O enfermeiro e a implementação do cuidado a família do cliente com Câncer

Resumo

O câncer se caracteriza por uma proliferação anormal de determinados tecidos, a qual escapa ao controle do organismo, tendendo à autonomia e geralmente causando efeitos extremamente agressivos sobre o corpo. Tem-se como objetivo descrever a relevância do enfermeiro no cuidado ao familiar do paciente oncológico. Trata-se de uma revisão bibliográfica de abordagem qualitativa. Para tal utilizou-se a Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), nas seguintes bases de informações: LILACS; MEDLINE e SCIELO no período de janeiro a junho de 2018. Nesse sentido, a postura que o enfermeiro vai adotar precisa começar já no momento do diagnóstico, no sentido de aliviar o impacto de uma notícia deste tipo, esclarecendo sobre a ampliação das possibilidades de sobrevida e os ganhos possíveis em termos de qualidade de vida nos dias atuais, garantindo ao paciente que ele não estará solitário no enfrentamento do problema e de suas consequências, agindo também no sentido de estimular a esperança como condição fundamental para um tratamento exitoso, entre outras intervenções eficientes e humanizadas, como a dedicação total ao tratamento, a manutenção da autoestima, os benefícios de planejar um futuro ativo e positivo. Conclui-se o enfermeiro necessita identificar e avaliar suas próprias concepções relativas à doença e à interrupção da existência física, para que possa manter seu equilíbrio e estabelecer estratégias de enfrentamento, através da elaboração de metas claras e efetivamente significativas a serem direcionadas ao paciente e à família.

Biografia do Autor

Wanderson Alves Ribeiro, Universidade Federal Fluminense
Enfermeiro. Mestrando Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde pela Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense
Bruna Porath Azevedo Fassarella, Universidade de Vassouras
Enfermeira. Mestranda em Ciências Aplicadas em Saúde da Universidade de Vassouras
Maicon Costa de Morais, FAVENI
Enfermeiro. Pós-Graduando em CTI Pediátrico e Neonatologia (FAVENI); Pós-Graduando em Terapia Intensiva e Emergência (Celso Lisboa).
Douglas Mendes da Silva Souza, FAVENI
Enfermeiro.Pós Graduando em Gestão em Estratégia Saúde da Família pela Faculdade em Venda Nova do Imigrante (FAVENI).
Carla de Souza Couto, Curso de Formação Técnica em Enfermagem do CTEF
Pós-Graduanda em Saúde Pública com Ênfase em Estratégia Saúde da Família pela Faculdade Venda Nova do Imigrante. Docente Titular do Curso de Formação Técnica em Enfermagem do CTEF
Leandro Mendes Martins, CTEF
Enfermeiro. Pós-Graduado em Saúde da Família pela Escola de Enfermagem Luiza de Marilac/ Faculdade São Camilo; Pós-Graduando em Informática em Saúde pela Unifesp; Pós-Graduando em Saúde Mental - Atenção Psicossocial pela UNESA; Enfermeiro na Clínica da Família Irlan Souza Macedo pela PMQ; Coordenador e Docente Titular do Curso de Formação Técnica em Enfermagem do CTEF.
João Luiz Ramos de Souza, IEP Sírio Libanês.
Enfermeiro. Pós-Graduado Em Processos Educacionais na Saúde com ênfase em metodologia ativa pelo IEP Sírio Libanês
Jose Augustinho Mendes, Hospital do Santa Cruz
Enfermeiro. Residente em Urgência, Emergência e Intensivíssimo do Hospital do Santa Cruz.

Referências

Brasil, Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer (INCA). Ações de enfermagem para o controle do câncer: uma proposta de integração ensino-serviço. 3a ed. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em:<http://www.inca.gov.br>. Acesso em> Ago. 2017.

Grivicich Ivana et al. Morte celular por apoptose. Revista brasileira de cancerologia, 2007; 53(3):335-43. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo>. Acesso em Ago. 2017.

Nicida LRA. História da política de prevenção e controle do câncer no Amazonas, 1974 – 2011. 2015. 147 f. Dissertação (Mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na Amazônia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2015.

Facina T. Estimativa 2014–Incidência de Câncer no Brasil. Rev Bras Cancerol, 2014;60(1). Disponível em <http://www.scielo.br>. Acesso em: Ago. 2017.

Silva RCV, Cruz EA. Planejamento da assistência de enfermagem ao paciente com câncer: reflexão teórica sobre as dimensões sociais. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro 2011 mar; 15(1):180-5. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo> Acesso em: Out. 2017.

Barreto TS, Amorim RC. A família frente ao adoecer e ao tratamento de um familiar com câncer. Rev Enferm UERJ, 2010;18(3):462-7.

Ribeiro, WA; Mariano, ES; Cirino, HP; Teixeira, JM; Martins, LM; Andrade, M. Educação em saúde aos portadores de hipertensão arterial e diabete mellitus na Estratégia Saúde da Família. Revista Pró- UniverSUS. 2017 Jun./Dez; 08(2):110-14.

Ribeiro WA, Martins LM, Couto CS, Cirino HP, Teixeira JM, de Almeida VLA. Práticas educativas do enfermeiro na prevenção da gravidez na adolescência: estratégias e perspectivas. Revista Pró-UniverSUS. 2017 Jul./Dez; 08(2):58-62.

Gil, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

Oliveira MCL, Firmes MPR. Sentimentos dos profissionais de enfermagem em relação ao paciente oncológico. REME rev. min. enferm, 2012;16(1):91-7. Disponível em:< http://redalyc.org/articulo.> Acesso em: Set. 2017.

Avanci BS et al. Cuidados paliativos à criança oncológica na situação do viver/morrer: a ótica do cuidar em enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm, 2009;13(4)708-16.

Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos de Metodologia Científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Marcon SS et al. Estratégias de cuidado a famílias que convivem com a doença crônica em um de seus membros. Cienc cuid saude. 8:70-8.

Souza MGG, Fátima HES. O Olhar que Olha o Outro... Um Estudo com Familiares de Pessoas em Quimioterapia Antineoplásica. Rev bras de Canc, 2008;54(1):31-41.

Stumm EMF, Miladi E et al. Vivências de uma Equipe de Enfermagem no Cuidado a Pacientes com Câncer, Paraná, COGITARE, 2008 Jan/Mar;13. Disponível em:< http://redalyc.org/articulo.> Acesso em: Ago. 2017.

Mendes JÁ, Lustosa MA, Andrade MCM. Paciente terminal, família e equipe de saúde. Rev. SBPH, Rio de Janeiro 2009, jun.;12(1):151-73. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo>. Acesso em Set. 2017.

Santos IMM, Santos RS. A etapa de análise no método história de vida – Uma experiência de pesquisadores de enfermagem. Revista Texto e Contexto Enfermagem. Florianópolis. 2008;17(4).

Menezes MFB et al. Câncer, pobreza e desenvolvimento humano: Desafios para a assistência de enfermagem em oncologia. Revista Latino Americano de Enfermagem. 2007;28. Disponível em: < http://www.eerp.usp.br/rlae> Acesso em Jul 2017.

Zacché AL, Iglesias A, Fernandes VP. Sofrimento psíquico em trabalhadores de enfermagem de uma unidade de oncologia. Psicologia em estudo, 2007;12(3).

Mansano-Schlosser TC, Ceolim MF. Qualidade de vida de pacientes com câncer no período de quimioterapia. Texto & Contexto Enfermagem, 2012;21(3). Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo> Acesso em: Set. 2017.

Silva MEDC, Silva LDC, Dantas DOR, Duarte IS, Souza JFM. Assistência de enfermagem ao paciente oncológico no hospital: Revisão Integrativa. Rev Enferm UFPI. 2014; 2(nºesp.):69-7. Disponível em: < http://www.ojs.ufpi.br/index. php/reufpi/article/view/1359 > Acesso em Set. 2017.

Ferreira NML et al. Câncer e família: compreendendo os significados simbólicos. Ciência, Cuidado e Saúde, 2010;9(2)269-77.

Publicado
2019-06-28
Seção
Enfermagem