SÍNDROME MIELODISPLÁSICA: REVISÃO DE LITERATURA

  • Paulla Rayane Chaves Utsch
  • Tiago De Oliveira Boechat
Palavras-chave: “Síndrome Mielodisplásica”, “Critério Diagnóstico”, “Critério Prognóstico”.

Resumo

A Síndrome Mielodisplásica (SMD) constitui uma desordem hematológica adquirida, em que os clones mieloides não conseguem se maturar eficazmente. Clinicamente pode manifestar-se por astenia, fadiga, febre, infecção e sangramento. As alterações laboratoriais mais frequentes são anemia acompanhada ou não de neutropenia e trombocitopenia no hemograma. Objetiva-se com este trabalho elucidar os critérios diagnósticos e prognósticos da síndrome Mielodisplásica, facilitando o entendimento do clínico geral. A SMD foi primeiramente classificada pelos critérios de FAB em1976 e posteriormente em 1982 em que se considera a quantidade de mieloblastos no SP e/ou MO, sideroblastos, monócitos e bastões de Auer; classificando-a em 5 subtipos. A OMS- substitui os critérios FAB a partir de 2001, utilizando os mesmos critérios de FAB acrescidos de aspectos morfológicos, genéticos, imuno-histoquímicos, e clínicos. Dividindo os subtipos de acordo com as linhagens precursoras atingidas, citopenias em SP, anormalidades citogenéticas, além de blastos em SP e MO, sideroblasto e bastões de Auer. IPSS- é o principal método prognóstico utilizado, trata-se de um escore internacional em que considera os blastos na MO, citopenias e alterações cariotípicas para estimar o prognóstico do paciente. WPSS- critério prognóstico sugerido pela OMS que leva em consideração: a dependência transfusional, classificação da SMD e cariótipo. Somando os escores e graduando o risco em muito baixo, baixo, intermediário, alto e muito alto. A SMD configura uma das patologias que merecem mais estudos, pois se trata de uma doença que acomete predominantemente o idoso e vivemos uma tendência global ao envelhecimento.

Referências

Chesnais V et al.Effect of lenalidomide treatment on clonal architecture of myelodysplastic syndromes without 5q deletion. Blood. 2016 Feb;127(6):749-760.

Malcovati L et al. Diagnosis and treatment of primary myelodysplastic syndromes in adults: recommendations from the European LeukemiaNet. Blood. 2013 Oct;122(17):2943-2964.

Greenberg PL et al. Revised International Prognostic Scoring System for Myelodysplastic Syndromes. Blood. 2012 Sep;120(12):2454-2465.

Sekeres MA, Steensma DP. Defining prior therapy in myelodysplastic syndromes and criteria for relapsed and refractory disease: implications for clinical trial design and enrollment. Blood. 2009 Sep;114(13):2575-2580.

Issa JPJ. The myelodysplastic syndrome as a prototypical epigenetic disease. Blood. 2013 May;121(19):3811-3817.

Vecina AFC et al. Síndromes Mielodisplásicas: Aspectos Clínico-Laboratoriais e Classificação Prognóstica. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. 2013;15(2):1-5.

Maioloi MCP, De Souza MHFO. Síndromes Mielodisplásticas (Smd). Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, UERJ, Ano 11. 2012 Jan-Mar:24-36.

Cliquet MG et al. Perfil Clínico-Laboratorial E Sobrevida Dos Pacientes Com Síndrome Mielodisplásica Atendidos No Ambulatório de Hematologia Da Fcms-Puc-Sp/Chs. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba. 2014;16(1):30-34.

Monteiro FS. Análise Citogenética e Investigação Molecular do Gene RASSF1A em Indivíduos com Síndrome Mielodisplásica - Monografia.

Nimer SD. Myelodysplastic syndromes. Blood. 2008;111(10):4841-4851.

Steensma DP. The changing classification of myelodysplastic syndromes: what’s in a name? American Society of Hematology. 2009:645-655.

Junior MAF et al. Perfil Sociodemográfico e Clínico de Portadores de Síndromes Mielodisplásicas. Biosci J, Uberlandia. 2014 July/Aug;30(4):1269-1277.

Invernizzi R, Quaglia F, Porta MGD. Importance of Classical Morphology in the Diagnosis of Myelodysplastic Syndrome. Mediterr J Hematol Infect Dis. 2015;7(1). Acesso em < www.mjhid.org >.

Căzăceanu O et al. The evaluation of the outcome in myelodysplastic patients by using non-cytogenetic prognostic scores. Journal of Medicine and Life July-September. 2014;7(Issue 3):335-338.

Junior MAF, Ivo ML, Pontes ERCJ. Sobrevida e evolução leucêmica de portadores de síndromes mielodisplásicas. Cad. Saúde Colet., 2013, Rio de Janeiro. 2013;21(2):154-9.

Komrokji RS, List AF. Short- and long-term benefits of lenalidomide treatment in patients with lower-risk del(5q) myelodysplastic syndromes. Annals of Oncology. 2016;27:62–68.

Katsuyama T et al. Large Vessel Vasculitis with Myelodysplastic Syndrome. Intern Med 2014. 53: 63-66.

Onder, R; ET AL.Acute Middle Cerebral Artery Occlusion Treated by Thrombectomy in a Patient with Myelodysplastic Syndrome and Severe Thrombocytopenia. Journal of Vascular and Interventional Neurology. 2015;8(4):22–26.

Greenberg PL et al. Treatment of myelodysplastic syndrome patients with erythropoietin with or without granulocyte colony-stimulating factor: results of a prospective randomized phase 3 trial by the Eastern Cooperative Oncology Group (E1996). Blood. 2009;114(12):2393-2400.

Publicado
2017-08-31
Como Citar
Chaves Utsch, P. R., & Boechat, T. D. O. (2017). SÍNDROME MIELODISPLÁSICA: REVISÃO DE LITERATURA. Revista De Saúde, 8(1 S1), 86-87. Recuperado de http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/964
Seção
Resumo - Suplemento