Estudo histórico da febre amarela no Brasil com enfoque o Estado do Rio de Janeiro e o papel do enfermagem frente a doença.

Resumo

O trabalho a seguir teve como objetivo fazer um breve histórico da febre amarela ressaltando a sua incidência no Brasil e no Estado do RJ considerando o surto de 2016 a 2018. Através de uma pesquisa com abordagem qualitativa e caráter descritivo. O controle da doença tornou-se complexo por depender de ações, como, por exemplo, o saneamento básico, limpeza urbana e a educação, portanto, concluiu-se que a vacina é a principal medida de prevenção em humanos, já que, é eficaz, além de ser oferecida gratuitamente pelo governo brasileiro, além das medidas profiláticas que devem ser mantidas através da conscientização da população para que a doença não ressurja.

Biografia do Autor

Evelyn Franco e Silva, Universidade de Vassouras
Acadêmico do Curso de Enfermagem, Universidade de Vassouras. RJ.
Sebastião Jorge da Cunha Gonçalves, Universidade de Vassouras
Mestre. Professor do Curso de Enfermagem, Universidade de Vassouras. RJ.

Referências

Benchimo J. Febre amarela: a doença e a vacina, uma história inacabada. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2001. 469 p.

Boletim Epidemiológico Febre Amarela no estado do Rio de Janeiro. Disponível em http://www.febreamarelarj.com.br/dados Boletim epidemiológico acessado dia 10 de out. de 2018.

Fraga CA. Febre amarela no Brasil. Notas e documentos de uma grande Epidemia Sanitária. Rio de Janeiro: Revista Brasil Medico N.39. 27 de setembro de 1930. pp. 1081-1087.

Franco O. História da febre amarela no Brasil. Rio de Janeiro: Superintendência de Campanhas de Saúde Pública, Ministério da Saúde; 1969.

Brasil. Ministério da Saúde. Informe 21. Disponível em http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/abril/12/Informe-FA-21-11abr18-c.pdf Acessado dia 18 de agosto de 2018 às 21h.

Mynaio MCS. Pesquisa social Teoria método e criatividade. 2a. Edição. Rio de Janeiro: Vozes, 1993. 80p.

Guerra HL, Sardinha TM, Rosa APAT, Costa, MFL. Efetividade da vacina antiamarílica 17D: uma avaliação epidemiológica em serviços de saúde, Revista Panam Salud Publica, 1997, pag.115-120.

Publicado
2019-06-30
Seção
Enfermagem