A temática da Rede Cegonha e a inserção do enfermeiro nesse contexto

  • Edith Monteiro de Oliveira Universidade Severino Sombra
  • Denize Duarte Celento Universidade Severino Sombra
Palavras-chave: Cuidado Pré-Natal, Parto, Nascimento, Enfermeira.

Resumo

Esta pesquisa justifica-se em função da análise de conhecimento da rede de atenção à Saúde vigente, em busca de um novo padrão capaz de melhorar o atual modelo de atenção obstétrica. O objetivo principal é descrever a Rede Cegonha e analisar o papel do enfermeiro nesse contexto. Foi realizada uma revisão bibliográfica de publicações entre 2010 e 2014, na base de dados BIREME, e legislações por órgãos reguladores da área da Saúde. A Rede Cegonha prevê ações para a melhoria do acesso e da qualidade da assistência à mulher e da criança, por meio de ações inseridas em quatro componentes fundamentais da estratégia, que são: pré-natal; parto e nascimento; puerpério e atenção integral à Saúde da criança e sistema logístico de transporte, sanitário e regulamentação. A estratégia busca uma mudança visionária em relação ao modelo de atenção ao parto e nascimento praticado no país, valorizando o profissional de Enfermagem que participa de todos os níveis de assistência, viabilizando o acesso, o acolhimento e a resolubilidade, de forma a assegurar à mulher seu direito de ser protagonista do processo parturitivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil, Ministério da Saúde. Lei n° 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. n.d. [citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria n° 4.279/GM/MS, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). n.d. [citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em: bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html/

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria Nº 650, de 5 de outubro de 2011. Dispõe sobreos Planos de Ação regional e municipal da Rede Cegonha. Brasília (DF). 2011a [citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2011/prt0650_05_10_2011.html

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual prático para implementação da Rede Cegonha. Brasília (DF). 2011b [citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em:www.saude.mt.gov.br/arquivo/3062

Brasil, Ministério da Saúde. Lei n° 11.108, de 07 de abril de 2005; Do Subsistema de Acompanhamento durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato. n.d. [citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria n°569/GM/MS, de 01 de junho de 2000; Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento. n.d. [citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em:sisprenatal.datasus.gov.br/SISPRENATAL/Portaria_569_GM.PDF

Brasil, Ministério da Saúde. Lei n° 11.634, de 27 de dezembro de 2007; Dispõe sobre o direito da gestante ao conhecimento e a vinculação à maternidade onde receberá assistência no âmbito do Sistema Único de Saúde. n.d. [citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em:http://portalsaude.saude.gov.br/

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção á Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Portaria Nº 1.459/GM, 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, a Rede Cegonha. Brasília (DF). 2011c[citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/folder/departamento_acoes_programaticas_estrategicas_dapes.pdf

Leal MDC, Gama SGND. Nascer no Brasil. Cad Saúde Pública [online]. 2014;30(Sup.1):S5-S.

Albuquerque RA, Jorge MSB, Franco TB, Quinderé PHD. Produção do cuidado integral no pré-natal: itinerário de uma gestante em uma unidade básica de saúde da família. Interface (Botucatu) [online]. 2011;15(38):677-86.

Pinheiro BC, Bittar CML. Expectativas, perceções e experiências sobre o parto normal: relato de um grupo de mulheres. Fractal : Revista de Psicologia. 2013;25(3):585-602.

Cabral FB, Hirt LM, Van der Sand ICP. Atendimento pré-natal na ótica de puérperas: da medicalização à fragmentação do cuidado. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2013;47(2):281-7.

Líbera BD, Saunders C, Santos MMAdS, Rimes KA, Brito FRdSdS, Baião MR. Avaliação da assistência pré-natal na perspectiva de puérperas e profissionais de saúde. Ciênc saúde coletiva [online]. 2011;16(12):4855-64.

Carneiro AJS, Coelho EdAC. Aconselhamento na testagem anti-HIV no ciclo gravídico-puerperal: o olhar da integralidade. Ciênc Saúde coletiva [online]. 2010;15(Sup.1):1216-26.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Guia orientador para a realização das capacitações para executores e multiplicadores em Teste Rápido para HIV e Sífilis e Aconselhamento em DST/Aids na Atenção

Básica para gestantes/Aids / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. 2013 [citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_redecegonha.php?conteudo=teste_rapido_balancas

Brasil,. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual instrutivo das ações de alimentação e nutrição na Rede Cegonha [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 32 p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/manual_alimentacao_nutricao_rede_cegonha.pdf

Campos ABF, Pereira RA, Queiroz J, Saunders C. Ingestão de energia e de nutrientes e baixo peso ao nascer: estudo de coorte com gestantes adolescentes. Rev Nutr [online]. 2013;26(5):551-61.

Machado MMT, Braga MQC, Galvão MTG. Problemas com a mama puerperal revelados por mães soropositivas. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2010;44(1):120-5.

Morgado CMDC, Werneck GL, Hasselmann MH. Rede e apoio social e práticas alimentares de crianças no quarto mês de vida. Ciênc saúde coletiva [online]. 2013;18(2):367-76.

COFEN. Resolução COFEN-223/1999 -Dispõe sobre a atuação de Enfermeiros na Assistência à Mulher no Ciclo Gravídico Puerperal. 1999 [citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-2231999_4266.html

COFEN. Resolução Cofen nº 477/2015 - Dispõe sobre a atuação de Enfermeiros na assistência às gestantes, parturientes e puérperas. 1999 [citado em 14 de setembro de 2014]; Disponível em:http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-04772015_30967.html

Silva AGE, Moraes CL, Reichenheim ME. Violência física entre parceiros íntimos: um obstáculo ao início do acompanhamento da criança em unidades básicas de saúde do Rio de Janeiro, Brasil? Cad Saúde Pública [online]. 2012;28(7):1359-70.

Busanello J, Lunardi Filho WD, Kerber NPdC, Lunardi VL, Santos SSd. Participação da mulher no processo decisório no ciclo gravídico-puerperal: revisão integrativa do cuidado de enfermagem. Rev Gaúcha Enferm [online]. 2011;32(4):807-14.

Publicado
2016-07-01
Como Citar
de Oliveira, E. M., & Celento, D. D. (2016). A temática da Rede Cegonha e a inserção do enfermeiro nesse contexto. Revista De Saúde, 7(1), 33-38. https://doi.org/10.21727/rs.v7i1.87
Seção
Enfermagem