Educação Permanente em Saúde uma ferramenta na Estratégia Saúde da Família: Encontro guiado pela Socioclínica Institucional

Resumo

Objetivo: analisar e discutir a Educação Permanente em Saúde como ferramenta do processo de trabalho da gerência de cuidados dos enfermeiros atuantes na Estratégia Saúde da Família nos encontros guiados pela Socioclínica Institucional. Método: Estudo de abordagem qualitativa com emprego do desenho Socioclínica Institucional, que opera na lógica de transformar a realidade investigada para compreender a pesquisa. Utiliza-se da produção coletiva do conhecimento e troca de saberes e aprenderes entre participantes e pesquisadores. Os encontros ocorreram no segundo semestre do ano de 2019 o universo do estudo foi composto por 13 enfermeiros, sendo 11 atuantes na ESF e 02 enfermeiros pesquisadores. Resultados: Com os encontros construímos três polos de conhecimento sobre a Educação Permanente como ferramenta do processo de trabalho da gerência de cuidados de enfermeiros atuantes na Estratégia Saúde da Família: 1) A importância da Educação Permanente em Saúde como ferramenta no processo de trabalho; 2) A Educação Permanente em Saúde como ferramenta de comunicação; 3) A Educação Permanente em Saúde como indicador do processo de trabalho. Considerações finais: A Educação Permanente em Saúde configura-se como uma ferramenta de mobilização para o processo de trabalho da gerência de cuidados ao se discutir as ações de saúde no âmbito da Estratégia Saúde da Família.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Lúcia Abrahão da Silva, Universidade Federal Fluminense

Professora Titular da Universidade Federal Fluminense, Escola de Enfermagem. Pós Doutora vinculada ao quadro Permanente do Programa de Ciências do Cuidado em Saúde (UFF) e do Mestrado Profissional de Ensino em Saúde (UFF), Integranteda da linha de pesquisa Micropolítica do Trabalho e o Cuidado em Saúde. Líder do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Gestão e Trabalho em Saúde NUPGES/CNPq. Vice Líder do Grupo de Pesquisa Rede Substitutiva em Saúde: Racionalização e/ou Desinstitucionalização do Cuidado. Coordenadora Regional Sudeste da Rede Unida, eleita em Assembleia do dia 01/06/2018 para o período de 2018 a 2020. Parecerista de Projetos vinculados a CAPES. Editora Chefe do períodico OBJN no período de 2019-2020. Diretora da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa/UFF no período de 2013 à 2020. Coordenadora do Curso de Especialização em Educação à Distância, Micropolítica do Trabalho e Gestão em Saúde/MS. Coordenadora do Programa de Educação pelo Trabalho (PET/MS) e Pró-Saúde na UFF. Integrante do Núcleo de Pesquisa em Análise Institucional UNICAMP. Docente convidada do Curso de Saúde Pública na Universidade de Barcelona. Membro do Comité Cientifico do Rechercheavec, RESEAU International que inclui membros do Brasil, Mexico, França e Canadá cordenada por Gilles Monceau (Université de Cergy-Pontoise - France) e Marguerite Souliére (Université de Ottawa- Canadá). Filiada à Association Latine pour l'Analyse des Systèmes de Santé (ALASS) com sede em Barcelona, Espanha. Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal Fluminense (1992), habilitação em Saúde Pública pela Universidade Federal Fluminense(1993), residência em Saúde pública pela Escola Nacional de Saúde Pública/FIOCRUZ (1995), mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (1999), doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (2004), Pós Doutorado pelo Instituto de Medicina Social (UERJ). Temática: Gestão e Subjetividade; Formação em Saúde; Micropolítica; Politica de Saúde; Enfermagem em Saúde Pública; Produção do Cuidado; Processo de Trabalho em Saúde e Análise Institucional

Publicado
2020-12-16