Dengue em crianças: Aspectos epidemiológicos no estado do Rio de janeiro entre 2005 e 2014

  • Danilo Mariano Gonçalves Freire
  • Aline Trovão Queiroz
  • Paula Pitta de Resende Côrtes
  • Maria Cristina Almeida de Souza
  • Marcos Antonio Mendonça
  • Tiago de Oliveira Boechat

Resumo

A dengue é considerada a arbovirose mais importante do mundo, possui incidência elevada nas regiões tropicais dos quatro continentes. Em decorrência do processo de endemização do dengue no Brasil, vem ocorrendo uma mudança na sua distribuição etária, havendo um aumento da incidência em menores de 15 anos. A compreensão do curso da doença a partir da análise da situação epidemiológica é fundamental para a tomada de decisões acerca das ações de saúde e torna-se uma importante estratégia na avaliação epidemiológica e na assistência ao paciente. Objetiva-se relatar a epidemiologia da dengue no estado do Rio de Janeiro, entre 2005 e 2014. Trata-se de um estudo epidemiológico quantitativo descritivo, com componente retrospectivo, desenvolvido a partir de análise secundária, provenientes do Banco de Dados do Sistema Único de Saúde (DATASUS), através do Sistema de Informação de Saúde (TABNET), seção epidemiológica e morbidade, subseção morbidade hospitalar do SUS, geral, por local de internação referente ao período de 2005 a 2014. Foram notificados 18.358 casos, sendo 15.797 (86,05%) de dengue clássica e 2.561 (13,95%) de dengue hemorrágica. Cinquenta e seis evoluíram com óbito, sendo 14 (25%) por dengue clássica e 42 (75%) por dengue hemorrágica. Recomenda-se que novos estudos sejam realizados frente a esta temática, contribuindo com o processo de monitoramento desta patologia que ainda mantém um crescimento acima das recomendações do Ministério da Saúde e da OMS, portanto, espera-se que as informações demonstradas neste estudo possam colaborar com os gestores e profissionais de saúde, sensibilizado estes com relação à importância da dengue em nosso estado.

Referências

Escosteguy CM. Diferenças, segundo faixa etária, do perfil clínico-epidemiológico dos casos de dengue grave atendidos no Hospital Federal dos Servidores do Estado, Rio de Janeiro – RJ, Brasil, durante a epidemia de 2008. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília. 2013;22(1):67-76.

Silvano J. Dengue nos países da lusofonia. Acta Médica Portuguesa, Lisboa. 2014;27(4):503-510.

Melo ALA. Distribuição espacial da dengue no estado do Paraná, Brasil, em 2009-2012. Ver Epidemiol Control Infect. 2014;4(4):223-228.

Roque ACM. Perfil epidemiológico da dengue no município de Natal e região metropolitana no período de 2007 a 2012. Revista Ciência Plural. 2015;1(3):51-61.

Borges RA. Panorama epidemiológico da dengue no município de Ariquemes, Rondônia, Amazônia Ocidental, 2002 a 2011. Ver. Epidemiol Control Infect. 2014;4(4):229-232.

Assunção ML, Aguiar AMM. Perfil clínico-epidemiológico da dengue no município de Juscimeira – MT. Ver. Epidemiol Control Infect. 2014;4(4):249-253.

Rocha LAD, Tauil PL. Dengue em crianças: aspectos clínicos e epidemiológicos, Manaus, Estado do Amazonas, no período de 2006 e 2007. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2009;42(1):18-22.

Bhatt S. The global distribuition and burden of dengue. Macmillan Publishers Limited. Londres. 2013;496(1):504-507.

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças Infecciosas e Parasitárias. Guia de Bolso. 8.ed. Brasília. 2010.

Dias LBA. Dengue: transmissão, aspectos clínicos, diagnóstico e tratamento. Medicina. 2010;43(2):143-152.

Gonçalves Neto VS, Rebelo JMM. Aspectos epidemiológicos do dengue no município de São Luís, Maranhão, Brasil, 1997-2002. Cad Saúde Pública. 2004;20(5):1424-1431.

Foranttini OP. Comportamento de Aedes albopictus e de Aescapularis adultos (DipteraCulicidae) no sudeste do Brasil. Rev Saúde Pública. 2000;34(5):461-467.

Publicado
2017-08-31
Como Citar
Freire, D. M. G., Queiroz, A. T., Côrtes, P. P. de R., de Souza, M. C. A., Mendonça, M. A., & Boechat, T. de O. (2017). Dengue em crianças: Aspectos epidemiológicos no estado do Rio de janeiro entre 2005 e 2014. Revista De Saúde, 8(1 S1), 18-19. Recuperado de http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/996
Seção
Resumo - Suplemento