Cirurgia segura - a enfermagem protagonizando a segurança do paciente no Centro Cirúrgico

  • Wanderson Alves Ribeiro Enfermeiro. Mestrando Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde pela Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa da Universidade Federal de Saúde https://orcid.org/0000-0001-8655-3789
  • Iago de Freitas Mattos Enfermeiro. Pós-Graduado em Enfermagem em Centro Cirúrgico (FAVENI). E-mail: soares_mattos@hotmail.com https://orcid.org/0000-0001-5489-7931
  • Maicon Costa de Morais Enfermeiro. Pós-Graduando em CTI Pediátrico e Neonatologia (FAVENI); Pós-Graduando em Terapia Intensiva e Emergência (Celso Lisboa). E-mail: maiconenf2406@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-5450-7574
  • Douglas Mendes da Silva Souza Enfermeiro. Enfermeiro. Pós Graduando em Gestão em Estratégia Saúde da Família (FAVENI); E-mail: douglaska_souza@globo.com https://orcid.org/0000-0002-4283-7701
  • Carla Souza Couta Docente Titular do Curso de Formação Técnica em Enfermagem do CTEF. E-mail: desouza4_@hotmail.com https://orcid.org/0000-0003-3999-0753
  • Leandro Mendes Martins Enfermeiro. Pós-Graduado em Saúde da Família pela Escola de Enfermagem Luiza de Marilac/ Faculdade São Camilo; Pós-Graduando em Informática em Saúde pela Unifesp; Pós-Graduando em Saúde Mental - Atenção Psicossocial pela UNESA; Enfermeiro na Clínica da Família Irlan Souza Macedo pela PMQ. E-mail: leandro.mendes.martins@hotmail.com https://orcid.org/0000-0003-0903-877X

Resumo

Estudo de pesquisa bibliográfica com abordagem qualitativa que tem como objetivo descrever a relevância do procedimento cirúrgico seguro e evidenciar as implicações dos enfermeiros e sua equipe no processo da cirurgia segura. Desta forma, salientando a realidade atual dos hospitais, que devem seguir todo o protocolo que foi estabelecido, visando o bem estar físico e emocional do paciente, desde o momento de sua admissão até a alta hospitalar. Os dados foram coletados mediante a uma serie de estudos e pesquisas em artigos científicos e sites. Por sua vez ajudando a refletir como o cuidado produzido repercute não apenas sobre a pessoa, mas também sobre a instituição e os profissionais que executam de maneira correta os passos do manual de cirurgia segura.

Descritores: Cirurgia; Cirurgia segura; Enfermagem.

Referências

Rezende, J. M. À Sombra do Plátano: Crônicas de História de Medicina. São Paulo: Unifesp, 2009. Disponível em: http://books.scielo.org/id/8kf92/pdf/rezende-9788561673635.pdf Acesso em: 05 de fevereiro de 2018.

Amato, Instituto de Medicina Avançada, São Paulo, 2014. Disponível em: https://www.amato.com.br/content/como-funciona-equipe-na-sala-de-cirurgia Acesso em: 05 de fevereiro de 2018.

Tiossi, M; Marin, A. Centro Cirúrgico: É possível humanizar?. REVISTA UNINGÁ, [S.l.], v. 2, n. 1, out. 2017. ISSN 2318-0579. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/359. Acesso em: 06 fevereiro de 2018.

Arcêncio. L; Marilize, M. D; Bortolin. B. S. Cuidados pré e pós-operatórios em cirurgia cardiotorácica: uma abordagem fisioterapêutica. Rev Bras Cir Cardiovasc. Ribeirão Preto, São Paulo. 2008; 23(3): 400-410. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbccv/v23n3/v23n3a19 Acesso em: 06 de fevereiro de 2018.

Camanho, G. L. Cirurgia Segura para Todos. Rev. bras. ortop. vol.49 no.6. São Paulo. Dez. 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.rboe.2014.09.00. Acesso em: 08 de fevereiro de 2018.

Alberti, G. F; Ribeiro, M. G; Velasque, A. C. I; Salbego, C; Dornelles, C. S. A Prática de Enfermagem em Centro Cirúrgico: A utilização do índice de Ladre-te e Kroulik para a avaliação do paciente em sala de recuperação pós-anestesica. Florianópolis Jul./Set. 2016. Disponível em: http://www.urisantiago.br/saenfermagem/anais/2010/09%20A%20PRATICA%20DE%20ENFERMAGEM%20EM%20CENTRO%20CIRURGICO%20A%20UTILIZACAO%20.pdf . Acesso em: 09 de fevereiro de 2018.

Minayo, M. C. de S. O desafio do Conhecimento. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2009. Disponível em: < http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf >. Acesso em: 24 de fevereiro de 2018.

Richardson, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 2009. Disponível em: < http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf >. Acesso em: 26 de fevereiro de 2018.

Silva, A; Silva, F. A. Equipe de enfermagem em cirurgia segura: desafios para adesão ao protocolo. Rev. enfer. UFPI; 6(2): 23-29, abr.-jun.2017. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-31983 Acesso em: 06 de março de 2018.

Santos, J; Henckmeier, L; Benedet, S. A. O impacto da orientação pré-operatória na recuperação do paciente cirúrgico. Enferm. Foco. 2011; 2(3): 184-7. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-24907 Acesso em: 07 de março de 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente. 2014. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/acoes-e-programas/programa-nacional-de-seguranca-do-paciente-pnsp/implantacao-do-programa-nacional-de-seguranca-do-paciente Acesso em: 09 de março de 2018.

Grigoleto. A; Gimenes. F; Avelar. M. Segurança do cliente e as ações frente ao procedimento cirúrgico. Rev. Eletr. Enf. 2011; 13(2) Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v13i2.10326. Acesso em: 10 de março de 2018.

Lima, A.M; Sousa, C.S; Cunha, A,L.S.M. Segurança do paciente e montagem de sala operatória: estudo de reflexão. Rev enferm UFPE. 2013; 7(1): 289-94. Disponível em: file:///C:/Users/Iago%20Freitas/Downloads/10232-20427-1-PB%20(1).pdf. Acesso em: 14 de março de 2018.

Henckmeier, L; Benedet, S. A. O impacto da orientação pré-operatória na recuperação do paciente cirúrgico. Enferm. Foco. 2011; 2(3): 184-7. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-24907 Acesso em: 07 de março de 2018.

Carvalho, A.R.S; Matsuda, L.M. Investigando as orientações oferecidas ao paciente em pós-operatório de revascularização miocárdica. Rev Eletrônica Enferm. 2008;10(2):504-12. Disponível em: http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-19442008000200020&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Acesso em: 10 de março de 2018.

Silva, D.G. Grupos como possibilidades para desenvolver educação em saúde. Texto Contexto Enferm. 2013;12(1):97-103. Disponível em: http://ojs.unifor.br/index.php/RBPS/article/view/4410document/view/ztkzfdocument/view/2njhg Acesso em: 12 de março de 2018.

Publicado
2019-06-28
Seção
Enfermagem