A falta do protagonismo da mulher no trabalho de parto - parto e nascimento

Resumo

Objetivo: Investigar a percepção das mulheres sobre o trabalho de parto, parto e nascimento e a relação desses momentos com os cuidados recebidos pela assistência de saúde, na tentativa de compreender suas vivências e experiências. Metodologia: Utilizou-se para esse estudo um método de caráter descritivo, com pesquisa de campo quanti-qualitativa realizada por meio de entrevista semi-estruturada com 30 mulheres que passaram pela experiência de trabalho de parto, parto e nascimento no município de Vassouras/RJ. Resultados: A partir da análise dos dados pode-se perceber a insatisfação da mulher com a assistência recebida durante o trabalho de parto, parto e nascimento, frequentes episiotomias sem autorização, pressão psicológica, protagonismo médico no parto, medicalização desnecessária além de assistência desumanizada. Conclusão: Concluiu-se que a percepção das mulheres sobre as experiências do parto não é uma experiência positiva. E que embora o nascimento de um filho seja um momento especial na vida delas, é um momento que fica marcado também pela falta de humanização por parte de alguns profissionais da saúde.

Biografia do Autor

Letícia do Nascimento Freire, Universidade de Vassouras
Acadêmica do Curso de Enfermagem da Universidade de Vassouras, RJ.
Geísa Sereno Velloso da Silva, Universidade de Vassouras
Enfermeira. Mestrado em Enfermaem pela Escola Anna Nery - UFRJ

Referências

Brasil.Ministério da Saúde. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília, MS, 2001.

Leifer G. Enfermagem Obstétrica. Elsevier Brasil, 5 de set de 2014 - 480 páginas

Ministério da Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal. Brasília, MS, 2017.

Souza CM, Ferreira CB, Barbosa NR, Marques JF. Equipe de enfermagem e os dispositivos de cuidado no trabalho de parto: enfoque na humanização. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online [periódico online] 2013, 5(4): 743-54p

COMITÊ LATINO AMERICANO E DO CARIBE PARA A DEFESA DOS DIREITOS DA MULHER. Instituto para Promoção da Equidade, Assessoria, Pesquisa e Estudos. Convenção Interamericana para prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher, ‘Convenção Belém do Pará’. São Paulo: KMG, 1996.

Freire LN, Silva GSV. As experiências do trabalho de parto, parto e nascimento sob a perspectiva da mulher. [monografia]. Vassouras (RJ): Universidade de Vassouras; 2018.

DIP Andrea. Na hora de fazer não gritou, 2013. Disponível em: http://www.carta capital.com.br/autores/sociedade/na-hora-de-fazer-nao-gritou

Publicado
2019-06-28
Seção
Artigos