A Psicoterapia no Enfrentamento da Doença Psicossomática:

a Psoríase em questão

  • Joyce Martins Costa D’Ávila Universidade de Vassouras
  • Fátima Niemeyer da Rocha Universidade de Vassouras

Resumo

A psoríase é considerada uma enfermidade auto inume de etiologia desconhecida. Se manifesta na pele e sua evolução é bastante variada. A literatura apresenta que a genética, os aspectos psicológicos e o estresse são fatores desencadeantes e responsáveis pelo agravamento do quadro clínico do paciente. Devido à complexidade da terapêutica e pela sua reincidência, a psoríase é considerada uma doença psicossomática. O artigo tem por objetivo discutir a necessidade de um atendimento voltado para as fragilidades psíquicas da pessoa com psoríase. Nesse sentido, a terapia cognitivo-comportamental é um recurso que muito pode contribuir para o enfrentamento da afecção. Por meio da terapia cognitivo-comportamental, o psicoterapeuta pode ajudar o paciente com psoríase a enfrentar as tensões internas e externas com as quais precisa lidar e auxiliá-lo a modificar seus pensamentos, crenças e comportamentos disfuncionais.

Biografia do Autor

Joyce Martins Costa D’Ávila, Universidade de Vassouras

Graduanda do Curso de Psicologia da Universidade de Vassouras.

Fátima Niemeyer da Rocha, Universidade de Vassouras
Possui doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, mestrado em História pela Universidade Severino Sombra, Vassouras-RJ, especialização em Psicologia Social pela Fundação Getúlio Vargas/Rio de Janeiro-RJ, e graduação em Psicologia pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora-MG. Atualmente, é professora titular e exerce a função de Coordenadora Adjunta da Pós-Graduação Lato Sensu, da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, na Universidade de Vassouras. Tem experiência docente nos níveis de graduação e de pós-graduação, com desenvolvimento de pesquisas na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, principalmente, nos seguintes temas: psicologia positiva, qualidade de vida, bem-estar subjetivo e felicidade.
Publicado
2019-10-23
Seção
Primeiros Escritos