Síndrome de Guillain-barré pós-infecção por dengue: Relato de caso

  • Bruno Silva Borges
  • Abner de Oliveira Gripp Donato
  • Thiago Wesley de Oliveira
  • Matheus Neves Castanheira
  • Caio Aquilini Gardin
  • Paula Pitta de Resende Cortes
  • Adriana Rodrigues Ferraz
  • Gerson Luiz de Macedo
  • Fernando de Almeida Werneck

Resumo

A organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 2,5 bilhões de pessoas (2/5 da população mundial) estão sob risco de contrair dengue e que ocorram anualmente cerca de 50 milhões de casos. Desse total, cerca de 550 mil necessitam de hospitalização e pelo menos 20 mil morrem em consequência da doença que afeta mais de 120 países e é considerada uma doença negligenciada pela OMS. Este manuscrito relata o caso de A.A.D., 27 anos, parda, residente de Guapimirim-RJ, que desenvolveu subitamente febre intermitente, mialgia, dorsalgia e astenia. Após 10 dias da apresentação dos sintomas referidos, em ambiente domiciliar, novo quadro clínico surgiu caracterizado por paresia em membros inferiores que evolui para os membros superiores, dislalia, dispneia e hematêmese. Diante do quadro apresentado deu entrada no hospital de Guapimirim, onde foi diagnosticada com possível caso de meningite. Com o agravamento do seu estado geral foi transferida para o Hospital Universitário Sul Fluminense, em Vassouras-RJ, onde foi encaminhada para Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Através dos achados clínicos e do exame do liquido cefalorraquiano, solicitados na UTI, chegou-se ao diagnóstico da Síndrome de Guillain –Barré (SGB), uma inflamação e desmielinização dos nervos periféricos, que se desenvolve frequentemente após infecções, principalmente virais. Posteriormente foi solicitado a sorologia (IgM e IgG) onde foi confirmado infecção recente por dengue, possível etiologia para SGB. Desse modo, a infecção por dengue permanece sendo um grave problema de saúde pública em vários países, inclusive no Brasil. Nosso relato de caso objetiva demonstrar a importância de combater a incidência dessa doença para evitar suas complicações, como de possível causadora da SGB4.

Referências

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_prevencao_controle_dengue.pdf.

Ferreira MLB, Cavalcanti CG, Coelho CA, Mesquita SD. Manifestações Neurológicas de Dengue: Estudo de 41 casos. Arq Neuropsiquiatr. 2005;63(2-B):488-93.

Esack A, Teelucksingh S, Singh N. The Guillain-Barré syndrome following dengue fever. West Indian Med J. 1999;48(1):36-7.

Nogueira RMR, Miagostovich MP, Filippis AMB, Pereira MAS, Schatzmayr HG. Dengue Virus Type 3 in Rio de Janeiro, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2001;96(7):925-6.

Cunha-Matta AP, Soares-Moreno SA, Almeida AC, Freitas VA, CarodArtal FJ. Complicaciones neurológicas de la infección por el virus del dengue. Rev Neurol. 2004;39(3):233-7.

Publicado
2017-08-31
Como Citar
Borges, B. S., Donato, A. de O. G., de Oliveira, T. W., Castanheira, M. N., Gardin, C. A., Cortes, P. P. de R., Ferraz, A. R., de Macedo, G. L., & Werneck, F. de A. (2017). Síndrome de Guillain-barré pós-infecção por dengue: Relato de caso. Revista De Saúde, 8(1 S1), 84. Recuperado de http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/1070
Seção
Resumo - Suplemento