Pancreatite autoimune: Relato de caso

  • Aline Vieira Silva
  • Juliana Ferreira Bezerra de Azevedo
  • Adriana Rodrigues Ferraz

Resumo

Pancreatite autoimune (PAI) é uma doença caracterizada por um processo inflamatório autoimune, no qual há proeminente infiltrado linfoplasmocitário associado à fibrose do pâncreas, levando a disfunção orgânica. A PAI pode ser localizada e exclusiva do pâncreas, classificada como tipo II, ou possuir manifestações sistêmicas, tipo I, sendo esta última associada à alta concentração de imunoglobulina IgG4. Ambas apresentam resposta eficazes à terapia com corticosteróides, embora possa haver recidivas. Trata-se de uma patologia rara, relativamente nova, no qual os primeiras manifestações extrapancreáticas foram descritas em 2003, e pouco conhecida de modo que se torna importante estudá-la. Portanto o presente estudo tem o objetivo de relatar um caso sobre pancreatite autoimune, revisar a literatura a cerca do tema, determinar a importância dos métodos de imagem no diagnóstico dessa doença e analisar o seu tratamento. Paciente do sexo masculino, 49 anos, iniciou quadros de diarréia contínua e epigastralgia há dois meses, procurou o ambulatório de gastroenterologia, trazendo consigo exames de imagem como ultrassonografia de abdome (USG) e Endoscopia Digestiva Alta (EDA), solicitados previamente pelo clínico geral. A USG demonstrou diminuição da ecogenicidade do pâncreas sendo solicitados Tomografia computadorizada (TC) de abdome e, posteriormente, Ressonância Magnética de abdome. Tal era a suspeição de afecção que foi solicitado ecoendoscopia com punção aspirativa de tecido pancreático e citologia oncótica que confirmou a presença de PAI macroscopicamente e através do estudo histopatológico realizado, juntamente com IgG4 elevada. Estabelecido o diagnóstico, institui-se a terapêutica com prednisona via oral por 16 semanas. Após tratamento com corticóide, verificou-se normalização dos níveis séricos de IgG4 e nova ecoendoscopia será realizada quando completar um ano da primeira. Discussão: O quadro clínico da PAI é inespecífico, muitas vezes mimetiza a clínica de adenocarcinoma de pâncreas, colangite esclerosante primária, Síndrome de Sjögren, dentre outras doenças, condicionando dificuldades diagnósticas. A ecoendoscopia associada à punção aspirativa com agulha fina vem contribuir decisivamente para o diagnóstico de pancreatite autoimune e exclusão do câncer pancreático. Segundo a literatura, não há diferença significativa entre a pulsoterapia de corticóide e a administração por via oral. A PAI é uma patologia recente que, embora já haja muitos relatos na literatura, precisa ser mais estudada, a fim de estabelecer o diagnóstico preciso e um tratamento com menor taxas de recidivas possíveis.

Referências

Linhares LMC. Doença sistêmica associada à IgG4, mimetizando colangiocarcinoma. Gastroenterol. Endosc. Dig. 2012;31(4).

WangQ, Zhang X, ZhangF. Autoimmune pancreatitis: current concepts. Science China Life Sciences. 2013;56(3):246-253.

Chari ST. Current concepts in the treatment of autoimmune pancreatitis. JOP. 2007;8(1):1-3.

Kim KP. “Diagnostic Criteria for Autoimmune Chronic Pancreatitis Revisited.” World Journal of Gastroenterology. 2006;12(16):2487–2496. Disponível em: <http://doi.org/10.3748/wjg.v12.i16.2487>. Acesso em 08 ago. 2016.

Shiokawa M. Risk of cancer in patients with autoimmune pancreatitis. The American journal of gastroenterology. 2013;108(4):610-617.

Faria RJ. Avaliação de IgG4 em pacientes com doença inflamatória intestinal e insuficiência pancreática exócrina. 2013. 99 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas)-Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

Chari ST. Diagnosis of autoimmune pancreatitis: the Mayo Clinic experience. Clinical Gastroenterology and Hepatology. 2006;4(8):1010-1016.

Ressurreição J, Bali M, Matos C. Pancreatite Auto-Imune: O Papel da Imagem no Diagnóstico. Acta Medica Portuguesa. 2015;28(5).

Lopes CV. Pancreatite autoimune–diagnóstico por ecoendoscopia associada à punção aspirativa. Revista da AMRIGS. 2012;56(3):251-255.

Alvarenga FD. Doença relacionada à IgG4: pancreatite autoimune e manifestações extrapancreáticas. Radiologia Brasileira. 2016;49(2).

Galvão AJ, Galvão MC. Pancreatite autoimune. J. Bras. Med. 2014;102(1).

Oliveira J. Pancreatite autoimune e diagnóstico diferencial com a neoplasia do pâncreas: A propósito de um caso clínico. Jornal Português de Gastrenterologia. 2012;19(1):42-46.

Shimosegawa T, Kanno A. Autoimmune pancreatitis in Japan: overview and perspective. Journal of gastroenterology. 2009;44(6):503-517.

Kim KP. Diagnostic criteria for autoimmune chronic pancreatitis revisited. World Journal of Gastroenterology. 2006;12(16):2487.

Kim E. Autoimmune Pancreatitis: A Multiorgan Disease Presenting a Conundrum for Clinicians in the West. Gastroenterology & Hepatology. 2015;11(9):607.

Sah RP. Differences in clinical profile and relapse rate of type 1 versus type 2 autoimmune pancreatitis. Gastroenterology. 2010;139(1):140-148.

Tomiyama T. Comparison of steroid pulse therapy and conventional oral steroid therapy as initial treatment for autoimmune pancreatitis. Journal of Gastroenterology. 2011;46(5):696-704.

Sugimoto M. Efficacy of Steroid Pulse Therapy for Autoimmune Pancreatitis Type 1: A Retrospective Study. PloS one. 2015;10(9):e0138604.

Kawa S. Long-term follow-up of autoimmune pancreatitis: characteristics of chronic disease and recurrence.. Clinical Gastroenterology and Hepatology. 2009;7(11):S18-S22.

Publicado
2017-08-31
Como Citar
Silva, A. V., de Azevedo, J. F. B., & Ferraz, A. R. (2017). Pancreatite autoimune: Relato de caso. Revista De Saúde, 8(1 S1), 103-104. Recuperado de http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/1038
Seção
Resumo - Suplemento