Efeito da atividade física com estímulos diferenciados em uma criança com síndrome de Prader-Willi e com contraindicação ao uso de rhGH. Ênfase no IMC e dados de massa corpórea: Um relato de caso

  • Marcos Vieira Pinto Da Silva
  • Lívia Prevot De Souza

Resumo

A Síndrome de Prader-Willi (SPW) é uma desordem genética caracterizada pela ausência da atividade
normal do cromossomo 15, em suas bandas 11 e 13 do braço longo. Possui duas fases distintas, uma de

início neonatal, com apgar baixo, hipotonia generalizada e sucção débil. A fase seguinte é evolutiva e
traz consigo a hiperfagia, o hipogonadismo, atraso no desenvolvimento, e principalmente, obesidade. A
terapêutica é baseada principalmente no controle do peso, com dieta equilibrada, atividade física adequada,
e mais recentemente com o uso de rhGH, desde que não diagnosticado com apneia do sono à polissonografia.
O presente trabalho vem apresentar os efeitos da atividade física com estímulos diferenciados, ao longo
de um ano, numa criança com Síndrome de Prader-Willi e contraindicada ao uso de rhGH. O caso
apresentado é de uma criança, sexo masculino, com 6 anos e 9 meses, contraindicado ao uso de rhGH por
apresentar apneia do sono, onde foi indicada a realização de atividade física com estímulos diferenciados,
sendo alocado para três tipos de atividade: Jiu-Jitsu, futsal e treino funcional. Os dados de avaliação de
composição corporal datados de início de maio de 2014 mostrou os seguintes resultados: Peso: 26,5 Kg,
Altura: 1,13 m, IMC: 20,75 Kg/m2 (>P99), Gordura: 29,52 %, Peso Gordo: 7,82 Kg, Peso Magro: 18,68
Kg. A avaliação realizada após um ano de atividade, datada de final de maio de 2015, trouxe os seguintes
dados: Peso: 28,6 Kg, Altura: 1,24 m, IMC: 18,6 Kg/m2 (<P97), Gordura: 24 %, Peso Gordo: 7.09 Kg,
Peso Magro: 21,51 Kg. Observou-se que este alterou sua classificação pelo índice de massa corporal
da obesidade para o sobrepeso. Observou-se também um aumento significativo da massa magra, com
redução leve da massa gorda. A atividade física preconizada apresentou-se satisfatória, com boa resposta
no desenvolvimento muscular e na manutenção do peso, mesmo sem o uso do hormônio do crescimento.

Referências

Tellez AT. Caracterización clínico genética del síndrome Prader Willi. Revista de Ciencias Médicas de Pinar del Río. 2014;18(6):974-982.

Amaro AS, et al. Treinamento Físico Na Síndrome De Prader-Willi: Um Estudo De Revisão. Cadernos de Pós-Graduaçã o em Distúrbios do Desenvolvimento.

;13(1): 55-65.

Damiani D. Uso de hormônio de crescimento na síndrome de Prader-Willi. Arq Bras EndocrinolMetab [online]. 2008;52(5):833-838.

Deal CL, Tony M, Höybye C, Allen DB, Tauber M, Christiansen JS. Growth Hormone in Prader-Willi Syndrome Clinical Care Guidelines Workshop

Participants.Growth Hormone Research Society workshop summary: consensus guidelines for recombinant human growth hormone therapy in Prader-Willi

syndrome. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism,. 2013;98(6): E1072-E1087.

Oliveira EN, Aguiar JMA, Cavalcante MMB. Consumo de Psicotrópicos por Mulheres: Terapia ou Iatrogenia? Essentia. 2011;13(1):25-38.

Publicado
2017-08-31
Como Citar
Da Silva, M. V. P., & De Souza, L. P. (2017). Efeito da atividade física com estímulos diferenciados em uma criança com síndrome de Prader-Willi e com contraindicação ao uso de rhGH. Ênfase no IMC e dados de massa corpórea: Um relato de caso. Revista De Saúde, 8(1 S1), 131-132. Recuperado de http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/1098
Seção
Resumo - Suplemento