PARACOCCIDIOIDOMICOSE EM CRIANÇA COM HIPEREOSINOFILIA: RELATO DE CASO

  • NATHALYE EMANUELLE SOUZA Universidade Severino Sombra, Pró-Reitoria de Ciências Médicas, Discentes do curso de Medicina
  • CLEOMARA ANGELICA CALDEIRA
  • ELISANGELA DE OLIVEIRA AFONSO
  • FERNANDO DE ALMEIDA WERNECK Universidade Severino Sombra, Pró-Reitoria de Ciências Médicas, Docente do curso de Medicina
  • TIAGO DE OLIVEIRA BOECHAT Universidade Severino Sombra, Pró-Reitoria de Ciências Médicas, Docente do curso de Medicina, toboechat@gmail.com
Palavras-chave: PARACOCCIDIOIDOMICOSE, DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL, INFECTOLOGIA

Resumo

O diagnóstico de Paracoccidioidomicose em criança de oito anos de idade leva à discussão a respeito dos diagnósticos diferenciais da doença, assim como sobre o seguimento ambulatorial. No caso em questão, chama atenção a demora no diagnóstico e tratamento específico, uma vez que a paracoccidioidomicose produz sintomas que mimetizam outras doenças de acordo com o(s) órgão(s) acometido(s), sendo nesse relato feito diagnóstico diferencial com síndrome linfoproliferativa e hipereosinofilia secundária . O diagnóstico definitivo foi obtido por meio de estudo anátomo-patológico. No tratamento foram utilizados Sulfametoxazol-trimetoprim e Cetoconazol. Após a resolução da fase aguda, a criança foi encaminhada ao ambulatório de Infectologia para continuar em acompanhamento clínico. 

Referências

Duarte MC et al. HU Revista, Juiz de Fora, 2009; 35(1):67-69.

Bertoni TA et al. Paracoccidioidomicose e tuberculose: diagnóstico diferencial. J Bras Patol Med Lab, 2010; 46(1):17-21

Shikanai-Yasuda MA et al. Consenso em paracoccidioidomicose. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Brasília, DF, 2006; 39(3):297-310.

Palmeiro M; Cherubini K; Yurgel LS. Paracoccidioidomicose: revi-são da literatura. Scientia Medica, Porto Alegre, 2005; 15(4):274-278.

Nogueira MGS; Andrade GMQ. Paracoccidioidomicose em crianças e adolescentes. Rev Med Minas Gerais, 2015; 25(2): 260-268

Telles F. Boletim Epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde do Paraná, Curitiba, 2001. Disponível em http://vigiepi/boletim/inverno-2001. Acesso em 26/04/2016.

Gotib J. CME Information: World Health Organization-defined eo-sinophilic disorders: 2014 update on diagnosis, risk stratification and management. American Journal of Hemat, 2014; 89(3):326-328.

Marques AS. Paracoccidioidomicose: atualização clínica e terapêuti-ca: educação médica continuada. Anais Brasileiros de Dermatologia, Rio de Janeiro, 2003;78(2):135-150. Disponível em http://www.scielo.br. Acesso em 26/04/2016.

Hokama NK; Machado PEA. Interpretação clínica do hemograma nas infecções. JBM. Rio de Janeiro, 1997;72(3):38-49.

Chauffaille MLLF. Eosinofilia reacional, leucemia eosinofílica crô-nica e síndrome hipereosinofílica idiopática. Universidade Federal de São Paulo - Unifesp - São Paulo (SP), Brasil; Rev. Bras. Hematol Hemoter, 2010; 32(5):1-13.

Alves JMA et al. Levantamento de casos de Paracoccidioidomicose infanto-juvenil no HU-UFJF no período de 1992 a 2002. Pediatria Atual, Juiz de Fora, 2004;17(3):19-21.

Menezes VM; Soares BGO; Fontes CJF. Drugs for treating para-coccidioidomycosis. Cochrane Database of Systematic Reviews, Ox-ford, 2008. Disponível em http:// http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/14651858.CD004967.pub2/full#en_main_abstract Acesso em 26/02/2016.

Montenegro BAF. Blastomicose. Arch Soc Med Cir São Paulo. 1911; (2):324-32.

Rapaport S.I. Introdução à Hematologia. 2.ed. São Paulo: Roca, 1990.

Walters M.C.; Abelson H.T. Interpretação do hemograma completo. Clínicas Pediátricas da América do Norte. Rio de Janeiro. Interlivros. 1996; (3):577-599.

Publicado
2017-06-01
Como Citar
SOUZA, N. E., CALDEIRA, C. A., AFONSO, E. D. O., WERNECK, F. D. A., & BOECHAT, T. D. O. (2017). PARACOCCIDIOIDOMICOSE EM CRIANÇA COM HIPEREOSINOFILIA: RELATO DE CASO. Revista De Saúde, 8(1), 33-36. https://doi.org/10.21727/rs.v8i1.308
Seção
Relato de Caso