Síndrome de Burnout em profissionais da enfermagem que atuam na Unidade de Terapia Intensiva

  • Sabrina Confort de A Amorim Universidade Severino Sombra
  • Hugo Viana de Souza Universidade Severino Sombra

Resumo

Síndrome de Burnout é consequente e prolongados níveis de estresse no trabalho e exaustão emocional, distanciamento das relações pessoais. Por outro lado a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é um ambiente onde são atendidos pacientes gravemente acometidos. A UTI é vista como um lugar, traumatizante, tenso e agressivo, podendo levar a síndrome de Burnout na equipe de enfermagem. Este estudo buscou identificar as causas do estresse na vida do enfermeiro em ambiente hospitalar; descrever os sintomas mais comuns apresentados pelos enfermeiros, em consequência do estresse, e descrever como os enfermeiros lidam com o estresse na sua rotina de trabalho, em ambiente hospitalar, mais precisamente na UTI. Metodologia, trata-se de um estudo reflexivo, utilizou-se artigos científicos publicados, sendo selecionados artigos de revistas brasileiras de Enfermagem, bem como livros. Os resultados mostraram que a enfermagem foi apontada como uma das mais estressantes profissões e tiveram como fatores geradores de estresse, as precariedades das condições de trabalho, a diversificação de setores e suas altas complexidades, dupla jornada de trabalho, qualidade de sono e relações interpessoais conflituosas. Concluiu-se que o ambiente hospitalar, como a UTI, por si só, deve ser considerado um gerador de estresse onde suas repercussões não são apenas físicas, mas também psicológicas e saber reconhecê-las é o primeiro passo para o diagnóstico de estresse ocupacional, assim a realização de intervenções necessárias.

Biografia do Autor

Sabrina Confort de A Amorim, Universidade Severino Sombra
Enfermeira. Pós-Graduanda do Curso de Especialização em Enfermagem em UTI - Universidade Severino Sombra/USS.
Hugo Viana de Souza, Universidade Severino Sombra
Enfermeiro. Especialista em CTI. Enfermeiro Intensivista no Hospital Universitário de Vassouras-HUV/USS. Professor do Curso de Especialização em Enfermagem em UTI/USS.

Referências

Meneghini F, Paz AA, Lautert L. Fatores ocupacionais associados aos componentes da síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem. Texto contexto, Florianópolis, 2011 abril-junho; 20(2):225-233.

Franco GP, Barros ALBL, Nogueira-Martins LA, Zeitoun SS. Burnout em Residentes de Enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2011; 45(1):130-141.

Marziale MHP, Silva DMPP. Problemas de saúde responsáveis pelo absenteísmo de trabalhadores de enfermagem de um hospital universitário. Acta Scientiarum: Health Sciences, 2003; 25(2):191-197, 2003.

Leite MA, Vila VSC. Dificuldades vivenciadas pela equipe multiprofissional na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Latinoam Enferm. 2005;13:145-50.

Jodas DA, Haddad MCL. Síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem de um pronto socorro de hospital universitário. Acta Paulista de Enfermagem. São Paulo. 2009; 22(2):110-120.

Moreira DS, Magnago RF, Sakal TM, Magajewski FRL. Prevalência da Síndrome de Burnout. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2009; 25(7):13-22.

Murofuse NT, Abranches SS, Napoleão AA. Reflexões sobre estresse e Burnout e a relação com a Enfermagem. Rev Latinoam Enferm. 2005;13:255-261.

Martins MCA. Situações indutoras de stress no trabalho dos enfermeiros em ambiente hospitalar. Millenium – Revista do ISPV. [Online]. 2003 out; 28. Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/millenium30

Passos, JP; de Moraes, LP; Ferreira, JS; Pereira, EAA; Souza, MMT; Vieira, BGM. Causas de acidentes com material biológico no trabalho de enfermagem. Revista Pró-UniverSUS. 2017 Jan./Jun.; 08 (1): 26-30.

Griep RH, Rotenberg L, Landsbergis P, Vasconcellos-Silva PR. Uso Combinado do Modelo de Estresse no Trabalho e a Saúde Autoreferida na Enfermagem. Revista da saúde Pública. São Paulo. 2011; 45(1): 145-152.

Moreno FN. Estratégias e intervenções no enfrentamento da Síndrome de Burnout. Revista de enfermagem. UERJ, Rio de Janeiro, jan/mar. 2011;19(11):40-50.

Vallois EC, Silva RMCRA, Pereira ER. A percepção do residente aos estressores e as reações de estresse: implicações da fenomenologia de Maurice Merleau Ponty. Revista Pró-UniverSUS. 2017 Jul./ Dez.; 08 (2): 140-141.

Leitão IMTA, Fernandes AL, Ramos IC. Saúde ocupacional: analisando os riscos relacionados a equipe de enfermagem numa unidade de terapia intensiva. Cienc Cuid Saúde 2008; 7(4): 476-84.

Bridi AC, Silva RCL, Louro TQ. Alarmes clínicos em terapia intensiva: implicações da fadiga de alarmes para a segurança do paciente. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2014 nov.-dez.;22(6):1034-40.

Rodrigues TDF. Fatores estressores para a equipe de enfermagem da Unidade de Terapia Intensiva. Reme – Rev. Min. Enferm. 2012 jul./set.;16(3): 454-462.

Publicado
2018-12-21
Seção
Trabalhos de Pós-Graduação