamento, o que pode resultar em resposta insatisfatória, podendo levar a óbito.</p> <p>&nbsp;</p> <p>Palavras-chave: Câncer; Diagnóstico; Tempo.</p> 2021-03-23T09:47:37-03:00 Copyright (c) 2021 Jenifer Pereira Vitoriano, Suelen Brito Nascimento, Isabela Oliveira Alves da Silva, Sara dos Santos Nascimento, Hye Chung Kang http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2399 Vírus Sincicial Respiratório (VSR): Avanços Diagnósticos 2021-03-25T11:00:51-03:00 Joelma Rodrigues Souza Goncalves joelmarsg_rj@yahoo.com.br Carlos Alberto Bhering cabhering62@gmail.com <p><strong>&nbsp;</strong></p> <p>O VSR é a principal causa de infecção aguda do trato respiratório superior e inferior em crianças com até 5 anos de idade e a forma grave da BVA em bebês e menores de 2 anos. O diagnóstico preciso e rápido permite a implementação de estratégias de prevenção e terapias antivirais apropriadas. Ultimamente, observou-se um aprimoramento nos testes para diagnóstico viral. Foram pesquisadas produções científicas de 2015 – 2020. Foram consultadas as &nbsp;bases de dados: Scielo, Bireme-Medline, Lilacs, Cochrane Library e Pubmed. Foram selecionados&nbsp; 55 publicações científicas que preencheram os critérios de inclusão. A infecção pelo VSR pode ser diagnosticada por cultura celular; detecção direta rápida do antígeno viral, detecção do genoma do vírus por técnicas de diagnóstico rápido incluindo RT-PCR, RT-PCR em tempo real e RT-PCR multiplex. Os mais inovadores métodos diagnósticos derivam do conceito de amplificação de ácidos nucleicos, dentre os quais se destacam os ensaios de PCR e suas variantes como a RT-qPCR que possibilita analisar quantitativamente a carga viral numa dada amostra. Destaca-se que o diagnóstico da BVA por VSR deve ser complementado com um teste laboratorial. Ressaltamos as vantagens dos Painéis Multiplex para firmar um diagnóstico preciso e detectar eventuais coinfecções virais e/ou bacterianas, além de evitar o uso desnecessário de antibióticos.</p> 2021-03-23T09:48:44-03:00 Copyright (c) 2021 Joelma Rodrigues Souza Goncalves, Carlos Alberto Bhering http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/2467 O que mudou na incidência da sífilis no estado do Rio de Janeiro de 2009 a 2019 2021-03-25T15:36:55-03:00 Iara Almeida Adorno iara.enf@hotmail.com Bianca Gomes Queiroz biancagq@hotmail.com Thaís Lara Moreira thais.lara@hotmail.com Renata Duarte Ferreira renata.duarte0607@hotmail.com Anne Caroline Barbosa Pires Braga annepiresbraga@gmail.com Thais Rocha Salim thais.salim@yahoo.com.br <p>A sífilis é uma doença infectocontagiosa crônica e sistêmica que possui prevenção, diagnóstico e tratamento fácil, rápido e eficaz, mas que, atualmente, vem apresentando elevada taxa de detecção, caracterizando um grave problema de Saúde Pública nacional e global. Este estudo objetiva descrever como a sífilis vem sendo notificada no estado do Rio de Janeiro. Trata-se de um estudo ecológico e descritivo sobre a incidência e distribuição regional da sífilis adquirida, gestacional e congênita no estado do Rio de Janeiro nos anos de 2009 a junho de 2019. Utilizou-se bancos de dados oficiais do SINAN, SINASC, IBGE e da Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, onde os dados coletados foram caracterizados de acordo com variáveis biológicas, sociais e geográficas. Foram notificados, respectivamente, 55.991, 45.783 e 30.232 casos de sífilis adquirida, gestacional e congênita. Houve predomínio de gestantes entre 20 e 29 anos, pardas, com ensino fundamental incompleto e provenientes da região Metropolitana I. A sífilis gestacional foi mais diagnosticada no primeiro trimestre gestacional, predominando a subclasse latente. Já a congênita apresentou maior incidência em menores de 27 dias, subclasse congênita recente. O momento do diagnóstico materno para sífilis congênita ocorreu principalmente durante o pré-natal. Pôde-se identificar números consideravelmente altos e alarmantes, bem como a incompletude de informações nos bancos de dados. Deste modo, observou-se a necessidade do desenvolvimento e aprimoramento de estratégias de saúde a assistência materno-infantil mais resolutivas visando o controle da sua transmissão, melhoria do diagnóstico e tratamento e a minimização de suas repercussões.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Sífilis; Sífilis Congênita; Sífilis Latente; Epidemiologia.</p> 2021-03-23T09:49:49-03:00 Copyright (c) 2021 Iara Almeida Adorno, Bianca Gomes Queiroz, Thaís Lara Moreira, Renata Duarte Ferreira, Anne Caroline Barbosa Pires Braga, Thais Rocha Salim