Reconhecimento e conduta de cirurgiões-dentistas diante de maus-tratos em crianças e adolescentes

Resumo

Este estudo objetivou identificar tipos de maus-tratos mais prevalentes incorridos contra crianças e adolescentes, características indicativas de maus-tratos observadas durante atendimento odontológico, além de descrever a conduta do cirurgião-dentista frente a esses casos. Os trabalhos científicos foram selecionados a partir da Biblioteca Virtual de Saúde; 24 artigos atenderam aos critérios pré-definidos. Um manual sobre notificação de maus-tratos infantis do Ministério da Saúde Brasileiro, e texto da Lei 8.069 também foram revisados. Observou-se que maus-tratos contra crianças e adolescentes comumente se manifestam em negligência, abusos físicos, sexuais e psicológicos. Ademais, constatou-se que o cirurgião-dentista pode exercer importante papel na identificação de maus-tratos infanto-juvenis, já que a maioria das lesões físicas oriundas de maus-tratos envolvem cabeça, pescoço e boca. Com base no Estatuto da Criança e Adolescente, o cirurgião-dentista é obrigado a identificar e notificar casos suspeitos de maus-tratos, encaminhando-os para o Conselho Tutelar. No entanto, notou-se inabilidade de cirurgiões-dentistas com relação ao diagnóstico e notificação. A subnotificação de casos de maus-tratos dificulta o dimensionamento epidemiológico do problema e consequente desenvolvimento de programas e ações para seu enfrentamento. Acredita-se que inserir o assunto “maus-tratos infanto-juvenis” nos projetos pedagógicos dos cursos, bem como divulgar práticas de notificação e conduta, contribuirão para erradicação desses maus-tratos.

Biografia do Autor

Thalita Thyrza de Almeida Santa-Rosa, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. Departamento de Odontologia

Cirurgiã-dentista. Doutora em Odontologia em Saúde Coletiva pela Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais (FAO/UFMG).  Professora do Departamento de Odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes

Adrianne Calixto Freire de Paula, Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo (FORP/USP).

Cirurgiã-dentista. Doutora em Endodontia pela Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo (FORP/USP).  Professora do Departamento de Odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes

Bianca Oliveira de Carvalho, Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes

Graduanda em Odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes

Danielle Tayrine Celestino Fróes, Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes

Graduanda em Odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes

Gisele Santos Ferreira, Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes

Graduanda em Odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes

Referências

Granville-Garcia AF, Silva MJF, Menezes VA. Maus-tratos infantis: percepção e responsabilidade do cirurgião do cirurgião-dentista. Rev Odonto Ciênc. 2008; 23 (1): 35-39.

Azevedo MS et al. Child maltreatment: a survey of dentists in Southern Brazil. Brazilian Oral Research. 2012 jan; 26 (1): 1-7.

Ayres KCM. Violência doméstica, perfil da vítima e o papel do dentista: Uma revisão crítica da literatura. Monografia apresentada à Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Universidade Estadual de Campinas, Piracicaba. 2013. 22 páginas.

United Nations Children’s Fund. A Familiar Face: Violence in the lives of children and adolescents. UNICEF: New York, 2017.

Brasil. Lei n. 8069 de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Presidência da República, 1990.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Notificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes pelos profissionais de saúde: um passo a mais na cidadania em saúde. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Herrera LM, Serra MC, Fernandes CMS. Violence against children and adolescents: the importance of knowledge of the spectrum of bruise colors in its diagnosis. RSBO. 2013 out-dez; 10 (4): 378-385.

Al-Habsi SA. et al. A survey of attitudes, knowledge and practice of dentists in london towards child protection: are children receiving dental treatment at the Eastman Dental Hospital likely to be on the child protection register? British Dental Journal. 2008 nov; 01-05.

Massoni ACLT et al. Aspectos orofaciais dos maus-tratos infantis e da negligência odontológica. Ciência e Saúde Coletiva. 2010 mar; 15 (2): 403-410.

Mogaddam, M. et al. Knowledge, attitudes, and behaviors of dentists regarding child physical abuse in Jeddah, Saudi Arabia. Science Direct. 2016 abril; 16: 43-56.

Santos CAO et al. Violência contra crianças e adolescentes: conhecimentos dos odontopediatras da capital paraibana – estudo piloto. Rev Odontol Univ. 2016 set-dez; 28(3): 223-229.

Anshula D et al. Knowledge and attitude in regards to physical child abuse amongst medical and dental residents of central gujarat: a cross-sectional survey. Journal of Indian Society of Pedodontics and Preventive Dentistry. 2015 jul-set; 33 (3): 177-182.

Kaur H et al. Child abuse: cross-sectional survey of general dentists. J Oral Biol Craniofac Res. 2015 mar-ag; 6(2): 118-123.

Sales-Peres A et al. Odontologia e o desafio na identificação de maus-tratos. Odontol Clín-Científ. 2008 jul-set; 7 (3): 185-189.

Markovic N et al. Knowledge and attitudes regarding child abuse and neglect. Mater Sociomed, Bosnia and Herzegovina. 2015 dez; 27 (6): 372-375.

Moura AR et al. Dentists and undergraduate dental students require more information relating to child abuse. Medicalexpress, São Paulo. 2015 mar-abr; 2 (2).

Alves MA et al. Importância do cirurgião-dentista no diagnóstico de abuso sexual infantil – revisão de literatura. Revista Brasileira de Odontologia Legal. 2016 jan; 92-99.

Harris CM, Welbury R, Cairns AM. The Scottish dental practitioner's role in managing child abuse and neglect. Br Dent J. 2013 mai; 214 (9): 378-385.

Matos FZ et al. Avaliação do conhecimento dos alunos de graduação em odontologia x cirurgião dentista no diagnóstico de maus-tratos a crianças. Rev Odontol Bras Central. 2013 jan.

Moreira GAR et al. Instrumentação e conhecimento dos profissionais da Equipe Saúde da Família sobre a notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes. Rev Paul Pediatr. 2013 jan; 31 (2): 223-230.

Harris JC et al. NHS dental professionals' evaluation of a child protection learning resource. British Dental Journal. 2011 jan; 210 (2): 75-79.

Moreira GAR et al. Atuação do cirurgião-dentista na identificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes na atenção primária. Saúde Debate. 2015 dez; 39: 257-267.

Uldum B et al. Danish dentists’ and dental hygienists’ knowledge of and experience with suspicion of child abuse or neglect. International Journal Of Paediatric Dentistry. 2010 ago; 20 (5): 361-365.

Sonbol HN et al. Knowledge, educational experiences and attitudes towards child abuse amongst Jordanian dentists. Eur J Dent Educ. 2012 fev; 16 (1): 158-165.

Cukovic-Bagic I et al. Croatian dentists' knowledge, experience, and attitudes in regard to child abuse and neglect. Int J Paediatr Dent. 2015 nov; 25 (6): 444-450.

Fracon ET, Silva RHA, Bregagnolo C. Avaliação da conduta do cirurgião-dentista ante a violência doméstica contra crianças e adolescentes no município de Cravinhos (SP). RSBO. 2011 abr-jun; 8(2): 153-159.

Almeida EC. Violência doméstica: um desafio para a formação do pediatra. Dissertação de mestrado, Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 1998.

Publicado
2019-06-28
Seção
Odontologia