Vivência dos profissionais de enfermagem perante a morte neonatal

Resumo

Objetivo: Compreender a percepção dos profissionais de enfermagem frente à morte de recém-nascidos em UTIN. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa exploratória, de campo, com metodologia qualitativa. Foram participantes da pesquisa 17 profissionais do quadro de enfermagem de uma UTI neonatal, sendo 05 enfermeiros e 12 técnicos de enfermagem. A coleta de dados foi realizada no mês de setembro de 2018 através de uma entrevista semi-estruturada contendo perguntas abertas e fechadas relacionadas ao tema, após parecer de aprovação n° 2.904.499, CAAE 91426218.1.0000.5290. Resultados: A partir da análise de dados pode-se perceber que os profissionais de enfermagem ao lidarem com o óbito neonatal desenvolvem sentimentos considerados negativos como, por exemplo, tristeza, decepção e frustração. Ao desenvolverem tais sentimentos métodos de enfrentamento são utilizados pelos profissionais para auxiliarem no momento de luto, como o uso da religiosidade, sendo considerada uma estratégia para amenizar o sofrimento do profissional. Conclusão: Conclui-se que é necessário manter um olhar diferenciado para os profissionais de enfermagem que atuam em UTIN, visto que o ambiente é considerado complexo e que desenvolve nos profissionais conflitos emocionais durante sua vivência, o que pode vir a trazer prejuízos para a sua saúde.

Biografia do Autor

Gabriela Rocha Lima, Universidade de Vassouras
Acadêmica do Curso de Enfermagem da Universidade de Vassouras, RJ.
Jannaina Shter Leite Godinho Silva, Universidade de Vassouras
Mestre. Professora do Curso de Enfermagem da Universidade de Vassouras, RJ.

Referências

Lima RD, Junior JAC. O processo de morte e morrer na visão do enfermeiro. Revista Ciência & Saberes-Facema, v.1, n.1, p. 25-30, 2015.

Santos YS, Jesus LC, Portella SDC. A enfermagem e a abordagem da morte infantil: um estudo de trabalhos qualis A. Revista Enfermagem Contemporânea, v.2, n.1, 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 930 de 10 de maio de 2012. Define as diretrizes e objetivos para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente grave e os critérios de classificação e habilitação de leitos de Unidade Neonatal no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 2012.

Inácio AFL. O profissional de enfermagem frente à morte do recém-nascido em UTI neonatal. J. Health Sci. Inst, v. 26, n. 3, p. 289-293, 2008.

Daniel, VP; Silva, JSLG. A Enfermagem e sua colaboração na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista PróUniverSUS. 2017 Jan./Jun.; 08 (1): 03- 07.

Menin GE, Pettenon MK. Terminadlidade da vida infantile: percepções e sentimentos de enfermeiros. Revista Bioética, v.23, n.3, 2015.

Lima GR, Silva JSLG. O processo de morte e morrer em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: percepção dos profissionais de enfermagem. [monografia]. Vassouras (RJ): Universidade de Vassouras; 2018.

Scarton J. Enfermagem: a morte e o morrer em unidade de terapia intensiva pediátrica e neonatal. Revista de enfermagem UFPE online- ISSN: 1981-8963, v. 7, n 10, p. 5929-5937, 2013.

Silva IN. Conhecendo as práticas de cuidado da equipe de enfermagem em relação ao cuidado na situação final de vida de recém-nascidos. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v.21, n.4, p.1-8, 2017.

Souza e Souza LP. . A morte e o processo de morrer: sentimentos manifestados por enfermeiros. Enfermaría Global, v. 12, n.32, p.222-229, 2013.

Rocha MCP. A experiência do enfermeiro no cuidado paliativo ao neonato/criança: a interface com o processo de morrer e do luto. Saúde em Revista, v. 15, n. 40, p.37-48, 2015.

Araújo SAN, Bellém KF. . O processo de morte na unidade de terapia intensiva neonatal. ConScientiae Saúde, vol. 9, num. 2, 2010, pp. 290-299.

Publicado
2019-06-28
Seção
Artigos