Identificação de erros de refração em populares da Região Sul Fluminense

  • Jessica Lagioto Gomes Universidade Severino Sombra
  • William Mikio Ito Otani Universidade Severino Sombra, Pró-Reitoria de Ciências Médicas, Curso de Medicina, Vassouras-RJ, Brasil.
  • Roberta Niquerito Dias Universidade Severino Sombra, Pró-Reitoria de Ciências Médicas, Curso de Medicina, Vassouras-RJ, Brasil.
  • Marina Di Pasqual Granata Universidade Severino Sombra, Pró-Reitoria de Ciências Médicas, Curso de Medicina, Vassouras-RJ, Brasil.
  • Maria da Graça Vaz de Queiroz Silva Universidade Severino Sombra, Pró-Reitoria de Ciências Médicas, Curso de Medicina, Vassouras-RJ, Brasil.
Palavras-chave: Acuidade visual, Correção refracional, Cegueira.

Resumo

A verificação anual da acuidade visual (AV) em crianças e adultos deve ser recomendada como programa preventivo devido ao alto índice de distúrbios visuais existentes. As últimas estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que há 161 milhões de pessoas com alguma deficiência visual em todo o mundo, com um aumento anual de 1 a 2 milhões de indivíduos afetados. Programas de assistência oftalmológica sanitária são necessários como forma de atendimento básico preventivo-educativo, para promover a saúde ocular e encaminhar, precocemente, a população para tratamento adequado. A acuidade visual é o indicador mais imediato da função visual, sendo um exame rápido, simples, de fácil realização e de baixo custo. O método de medida da AV, a partir das tabelas de Snellen e de Jaeger, é preferencialmente usado como triagem em campanhas de saúde visual. A liga de oftalmologia da Universidade Severino Sombra realizou um estudo sobre os erros de refração de populares da região Sul Fluminense, através de feiras de saúde realizadas desde o ano de 2007 até 2011. Participaram desta pesquisa 125 pessoas, sendo o único pré-requisito para esta seleção o fato do indivíduo ter participado em uma das feiras de saúde. O objetivo deste trabalho foi avaliar o déficit visual desta amostra da população, e relacionar a incidência de alterações na AV com o uso correto/incorreto de correção refracional.O uso incorreto é caraterizado através do uso da correção sem necessidade ou com o índice de refração inadequado. Os resultados demonstraram que 32,8% das pessoas avaliadas tiveram alterações no índice de refração, e 35,2% faziam uso de correção refracional. Isto indica que 2,4% da população avaliada utiliza AV inadequadamente. Estes resultados enaltecem a importância do acompanhamento oftalmológico, para diagnóstico da necessidade de correção visual ou suspensão do uso desta sem necessidade.

Referências

Ministério da Saúde do Brasil. Projeto Olhar Brasil: triagem de acuidade visual: manual de orientação. Brasília, 2008.

Benjamin W J. Borish’s Clinical Refraction. Second Edition. St. Louis: ButterworthHeinemann; 2006.

Resnikoff S, Pascolini D, Etya’ale D, Kocur I, Pararajasegaram R, Pokharel GP, MariottI SP. Global data on visual impairment in the year 2002. Bull WHO. 2004;82(11):844-51.

Gianini RJ, Mais E, Coelho EC, Oréfice FR, Moraes RA. Prevalência de baixa acuidade visual em escolares da rede pública, Sorocaba. Rev. Saúde Pública2004: 38(2):201-8.

Taleb A, Faria MAR, Ávila M, Mello PAM. As condições de saúde ocular no Brasil – 2012. Conselho Brasileiro de Oftalmologia. São Paulo, 2012.

Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Mais acesso a saúde ocular. Edição ampliada e revisada. São Paulo, 2015.

Kronbauer AL,Schor P, Carvalho LAV. Medida da visão e testes psicofísicos. Arq. Bras. Oftalmol2008;71(1):122-7.

Sugano MD, Giorgi MM, Serra DC, Souza PR, Rehder JRCL. Resultados obtidos com a medida da acuidade visual em alunos de uma escola de nível primário da rede privada no ABC paulista. Revista brasileira de oftalmologia 2005;64(3):183-90.

FILHO A,et al. Prevalence of visual impairment, blindness, ocular disorders and cataract surgery outcomes in low-income elderly from a metropolitan region of São Paulo - Brazil. Arq. Bras. Oftalmol., São Paulo, v. 71, n. 2, Apr. 2008.

Campbell FW, Green DG. Optical and retinal factors affecting visual resolution. J Physiol. 1965;181(3):576-93.

Bicas HEA. Acuidade visual: medidas e notações. Arq Bras Oftalmol. 2002;65(3):375-84.

Bicas HE, Matsushima EH, Silva JA. Visão e percepção visual. Arq Bras Oftalmol. 2003;66(1):5-8.

Brito PR, Veitzman S. Causas de cegueira e baixa visão em crianças. Arq Bras Oftalmol. 2000;63(1):49-54.

Kara-José N, Almeida GV, Arieta CEL, Araújo JS, Becgara SJ, Oliveira PR. Causas de deficiência visual em crianças. Bol Sanit Panam. 1994;97(5): 405-12.

Neto M, Augusto C, Ramos AT, Bugmann L. Relação entre acuidade visual e condições de trabalho escolar em crianças de um colégio do ensino fundamental público de Curitiba. Rev. bras.oftalmol 2014; 73(4): 216-19.

Publicado
2016-07-01
Como Citar
Gomes, J. L., Otani, W. M. I., Dias, R. N., Granata, M. D. P., & Silva, M. da G. V. de Q. (2016). Identificação de erros de refração em populares da Região Sul Fluminense. Revista De Saúde, 7(1), 18-21. https://doi.org/10.21727/rs.v7i1.80
Seção
Saúde Pública