Análise retrospectiva da incidência de neoplasias em Vassouras/RJ

Palavras-chave: Medicina, Ciências da Saúde

Resumo

As elevadas taxas de  prevalência e incidência têm sido alvos de debate, tendo como objetivo o planejamento de estratégias de saúde que visem a diminuição desses índices. Através do SISPACTO, estabeleceu-se que deveria haver a diminuição de 2% do indicador de saúde (indicador 30a) quando fosse comparado com o ano anterior. Em Vassouras, entre 2007 até 2016, essa meta só foi alcançada três vezes, sendo que em apenas uma oportunidade houve queda da incidência. O objetivo desse trabalho é analisar retrospectivamente o número de casos de neoplasias no município de Vassouras/RJ, evidenciando políticas de saúde do município para controle dessas doenças, comparando, também, à incidência estadual. A incidência de neoplasias malignas em Vassouras no período de 2007 a 2016 foi de 492 casos por 100.000 habitantes, um valor considerado alto, ainda mais quando em comparação com a incidência das doenças em todo o estado do Rio de Janeiro (214 por 100.000, no período de 2008 a 2016). Em Vassouras/RJ, a política de controle vem funcionado de modo interdisciplinar, respeitando a realidade da saúde nacional no aspecto condizente à importância do foco na saúde da mulher e do homem. . Não há preconização, além das estabelecidas pelo Ministério da Saúde e INCA, para as neoplasias visualizadas no sexo masculino, categoria historicamente mais difícil de se abordar nas estratégias de saúde. Percebe-se através dessa análise, que a evolução do câncer em Vassouras se deu de forma ímpar, necessitando de adaptações para sua epidemiologia para que haja um melhor controle nos fatores causais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Pereira Ramos, Universidade Severino Sombra
Acadêmico do Curso de Medicina

Referências

Guerra, MR.; Gallo, CVM.; Mendonça, GAS. The risk of cancer in Brazil: tendencies and recent epidemiologic studies. Revista Brasileira de Cancerologia, 2005. Rio de Ja-neiro; 51(3): 227-234.

Azevedo, SG; Justina, GC; Reis, GV; Gonçalves, VJ. Cancer mortality trends in Brazilian state capitals and other municipalities between 1980 and 2006. Rev Saúde Pública, 2011. São Paulo; 45(6): 1009-1018.

Parada, R.; Assis, M.; Silva, RCF.; Abreu, MF.; Silva, MAF.; Dias, MBK.; Tomazaelli, JG. Brazilian cancer control policy and the role of primary care in cancer prevention and control. Rev. APS, abr./jun. 2008. v. 11, n. 2, p. 199-206.

Ministério Da Saúde (Brasil). Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes Da Silva (Inca). Estimativa 2016: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca, 2015. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf. Acesso em: 05 jun., 2017.

Castro, HAS; Iared, W.; Shigueoka, DC; Mourão, JE; Ajzen, S. Contribu-tion of PSA density in the prediction of prostate cancer in patients with PSA values between 2.6 and 10.0 ng/ml. Radiol Bras. Jul/Ago 2011, 44(4):205–209.

Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Banco de Preços em Saúde v2.3.0. Disponível em: http://aplicacao.saude.gov.br/bps/login.jsf. Acesso em: 06 jun., 2017.

Teixeira, LA.; Porto, M.; Habib, PABB. Public policies for cancer control in Brazil: elements of a trajectory. Cad. Saúde Colet., 2012, Rio de Janeiro, 20 (3): 375-80.

Teixeira, LA. O controle do câncer no Brasil na primeira metade do século XX. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v.17, supl.1, jul. 2010, p.13-31.

Ministério da Saúde (Brasil). Instituto Nacional de Câncer (INCA). INCA - Ações e Programas; 2016 Acessado em 11 de junho de 2017. Disponível em: <http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/acoes_programas/site/home/nobrasil>

Siqueira, FA.; Silva, SO.; Benevides, PM.; Almeida, MSB.; Lima, TNB.; Bisneto, FP. Promotion and Prevention in Male Sexual Health: Challenges of Jose Pi-nheiro 1 Family Health Teams. R bras ci Saúde, 2011. 15(2):191-200.

Gomes, R.; Nascimento, EF.; Araújo, FC. Why do men use health servi-ces less than women? Explanations by men with low versus higher education. Cad. Saú-de Pública, mar. 2007. Rio de Janeiro, 23(3):565-574.

Mattos, IE.; Koifman, S. Cancer mortality among electricity utility wor-kers in a Southeastern region Brazil. Rev. Saúde Pública 1996, 30 (6): 564-75.

Burguer, M. Epidemiology and Risk Factors of Urothelial Bladder Can-cer. Eur Urol 2012, EURURO-4659; 8.

Witjes, JA. EAU Guidelines on Muscle-invasive and Metastatic Bladder Cancer: Summary of the 2013 Guidelines. European Urology 2014, 65; 778–792.

Machado, HS; de Souza MC; Gonçalves, SJC. Câncer de colo de útero: análise Epidemiológica e Citopatológica no município de Vassouras-RJ. Revista Pró-UniverSUS. 2017 Jan./Jun.; 08 (1): 55-61.

Fairclough, L.; Hill, J.; Bryant, H.; Kitchen-Clarke, L. Accelerating kno-wledge to action: the pan-Canadian cancer control strategy. Curr Oncol. 2012 Apr; 19(2): 70–77.

Publicado
2018-12-03
Como Citar
Ramos, A. P., & da Cunha Gonçalves, S. J. (2018). Análise retrospectiva da incidência de neoplasias em Vassouras/RJ. Revista De Saúde, 9(2), 02-08. https://doi.org/10.21727/rs.v9i2.1328