Transposição corrigida das grandes artérias: Relato de caso

  • Rafaela Peixoto Vargas
  • Gabriel Porto Soares

Resumo

A transposição corrigida das grandes artérias (L-TGA) é uma anomalia congênita rara, de etiologia desconhecida. Sua prevalência corresponde aproximadamente 0,5% a 1,4% das cardiopatias congênitas. É caracterizada por uma discordância atrioventricular e ventrículo-arterial concomitantes. O átrio direito através da valva mitral ejeta sangue para o ventrículo esquerdo de onde emerge a artéria pulmonar. O sangue oxigenado retorna à aurícula esquerda que o transfere através da valva tricúspide para o ventrículo direito, considerado o ventrículo sistêmico. Este conecta-se com a aorta. Geralmente encontra-se associada a outros defeitos congênitos como bloqueio atrioventricular (BAV) total e disfunção do ventrículo direito. A história natural desta cardiopatia depende das condições associadas e da capacidade do ventrículo sistêmico de se adaptar as necessidades hemodinâmicas. O presente relato é de extrema importância para a comunidade científica, pois trata-se de uma anomalia congênita rara, com poucas evidências clinicas. Relatamos o caso de uma paciente, de 56 anos, diagnosticada tardiamente, aos 28 anos com transposição corrigida das grandes artérias, associada a dextrocardia situs solitus e bloqueio atrioventricular total. De acordo com regular avaliação cardiológica, a paciente vem evoluindo com comprometimento do ventrículo sistêmico e insuficiência cardíaca. O objetivo deste relato foi descrever um caso sobre transposição corrigida das grandes artérias e sua evolução até a vida adulta. A L-TGA é uma anomalia congênita rara que apresenta diversas repercussões clínicas. Com o avançar da idade, os sintomas de insuficiência cardíaca tornam-se mais evidentes, necessitando de controle clinico. Sua descrição é de grande importância, pois existem poucas referências científicas.

Referências

Oliveira RP. Transposição corrigida das grandes artérias: Apresentação clinica Tardia, na Quinta Década de Vida. Arq Bras Cardiol. 2008;91(4):e35-e37.

Jacob JLB. Transposição corrigida das grandes artérias com várias anomalias associadas em paciente de 68 anos de idade. Arq Bras Cardiol. 2001;77(4):355-7.

Brandão A, Magalhães S, Correia A. Transposição congenitamente corrigida das grandes artérias e coarctação da aorta. Uma associação pouco comum. Rev Port Cardiol. 2004;23(7-8):993-999.

Fulton DR, Kane DA. Pathophysiology, clinical manifestations and diagnosis of D-transposition of the great arteries. Up to Date. 2016;19:1-4.

Jatene MB, Jatene FB, Monteiro AC. Correção cirúrgica da transposição das grandes artérias: 30 anos de operação de Jatene. Rev Med. 2005;84(3-4):113-7.

Hornung TS, Calder L. Congenitally corrected transposition of the great arteries. Heart. 2010;96(14):1154-61.

Publicado
2017-08-31
Como Citar
Vargas, R. P., & Soares, G. P. (2017). Transposição corrigida das grandes artérias: Relato de caso. Revista De Saúde, 8(1 S1), 08-09. Recuperado de http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/991
Seção
Resumo - Suplemento