O processo de cicatrização de úlceras plantares associadas à terapia de contato total: uma revisão integrativa

cicatrização de úlceras plantares associadas à terapia de contato total

Resumo

Introdução: Mapear a produção científica nacional e internacional relacionada a cicatrização de úlcera plantar com a utilização de terapia de contato total; e discutir as contribuições da produção científica captada para a qualidade do cuidado em Enfermagem em Podiatria Clínica. Materiais e Métodos: Revisão integrativa, que utilizou como bases de dados a Biblioteca Virtual em Saúde e PubMed. O recorte temporal deu-se entre 2012 a 2017. Resultados: Todos as produções captadas foram de periódicos internacionais, com uma incidência maior no ano de 2014, emergindo três categorias: eficácia da terapia de contato total não removível; tipos de terapia de contato total e suas comparações e contribuições para a qualidade do cuidado em enfermagem em Podiatria Clínica. Considerações finais: Propõe-se a realização de novos estudos. Fica notória a necessidade da terapia de alívio da pressão plantar para o manejo e cura da lesão, sendo o mais indicado o instant total contact cast, devido ser eficaz e ter menor chance de danos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isis Pino Maciel, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro

Enfermeira. Especialista em  Estomaterapia e Habilitada em Podiatria Clínica pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Brasil.

Ariane da Silva Pires, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Especialista em Podiatria Clínica, Dermatologia e Estomaterapia. Docente da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Brasil.

Eugenio Fuentes Pérez Júnior , Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro

Enfermeiro. Doutor em Enfermagem. Especialista em Podiatria Clínica, Dermatologia e Gestão. Docente da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.  Rio de Janeiro. Brasil. 

Marina Maria Bernardes da Conceição, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro

Graduanda do Curso de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Bolsista do Projeto de Extensão: Podiatria Clínica: formação e cuidado especializado de enfermagem. Voluntária de iniciação científica no projeto: Perfil epidemiológico e triagem sorológica do doador voluntário no Banco de Sangue Herbert de Souza, Hospital Universitário Pedro Ernesto. 

Lidiane Passos Cunha, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Especialista em Estomaterapia e Habilitada em Podiatria Clínica pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Brasil.

Luiz Marcos Raposo, Universidade Federal de Juiz de Fora

Enfermeiro. Especialista em Estomaterapia e Podiatria Clínica. Minais Gerais. Brasil. 

Publicado
2020-12-11