Aumento da incidência da Síndome de Guillain-Barré: Revisão de literatura

  • Secretaria Editora Revistas USS

Resumo

A Síndrome de Guillain Barré (SGB) trata-se de uma polineurorradiculopatia inflamatória desmielinizante aguda que se desenvolve frequentemente após infecções, principalmente virais. Citomegalovírus, Epstein Barr e HIV são alguns dos agentes virais associados a esta síndrome neurológica. Atualmente alguns estudos atentam para uma possível associação entre o Zika vírus e a Síndrome. Tem-se constatado que o número de casos da SGB tem aumentado de maneira significativa no Brasil. O objetivo do artigo é realizar uma revisão de literatura sobre o aumento da incidência de SGB buscando esclarecer os principais motivos que justificam este aumento. Trata-se de um estudo de caráter descritivo, onde se coletou informações de material gráfico, como publicações em livros, jornais, redes eletrônicas. Comprova-se nos resultados o aumento da incidência de SGB no Brasil e, verifica-se que novos estudos devam ser desenvolvidos no sentido de se investigar a associação causal com o Zika vírus, dentre outros patógenos, com o objetivo de se estabelecer medidas de combate e proteção.

Referências

Lamônica DAC. Relato de caso: síndrome de Guillain-Barré - atraso do desenvolvimento da linguagem. Rev Med. 2009;88(3/4):199-202.

Lestayo-O’Farril Z; Hernandez-Cáceres JL. Análisis del comportamiento del síndrome de Guillain-Barré. Rev Neurol. 2008;46(4):230-7.

Pao M, Ballard ED, Donald L, Rosenstein MD. Growing up in the hospital. JAMA. 2007;297(24):2754-5.

Vucic S, Kiernan MC, Cornblath DR. Guillain-Barré syndrome: an update. J Clin Neurosci. 2009 apr;16(6):733-41.

Cecatto SB. Síndrome de Guillain-Barré como complicação de amigdalite aguda. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. 2003;69(4).

Picon PD, Gadelha MIP, Beltrame A. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Portaria SAS/MS nº 497, de 23 de dezembro de 2009.

Hahn AF. Guillain-Barré Syndrome. Lancet. 1998;352(9128):635-41.

Beneti GM, S. Dani LD. Síndrome de Guillain-Barré. Semina: Ciências Biológicas e Saúde. 2006 jan/jun;27(1):57-69.

Platón EIB. Síndrome de Guillain-Barré. Experiência en el INNN. Búsqueda de Factores del Mal Pronóstico. Revista Ecuatoriana de Neurologia. 2003;12(1-2).

Hughes RA. Supportive care for patients with Guillain-Barré Syndrome. Arch Neurol. 2005;62:1194-8.

Souza AV, Souza MAF. Síndrome de Guillain-Barré sob os cuidados de enfermagem. Rev. Meio Amb. Saúde. 2007;2(1):89-102.

Tavares AC, Alves CBC, Silva MA, Lima MBC, Alvarenga RP. Síndrome de Guillain-Barré: revisão de literatura. Cadernos Brasileiros de Medicina. 2000;13(1):36-47.

Pessoa AL. Síndrome de Guillain Barré e Zika vírus levantam discussão sobre doenças raras: Correlação entre a enfermidade expõe dificuldade que pacientes e médicos enfrentam com doenças raras. 2016.

Publicado
2017-08-31
Como Citar
Editora Revistas USS, S. (2017). Aumento da incidência da Síndome de Guillain-Barré: Revisão de literatura. Revista De Saúde, 8(1 S1), 12-13. Recuperado de http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/993
Seção
Resumo - Suplemento