Enfermeiro protagonista na educação em saúde para o autocuidado de pacientes com doenças renal crônica

  • Wanderson Alves Ribeiro
  • Marilda Andrade Universidade Federal Fluminense
  • Bruna Porath Azevedo Fassarella Universidade de Vassouras
  • Pedro Paulo Correa Santana Universidade Federal Fluminense
  • Priscila Antunes Figueira da Silva Costa UNIG
  • Maicon Costa de Morais FAVENI
Palavras-chave: Autocuidado, Doença Renal Crônica, Educação em Saúde, Enfermagem

Resumo

A doença renal crônica (DRC), caracterizada pela perda gradativa da função renal de maneira insidiosa e assintomática, surge neste cenário como um relevante problema de saúde pública mundial, decorrente do crescimento expressivo de sua prevalência, impactos de suas complicações crônicas e elevado custo social e econômico. Tem-se como objetivo descrever as atribuições do enfermeiro no processo de educação em saúde do paciente com doença renal crônica. Trata-se de uma revisão bibliográfica de abordagem qualitativa. Para tal utilizou-se a Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), nas seguintes bases de informações: LILACS; MEDLINE e SCIELO no período de março a julho de 2017, além de material impresso como livros e artigos de revistas periódicas da saúde. Neste cenário, exige-se que enfermeiro desenvolve habilidades relacionadas à comunicação e interação, aonde a assistência ao paciente com doença renal crônica em hemodiálise vai além das máquinas e das atividades administrativas. Conclui-se que o enfermeiro pode contribuir com intervenções preventivas e educativas, ao ponto de sensibilizar os pacientes sobre a importância da conscientização referente ao autocuidado, no que tange a adesão ao tratamento de forma adequada e ainda, aderir um as estratégias abordadas durantes as rodas de conversas que serão realizadas.

Biografia do Autor

Wanderson Alves Ribeiro
Enfermeiro. Mestrando Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde pela Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da UFF, Niterói/RJ. Docente do Curso de Graduação da UNIG. Preceptor Acadêmico do Curso de Graduação em Enfermagem da UNIABEU.
Marilda Andrade, Universidade Federal Fluminense
Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Vice-Diretora, Professora Associada Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa da UFF, Niterói/RJ.
Bruna Porath Azevedo Fassarella, Universidade de Vassouras
Enfermeira. Mestranda em Ciências Aplicadas em Saúde da Universidade de Vassouras
Pedro Paulo Correa Santana, Universidade Federal Fluminense
Enfermeiro. Doutorando em Ciências do Cuidado em Saúde pela Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense – Niterói/RJ. Professor Assistente do Centro Universitário Anhanguera de Niterói.
Priscila Antunes Figueira da Silva Costa, UNIG
Enfermeira. Preceptora do Curso de Graduação em Enfermagem da UNIG; Pós-Graduada em Saúde da Família pela UNESA; Pós-Graduanda em Docência do Ensino Superior com ênfase em EAD.
Maicon Costa de Morais, FAVENI
Enfermeiro. Pós-Graduando em CTI Pediátrico e Neonatologia (FAVENI); Pós-Graduando em Terapia Intensiva e Emergência (Celso Lisboa).

Referências

Fermi, M.R.V. Manual de diálise para enfermagem. Editora Medsi; 2003.

Smeltzer SC, Bare BG. Brunner & Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico Cirúrgica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.

Roso CC, Beuter M, Brondani CM et al. O autocuidado de doentes renais em tratamento conservador: uma revisão integrativa. R. pes.: cuid. fundam. online 2013. 5(5): 102-10. Disponível em http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/1524/pdf_1004

Romão Junior JE. Doença Renal Crônica: Definição, Epidemiologia e Classificação. J Brás Nefrol. 2004 ago.; XXVI (3 Supl. 1): S1-3.

MENEZES, C.L; MAIA, E.R; JUNIOR, J.F.L. O Impacto da hemodiálise na vida dos portadores de insuficiência renal crônica: uma análise a partir das necessidades humanas básicas. Revista Nursing 2007. 10(115): 570-576. Disponível em: http://www.bib.unesc.net/arquivos/90000/91500/11_91545.htm

CARDOSO, F.C; FARIA, H.P; SANTOS, M.A. Módulo 3: Planejamento e avaliação das ações de saúde. Belo Horizonte. Editora: UFMG-Nescon UFMG; 2008. Disponível em:http://www.nuteds.ufc.br/curso/cesf/plan_aval/aula_05/material_complementar/CESF_Impressao_PLAN_AVAL_Aula_05.pdf.

OREM, D.E., Nursing; concepts of practice. 5th ed. St. Louis: Mosby, 1991.

WALDOW, V.R; LOPES, M.J.M; MEYER, D.E. Maneiras de cuidar e maneiras de ensinar: a enfermagem entre a escola e a prática profissional. Porto Alegre: Artmed;1995 apud MOREIRA, A.G.M; ARAÚJO, S.T.C; TORCHI, T.S. 2013. Enfermagem: cuidados para preservação de fístula arteriovenosa. Esc Anna Nery. 17(2): 256- 262.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

SCHALL, V.T; STRUCHINER, M. Educação em saúde: novas perspectivas. Cad. Saúde Pública [online]. 1999. 17(12) Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v15s2/1282.pdf

SOUZA, A. C; COLOMÉ, I.C.S; COSTA, L.D; OLIVEIRA, D.L.L. A educação em saúde com grupos na comunidade: uma estratégia facilitadora da promoção em saúde. Rev. Gaúcha Enferm. Porta Alegre. 2005. 6(2):147 – 153. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/23558/000560718.pdf?...1

RESENDE, M.G.A. Atuação do enfermeiro da estratégia saúde da família na abordagem da educação em saúde com crianças e adolescentes no município de Conceição das Alagoas – MG. Nescon Biclioteca Virtual. 2010. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/2755.pdf

FREIRE, P. Educação e mudança. 8.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1983, p. 79.

CALDERAN, C; TORRES, A.A.P; ZILLMER, J.G.V et al. Práticas de autocuidado de pessoas com insuficiência renal crônica submetidas à diálise peritoneal ambulatorial contínua. R. pesq.: cuid. fundam. online 2013. 5(1): 3394-02. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/2030/pdf_699.

Publicado
2018-12-21