Fatores de risco de queimaduras entre estudantes do ensino médio de duas escolas no município de Vassouras, Estado do Rio de Janeiro, Brasil

  • Maria Cristina Almeida de Souza Universidade de Vassouras
  • Edsneider Rocha Pires de Souza Universidade de Vassouras
  • Jemima Ferreira Coelho Universidade de Vassouras

Resumo

Objetivo: verificou-se o grau de conhecimento de estudantes do ensino médio de duas escolas no município de Vassouras, Estado do Rio de Janeiro, sobre o risco de queimaduras. Métodos: pesquisa quantitativa, transversal. Resultados: entre os tipos de queimaduras, a mais incidente foi a térmica (62,3%). Cabos das panelas virados para dentro do fogão e armazenamento do ferro após o uso em local de fácil acesso às crianças foram citados por 60,9% e 13% respectivamente. Sobre a manipulação de fogos de artifício, 56% dos estudantes informaram seu uso a uma distância segura. Produtos inflamáveis armazenados junto com produtos de limpeza é prática usual entre 36,9% dos participantes. Protegem-se da exposição solar 71% dos participantes desta pesquisa. Conclusão: há déficit de conhecimento de fatores de risco de queimaduras entre os estudantes participantes da pesquisa, sinalizando para a necessidade da realização de atividades educativas sobre o tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Almeida de Souza, Universidade de Vassouras

 Doutora. Docente do Mestrado em Ciências Aplicadas em Saúde e Docente do Curso de Medicina da Universidade Severino Sombra. Vassouras/RJ, Brasil.

Edsneider Rocha Pires de Souza, Universidade de Vassouras

Médico. Especialista em Saúde da Família. Especialista em Dermatologia. Discente do Mestrado em Ciências Aplicadas em Saúde da Universidade Severino Sombra. Vassouras/RJ, Brasil. Docente do Curso de Medicina da Universidade Severino Sombra. Vassouras/RJ, Brasil.

Jemima Ferreira Coelho, Universidade de Vassouras

1-      Discente do Curso de Medicina da Universidade Severino Sombra. Vassouras/RJ, Brasil. Discente de Iniciação Científica.

Referências

-Lima Júnior EM, Melo MCA, Alves CC, Alves EP, Parente EA, Ferreira GE. Avaliação do conhecimento e promoção da conscientização acerca da prevenção de queimaduras na população de Fortaleza-CE. Rev Bras Queimaduras 2014;13(3):161-7.)

-Fernandes FMFA, Torquato IMB, Dantas MAS, Pontes Júnior FAC, Ferreira JA, Collet N. Queimaduras em crianças e adolescentes: caracterização clínica e epidemiológica. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(4):133-141.

-Gimeniz-Paschoal SR, Pereira DM, Nascimento EM. Efeito de ação educativa sobre o conhecimento de familiares a respeito de queimaduras infantis em ambientes domésticos. Rev Latino-am Enfermagem 2009 maio-junho; 17(3).

-World Health Organization. Facts about injuries: burn. Disponível em: Acesso em 20 de Março de 2018.

-Brasil MS. Mortalidade por queimadura. Brasília: Ministério da Saúde. Brasília (DF); 2006. Disponível em: <http://www.datasus.gov.br>. Acesso em 25 de abril de 2018.

-Cantarelli KJ, Martins CL, Antoniolli L, Schiavon VC, Moraes LP, Dal Pai D et al. Prevenção de queimaduras em ambiente escolar: relato de experiência. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(3):165-8.

-Pessoa RHP, Teixeira RB, Anselmi RF, Nogueira JM, Lucena GA, Castro AS, et al. Prevenção e primeiros socorros de queimaduras em escolas do ensino fundamental: Relato de experiência. Rev Bras Queimaduras 2015;14(3):238-242.

-Tevlin R, Dillon L, Clover AJP. Education in burns: lessons from the past and objectives for the future. Burns. 2017 Sep;43(6):1141-1148.

-Brasil. Presidência da República. Decreto no. 6286, de 5 de Dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola_PSE e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6286.htm> Acesso em 28 de Maio de 2018.

-Moreira MF, Nóbrega MML, Silva MIT. Comunicação escrita: contribuição para a elaboração de material educativo em saúde.RevBrasEnferm, 2003 mar/abr;56(2):184-188.

-Silva KP, Caparróz MR, Torquato JA. Prevalência de complicações respiratórias em pacientes com queimaduras internados num hospital público estadual de São Paulo. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(4):130-5.

-Aracat ECE, Paraschin K, Nogueira RJN, Reis MC. Acidentes com crianças e sua evolução na Região de Campinas, SP. J Pediatr 2000; 76(5):368-74.

-Dias IKR, Torres CMG, Lopes MSV, Santana KFS, Rocha RMGS. Causas dos atendimentos de urgência e emergência do público adolescente: revisão integrativa Adolesc Saude 2017;14(4):195-209. Disponível em <http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=699> Acesso em 15 de maio de 2018.

-Aguiar UJ.Estudo de 162 casos de queimaduras oculares atendidos no Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina [Monografia]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2005.

-Vale ECS. Primeiro atendimento em queimaduras: a abordagem do dermatologista. AnBrasDermatol. 2005;80(1):9-19.

-Vendrusculo TM, Baleeiro CRB, Echevarría-Guanilo ME, Farina Júnior JA, Rossi LA. Queimaduras em ambiente doméstico: características e circunstâncias do acidente. Rev Latino-Am Enfermagem. 2010;18(3):444-51.

-Eid CAG. Queimaduras: primeiros socorros. Atendimento Pré-Hospitalar. 2001 Disponível em:<http://www.aph.com.br/queimaduras_primeiros_socorros.htm> Acesso em 15 de Março de 2018.

-Paes CE, Gaspar VL. Unintentional injuries in the home environment: home safety. J Pediatr. 2005;81(5 Suppl):S146-54.

-Haack RL, Horta BL, Cesar JA. Queimadura solar em jovens: estudo de base populacional no Sul do Brasil. Rev Saúde Pública 2008;42(1):26-33.

-Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dados populacionais. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rj/vassouras/panorama Acesso em 15 de Junho de 2018.

Publicado
2019-12-09
Como Citar
Souza, M. C. A. de, Souza, E. R. P. de, & Coelho, J. F. (2019). Fatores de risco de queimaduras entre estudantes do ensino médio de duas escolas no município de Vassouras, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Revista De Saúde, 10(2), 18-25. https://doi.org/10.21727/rs.v10i2.1729
Seção
Artigos Originais