Estudo preliminar sobre a ocorrência de Leishmaniose visceral em seres humanos no município de Vassouras, RJ, Brasil

  • Robson Vettore Nogueira Petrin Universidade Severino Sombra
  • João Pedro Maciel de Almeida e Silva Universidade Severino Sombra
  • Gisele Euzébio de Faria Universidade Severino Sombra
  • Caio do Canto Mendonça Universidade Severino Sombra
  • Walter Tavares Universidade Severino Sombra
  • Flávia Clare Goulart de Carvalho Universidade Severino Sombra
Palavras-chave: Leishmaniose visceral, Infecções protozoárias, Epidemiologia, Educação em saúde.

Resumo

Procurou-se identificar a infecção humana por Leishmania chagasiem dois bairros da cidade de Vassouras, Estado do Rio de Janeiro, onde foram identificados cães infectados por esse parasito. Foi realizada sorologia por técnica de ELISA (Enzyme-Linked Immunosorbent Assay) em 17 pessoas que tiveram contato com cães infectados. A sorologia foi negativa em todas as amostras colhidas. Paralelamente, realizou-se trabalho educativo junto à população dos locais estudados, esclarecendo sobre medidas preventivas em relação ao calazar, enfermidade cuja descrição vem aumentando em municípios próximos a Vassouras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Tavares W, Marinho LAC. Rotinas de Diagnóstico e Tratamento das

Doenças Infecciosas e Parasitárias, 3ª Edição, 2012, Atheneu;p.695-700.

WHO. Leishmaniasis. Fact Sheet nº 375, february 2015. Disponível em:

http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs375/en/. Acessado em: maio

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral. Brasília:Ministério da Saúde, 2003. 122 p. Disponível em: http://www.crmv-mt.org.br/index.php/artigos?id=128. Acessado em: maio 2015.

Duarte MIS, Badaró RS. Leishmaniose visceral (Calazar). In: Focaccia R. Tratado de Infectologia. 4ª ed. São Paulo:Atheneu, 2009. p. 1705-36.

Gontijo CM, Melo MN. Leishmaniose visceral no Brasil: quadro atual,

desafios e perspectivas. RevBrasEpidemiol2004;7:338-49.

Rodrigues da Silva J. Leishmaniose visceral (Calazar). Tese para Cátedra de Clínica de Doenças Tropicais e Infectuosas, Faculdade Nacional de Medicina, Universidade do Brasil. Rio de Janeiro, 1957. 498 p.

Elkhoury ANSM. Vigilância e controle da leishmaniose visceral no Brasil. In: Consulta de Expertos OPS/OMS sobre Leishmaniasis Visceral enLas Américas. Brasília:OPS/OMS, 2006. P. 24-26.

Migone L. Um caso de kala-azar a Assuncion, Paraguay. Bull Soc Path Exot 1913;6:118-20.

Penna HA. Leishmaniose visceral no Brasil. Brasil Med1934;48:949-50.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Portal Saúde. Leishmaniose visceral. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=11022&Itemid=668.

Acessado em: maio 2015.

Salazar MC, Pinto FC, Gouveia LR, Bacha PC, Salgueiro PF.

Leishmaniose visceral (relato de um caso autóctone na cidade do Rio de Janeiro). Revista Médica1979;8:19.

Marzochi, MC, Fagundes A, Andrade MV, Souza MB, Madeira MF,

Mouta-Confort E et al. Visceral leishmaniasis in Rio de Janeiro, Brazil: eco-epidemilogicalaspectsandcontrol. RevSocBrasMedTrop2009;42:570-80.

Marzochi MC, Coutinho SG, Souza WJ, Toledo LM, Grimaldi Júnior G, Momen H, Pacheco RS, Sabroza PC, Souza MA, Rangel FBF, Tramontano NC. Canine visceral leishmaniosis in Rio de Janeiro, Brazil. Clinical, parasitological, therapeuticalandepidemiologicalfindings (1977-1983). Mem

Inst Oswaldo Cruz1985;80:349-57.

Pimentel MI, Alves E, Silva MH, Moza P, Almeida PM, Cunha C, Mello C, Schubach A. High visceral leishmaniasismortality rate in Barra Mansa, a new área of visceral leishmaniasistransmission in theStateof Rio de Janeiro, Brazil. RevSocBrasMedTrop, 47(4):521-523, Jul-Aug, 2014.

Sangenis LHC, Lima SRA, Mello CX, Cardoso DT, Mello JN, Espírito

Santo MCC, Tavares W. Expansion of visceral leishmaniasis in the state of Rio de Janeiro, Brazil: report of the first autochtonous case in the municipality of Volta Redonda and the difficulty of diagnosis. RvInstMedTrop São Paulo 2014;56:271-74.

Carvalho FCG. Ações de vigilância e controle de leishmaniose tegumentar americana e de leishmaniose visceral no município de Vassouras, RJ, Brasil. In: XII Encontro de Iniciação Cientifica ENIC, 2013. Vassoura:Editora Universidade Severino Sombra,2013.p.119.

Santa Rosa ICA, Oliveira ICS. Leishmaniose Visceral: breve revisãosobre uma zoonose reemergente. Clínica Veterinária 1997; 2(11): 24-28.

Viol MA, Matos LVS, Aquino MCC, Alves IP, Bregadioli T, Oliveira

BCM, Perri SHV, Bresciani KDS. Avaliação do grau de conhecimento sobre leishmaniose e toxoplasmose em moradores do município de Araçatuba, SP.VetZootec 2014:21(2): 309-13. Disponível em: http://www.fmvz.unesp.br/rvz/index.php/rvz/article/view/667. Acessado em: maio 2015.

Silva MR, Santa Rosa ICA. Levantamento de leishmaniose visceral

canina em Bom Sucesso, Minas Gerais. Acta ScientVet2005;33:69-74.

Marzochi MC, Coutinho SG, Souza WJ, Toledo LM, Grimaldi Júnior G, Momen H, Pacheco RS, Sabroza PC, Souza MA, Rangel FBF, Tramontano NC.Canine visceral leishmaniosis in Rio deJaneiro, Brazil. Clinical, parasitological,therapeuticalandepidemiologicalfindings (1977-1983). MemInst Oswaldo Cruz1985;80:349-57.

Publicado
2016-07-01
Como Citar
Petrin, R. V. N., Silva, J. P. M. de A. e, de Faria, G. E., Mendonça, C. do C., Tavares, W., & de Carvalho, F. C. G. (2016). Estudo preliminar sobre a ocorrência de Leishmaniose visceral em seres humanos no município de Vassouras, RJ, Brasil. Revista De Saúde, 7(1), 04-10. https://doi.org/10.21727/rs.v7i1.73
Seção
Saúde Pública