O IMPACTO DO DIAGNÓSTICO TARDIO DO MIELOMA MÚLTIPLO NA POPULAÇÃO IDOSA: RELATO DE CASO

  • Romero Tadeu Rodrigues Batalha
  • Tiago de Oliveira Boechat

Resumo

O mieloma múltiplo é uma neoplasia linfoproliferativa plasmocitária, que se caracteriza por gamopatia monoclonal, plasmocitose medular e lesões de órgão alvo como insuficiência renal, anemia, hipercalcemia e doença óssea. Representa 1% de todos os tipos de câncer sendo o segundo mais comum entre os hematológicos, ficando atrás apenas dos linfomas não-Hodgkin. Essa patologia tem uma prevalência de 17 casos a cada 100 mil indivíduos. O presente trabalho foi desenvolvido para alertar e orientar a classe médica quanto a importância do diagnóstico precoce do mieloma múltiplo com o intuito de prolongar a sobrevida dos pacientes e oferecer a eles uma melhor qualidade de vida. O objetivo do trabalho foi relatar um caso clínico de mieloma múltiplo de diagnóstico tardio, o que levou o paciente a diversas complicações que possivelmente poderiam ser evitadas ou retardadas mediante o diagnóstico precoce. Paciente do sexo masculino, 91 anos, admitido no Hospital Universitário Sul Fluminense devido a dor abdominal e fraqueza acentuada há aproximadamente 8 meses, o exame físico revelava perda da força muscular em membros inferiores, palidez de pele e mucosas hipocoradas. Diante disso foi solicitado hemograma completo que evidenciava anemia de doença crônica e a creatinina se encontrava elevada, além disso, realizou-se tomografia computadorizada de coluna dorsal para investigar a fraqueza em membros inferiores. Assim, o parecer do hematologista baseado na clínica, exames laboratoriais e aspirado de medula óssea, elucidou o diagnóstico de mieloma múltiplo. Na prática clínica, em pacientes idosos com síndrome anêmica, dor óssea, síndrome de compressão medular e/ou insuficiência renal deve-se investigar a possibilidade de mieloma múltiplo permitindo diagnóstico e início precoce do tratamento. Portanto, sabe-se que é urgente um esforço para melhor divulgar o mieloma múltiplo em nosso meio, já que o diagnóstico precoce tem impacto em termos de sobrevida e na redução do avanço dos sintomas.

Referências

Zago MA, Falcão RP, Pasquini R. Distúrbios dos plasmócitos e doenças correlatas. In: Hematologia: Fundamentos e Prática. São Paulo: Atheneu. 2004.

Lorenzi TF et al. Manual de hematologia, propedêutica e clínica. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2013.

Verrastro T, Lorenzi TF, Neto SW. Hematologia e hemotera-pia: fundamentos de morfologia, fisiologia, patologia e clínica. Rio de Janeiro: Atheneu, 2005.

Rev Bras Clin Med. São Paulo. 2011 nov-dez;9(6):459-62.

Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2009;31(2):63-68.

Arquivos Catarinenses de Medicina. 2009;38(4).

Sucro LV et al. Mieloma múltiplo: diagnóstico e tratamento. 2009.

Silva ROP, Lopes AFr, Faria RMD. Eletroforese de proteínas séricas: interpretação e correlação clínica. 2008.

Croucher PI, Apperley JF. Bone disease in multiple myelo-ma. British journal of haematology. 1998;103(4):902-910.

Maiolino A. Mieloma múltiplo: qual o grau de conhecimento sobre a do-ença em médicos que atuam no sistema de atenção primária à saúde?:[editorial]. Rev. bras. hematol. Hemoter. 2008;30(6):433-433.

Kariyawasan CC et al. Multiple myeloma: causes and consequences of de-lay in diagnosis. Qjm. 2007;100(10):635-640.

Hungria VTM et al. Confirmation of the utility of the International Staging System and identification of a unique pattern of disease in Brazilian patients with multiple myeloma. Haematologica. 2008;93(5):791-792.

Publicado
2017-08-31
Como Citar
Rodrigues Batalha, R. T., & Boechat, T. de O. (2017). O IMPACTO DO DIAGNÓSTICO TARDIO DO MIELOMA MÚLTIPLO NA POPULAÇÃO IDOSA: RELATO DE CASO. Revista De Saúde, 8(1 S1), 34-35. Recuperado de http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/960
Seção
Resumo - Suplemento