PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA DE BELL: ATUALIZAÇÃO DO TRATAMENTO

  • Igor Henrique Balandino Silva
  • Tiago de Souza Lopes
  • Elisa Nocchi de Mello Motta
  • Juliane Lemos Araújo Deveras
  • Paula Corrêa Côrtes
  • Carla Carvalho Silva Marques
  • Clara Régia de Sousa Rosa
  • Vinicius Florentino da Silva
  • Ana Beatriz Calmon Nogueira da Gama Pereira
Palavras-chave: Paralisia facial periférica, paralisia de Bell, paralisia facial idiopática, tratamento.

Resumo

A paralisia facial periférica (PFP) caracteriza-se pela interrupção, temporária
ou não, dos movimentos da musculatura facial, sendo a Paralisia de Bell (PB) a mais
prevalente. Afeta ambos os sexos; as hemifaces são acometidas com a mesma frequência;
a incidência é maior após 70 anos e menor em indivíduos com menos de 10 anos. A PFP
pode estar associada à otite média aguda e o vírus Herpes simplex 1 (HSV-1). Objetivo:
Analisar e revisar retrospectivamente os principais tópicos relacionados à PB,
enfatizando a atualização do tratamento. Metodologia: Levantamento bibliográfico
retrospectivo publicado durante o período de 2005 a 2010. Os artigos foram analisados e
apresentados de forma descritiva sob o aspecto medicamentoso, fisioterápico e
fonoaudiológico do tratamento. Conclusão: Ocorre benefício terapêutico com o uso de
prednisolona juntamente com o valaciclovir no momento do diagnóstico da paralisia.

Publicado
2016-09-27
Como Citar
Silva, I. H. B., Lopes, T. de S., Motta, E. N. de M., Deveras, J. L. A., Côrtes, P. C., Marques, C. C. S., Rosa, C. R. de S., da Silva, V. F., & da Gama Pereira, A. B. C. N. (2016). PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA DE BELL: ATUALIZAÇÃO DO TRATAMENTO. Revista De Saúde, 3(2), 40-48. https://doi.org/10.21727/rs.v3i2.89
Seção
Artigos Originais