Os efeitos da laserterapia de baixa potência na cicatrização de lesões por pressão.

Resumo

A lesão por pressão (LP) é uma complicação frequente no ambiente intra-hospitalar principalmente em pacientes acamados, levando a consequências como aumento no tempo de internação, infecções, retardo na recuperação e até óbito. A incidência global de LP em pacientes hospitalizados varia de 2,7 a 29%, e esse número pode elevar-se para 33% em pacientes internados em UTI. Uma alternativa no tratamento das LPs é a LBP por suas propriedades terapêuticas para a cicatrização, e uma vez usadas como um tratamento coadjuvante ao convencional apresenta grandes vantagens para o enfermeiro, pois se trata de um tratamento indolor, prático e acarreta na redução de custos. O objetivo dessa revisão é avaliar o reparo tecidual de LP através da LBP, visando inseri-la no contexto hospitalar. Foram publicados artigos nos anos de 1999, 2004, 2003 e entre 2006 e 2018, nas línguas portuguesa e inglesa, que contivessem dados sobre a laserterapia de baixa potência em lesões por pressão. A LBP pode ser usada pelo enfermeiro, desde que o mesmo seja capacitado, e pode ser indicado como coadjuvante no tratamento de LP. É necessário mais estudos na área sobre os parâmetros utilizados na terapia, tais como, dose, potência, comprimento de onda e tempo de irradiação.

Biografia do Autor

João Pedro da Motta Mendes, Universidade de Vassouras

Acadêmico do Curso de Enfermagem

Eduardo Tavares Lima Trajano, Universidade

Professor Doutor. Docente do Curso de Enfermagem da Universidade de Vassouras

Referências

Alencar GSA et al. Lesão por pressão na unidade de terapia intensiva: incidência e fatores de riscos. Rev. Nursing, v. 21, n. 239, p. 2124-2128, 2018.

Borghardt, AT et al. Pressure ulcers in critically ill patients: incidence and associated factors. Revista Brasileira de enfermagem, v. 69, n. 3, p. 460-467, 2016.

Rocha, JÁ; Miranda MJ; Andrade MJ. Abordagem terapêutica das úlceras de pressão: intervenções baseadas na evidência. Acta Med Port, v. 19, n. 1, p. 29-38, 2006.

Moore, Z; Cowman, S. Risk assessment tools for the prevention of pressure ulcers. Cochrane Database of Systematic Reviews, n. 2, 2014.

Chou, R et al. Pressure ulcer risk assessment and prevention: a systematic comparative effectiveness review. Annals of Internal Medicine, v. 159, n. 1, p. 28-38, 2013.

Silva, DRA et al. Curativos de lesões por pressão em pacientes críticos: análise de custos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 51, p. 03231, 2017.

Henriques, ACG; Cazal, C; De Castro, JFL. Ação da laserterapia no processo de proliferação e diferenciação celular: revisão da literatura. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 37, n. 4, p. 295-302, 2018.

Andrade, FSSD; Clark, RMO; Ferreira, ML. Efeitos da laserterapia de baixa potência na cicatrização de feridas cutâneas. Rev. Col. Bras. Cir., v. 41, n. 2, p. 129-133, 2014.

Lomba L, Bessa R, Santos S. Localização e medidas preventivas de úlceras de pressão em idade pediátrica: revisão integrativa da literatura. Rev Cuid. 2015; 6(2): 1085-93

Louro, M; Ferreira, M; Povoa, P. Avaliação de protocolo de prevenção e tratamento de úlceras de pressão. Rev. bras. ter. intensiva, vol.19, n.3, pp.337-341, 2007

Santos, JB et al., Manual de avaliação e tratamento de feridas: orientações aos profissionais de saúde. Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2011. Acesso em 6 setembro 2018. Disponível em: (https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/34755/000790228.pdf)

Olkoski, E; Assis, GM. Aplicação de medidas de prevenção para úlceras por pressão pela equipe de enfermagem antes e após uma campanha educativa. Escola Anna Nery, v. 20, n. 2, p. 363-369, 2016.

Araújo, TM; Araújo, MFM; Caetano, JA. Comparison of risk assessment scales for pressure ulcers in critically ill patients. Acta Paulista de Enfermagem, v. 24, n. 5, p. 695-700, 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS Nº 336, 19 de fevereiro de 2002, que regulamenta o funcionamento dos Centros de Atenção Psicossocial - CAPS, para atendimento público em saúde mental. Brasília, MS, 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html.

Publicado
2019-06-29
Seção
Enfermagem