A Prevalência da insônia no meio médico e o uso de substâncias relacionadas

Resumo

A insônia é o distúrbio do sono mais frequente da população geral, sabe-se que ela é perpetuada por fatores de condicionamento, como poucas horas dormidas e alternância entre sono noturno e diurno. Essa é uma realidade vivenciada no meio médico. Nesse contexto, o debate dessa temática é relevante frente a esses profissionais, visto que, além de prejudicar a qualidade de vida, o distúrbio pode proporcionar a adoção de hábitos inadequados. Este trabalho visa demonstrar a prevalência da insônia entre os médicos e do uso de substâncias relacionadas através de estudo observacional transversal, desenvolvido a partir de um questionário de aplicado a médicos especialistas da Universidade de Taubaté. Dos 34 médicos avaliado, 47,06% são insones, valor superior ao descrito por estudos que avaliaram a recorrência desse transtorno na população geral. Ademais, foi constatado que o sintoma mais relatado e relacionado à insônia foi a fadiga. Quanto ao uso de substâncias, verificou-se que 62,5% da amostra informou ingerir cafeína com a finalidade de promover a vigília, ao passo que 43% referiu fazer uso do álcool como indutor do sono. Outras substâncias utilizadas para proporcionar a vigília ou o sono foram relatadas, tais como Anfetaminas, fármacos e drogas fitoterápicas. Portanto, é válido discutir a insônia e o uso de substâncias associadas a ela no meio médico, uma vez que esse transtorno do sono tem impacto estatístico, além de afetar a saúde física e mental desses indivíduos, acarretando prejuízos no exercício da profissão.

Palavras chave: Insônia; Sono; Médicos; Substâncias; Fadiga. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-06-16
Como Citar
Fiore Schumann, T., Lima De Falco, M., César Pires, O., & Pereira de Souza, P. (2020). A Prevalência da insônia no meio médico e o uso de substâncias relacionadas. Revista De Saúde, 11(1), 67-76. https://doi.org/10.21727/rs.v11i1.2206