Utilização de videogames na melhoria das condições de saúde físico-mental de pacientes crônicos e de intervenção médica prolongada

  • Francisco Bruno Maciel Universidade de Vassouras (Vassouras - RJ)
  • Suely Cristina de Souza Fernandes Crahim Universidade de Vassouras (Vassouras - RJ)
Palavras-chave: saúde mental, psicologia hospitalar, videogames, saúde

Resumo

Os videogames passaram a ser parte importante da indústria de entretenimento a partir da explosão em popularidade na década de 1980. Ainda assim a exploração dos benefícios da sua utilização só veio a ser estudada, anos mais tarde. Nas últimas décadas diversas pesquisas surgiram ao redor do mundo evidenciando potenciais benefícios dos jogos eletrônicos, em especial no meio hospitalar que, dada as suas características como, seriedade, urgência, pragmatismo, envolvimento com doenças e a mortalidade, entre outrasfavorece o surgimento de pressões e prejuízos psicológicos. Passou ainda a ser entendimento comum, que a estrutura psicológica tem papel ativo na saúde fisiológica e condicionante, como depressão e estresse, causam dano tangível no tecido biológico. Nesse ponto os videogames podem ofertar um contraponto através do escapismo, diversão e engajamento podendo agir afim na recuperação e manutenção da saúde de pessoas inseridas no meio hospitalar.

Biografia do Autor

Francisco Bruno Maciel, Universidade de Vassouras (Vassouras - RJ)
Psicólogo, graduado pela Universidade Severino Sombra, pós-graduando em Psicologia Hospitalar e da Saúde pela Universidade de Vassouras (Vassouras-RJ, Brasil).
Suely Cristina de Souza Fernandes Crahim, Universidade de Vassouras (Vassouras - RJ)
Pedagoga; Mestra em Educação Matemática; Especialista em Psicopedagogia pela Universidade Severino Sombra; Professora do Curso de Graduação em Psicologia e Pedagogia da Universidade de Vassouras e Coordenadora do Núcleo de Apoio Psicopedagógico da Universidade de Vassouras (Vassouras/RJ, Brasil).

Referências

ALVES, L. CARVALHO, A. M. Videogame: é do bem ou do mal? Como orientar pais, Revista Psicologia em Estudo, Maringá, v. 16, n. 2, p. 251-258, 2011, disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-73722011000200008&script=sci_abstract&tlng=pt, acesso: 09/01/2018

CARRAS, M. C. ROOJI, A. J. V. SPRUIJT-METZ, D. KEVDAR, J. GRIFFITHS, M. D. CARABAS, Y. LABRIQUE, A. Commercial video games as therapy: a new research agenda to unlock the potential of a global pastime, Revista Online Frontiers in Psychiatry, v. 8, 2018, disponível em: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fpsyt.2017.00300/full, acesso: 11/01/2019

CARR, D. B. EISENBERG, E. FRICTON, J. R. GIAMBERNARDINO, M. A. GOH, C. R. JADAD, A. R. LIPKOWSKI, A. W. McGRATH, P. A. SHARIF, M. SJOLUND, B. H. SMITH, M. T. WITTINK, M. T. Pain and Philosophy of the Mind, International Association For The Study of Pain, Seattle, vol. XV, n. 02, 2007

CERANOGLU, T. A. Video Games in Psychotherapy, Review of General Psychology, Massachusetts, v. 14, n. 2, p. 141-146, 2010, disponível em: https://www.apa.org/pubs/journals/releases/gpr-14-2-141.pdf, acesso: 28/08/2018

DAS, D. A. GRIMMER, K. A. SPARNON, A. L. McRAE, S. E. THOMAS, B. H. The efficacy of playing a virtual reality game in modulating pain for children with acute burn injuries: A randomized controlled trial, BMC Pediatrics, vol. 5, 2005, disponível em http://www.biomedcentral.com/1471-2431/5/, acesso: 03/12/2018

GIL. A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social, 6ª Ed. São Paulo, Editora Atlas, 2008

GUIMARÃES, T. B. ARAÚJO, T, C. C. F. Intervenção Psicoeducativa com Uso de Jogos Eletrônicos: Um Estudo com Familiares de Pacientes Oncológicos, Revista Brasileira de Enfermagem, vol. 68, 2015, disponível em http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680303i, acessado em: 12/12/2018.

KATO, P. M. Video Games in Health Care: Closing the Gap, Review of General Psychology, v. 14, n. 2, p. 113-121, Utrecht, 2010, disponível em: https://www.apa.org/pubs/journals/releases/gpr-14-2-113.pdf, acesso: 19/09/2018.

KENT. S. The Ultimate History of Videogames: From Pong to Pokémon and Beyond: the Story Behind the Craze that Touched Our Lives and Changed the World, Nova York, Prima, 2001.

MARKEY, P. M. FERGUSON, C. J. Moral Combat: Why the War on Violent Video Games Is Wrong, Dallas, BenBella Books, 2017.

MILANESI, K. COLLET, N. OLIVEIRA, B. R. G. VIEIRA, C. S. Sofrimento Psíquico da Família de Crianças Hospitalizadas, Revista Brasileira de Enfermagem, Cascavel, vol. 59, n. 02, p. 769-774, 2006, disponível em: www.scielo.br/scielo.php?pid=s0034-71672006000600009&script=sci_abstract&tlng=es, acesso: 03/09/2018.

MILLER, A. H. RAISON, C. L. The Role of Inflammation in Depression: From Evolutionary Imperative to Modern Treatment Target, National Review Immunol, v. 16. N. 1, p. 22-34, 2016, disponível em https://www.nature.com/articles/nri.2015.5#article-info, acesso: 02/01/2019.

NASCIMENTO, D. C. H. SAKATA, R. K. Dependência de opioide em pacientes com dor crônica, Revista Dor., São Paulo, vol: 12, n. 2, p. 160-165 , 2011, disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rdor/v12n2/v12n2a13.pdf, acesso: 24/09/2018.

O’CONNOR, T. J. COOPER, R. A. FITZGERALD, S. G. DVORZNAK, M. J. BONINGER, M. L. VANSICKLE, D. P. GLASS, L. Evaluation of a Manual Wheelchair Interface to Computer Games, Neurorehabilitation and Neural Repair, vol. 14, n. 1, p. 21-31, 2000, disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/154596830001400103, acesso: 02/01/2019.

ORNELLAS, C. P. Os Hospitais: Lugar de Doentes e Outros Personagens Menos Referenciados, Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, vol. 51, n. 02, p. 253-362, 1998, disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0034-71671998000200007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt, acesso: 21/09/2018.

ROCHA, P. R. DEFAVARI, A. H., BRANDÃO, P. S. Estudo da Viabilidade da Utilização do Kinect como Ferramenta no Atendimento Fisioterapêutico de Pacientes Neurológicos, SBC – Procedings of SBGAMES, Brasília, 2012, disponível em http://www.sbgames.org/sbgames2012/proceedings/papers/gamesforchange/g4c-04.pdf, acesso: 17/01/2019.

SERRA, M. V. G. B. HIRAGA, C. Y. H. QUEMELO, P. R. V. VASSIMON, H. S. TONELLO, M. G. M. GAMETERAPIA COMO PRÁTICA TERAPEUTICA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS, The Fiep Bulletin Online, v. 86, 2016, disponível em: http://www.fiepbulletin.net/index.php/fiepbulletin/article/view/86.a1.85/0, acesso: 02/01/2019.

SILVA, L. F. CABRAL, I. E. O Resgate do Prazer de Brincar da Criança com Câncer no Espaço Hospitalar, Revista Brasileira de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 68, n. 3, p. 337-42, 2015, disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n3/0034-7167-reben-68-03-0391.pdf, acesso: 29/11/2018.

SIMON, P. Death By Video Game: Tales of obsession from the virtual frontline, Londres, Serpent’s Tail, 2015.

SPERONI, A. V. O Lugar da Psicologia no Hospital Geral, Revista SBPH (Online), Belo Horizonte, vol. 09, n2, 2006, disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1516-08582006000200006&lng=pt&nrm=iso, acesso em: 09/10/2018.

SUZUKI, F. T. I. MATIAS, M. V. SILVA, M. T. A. OLIVEIRA, M., P., M., T., O uso de videogames, Jogos de Computador e Internet por uma Amostra de Universitários da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009, disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v58n3/04.pdf, acesso: 12/12/2018.

VIDEOGAMES, Dicionário Michaelis Online, 2019, disponível em: http://michaelis.uol.com.br/busca?id=YkXVd, acesso: 28/03/2019.

VASTERLING, J. JENKINS, R. A. TOPE, D. M. BURISH, T. G. Cognitive distraction and relaxation training for the control of side effects due to cancer chemotherapy, Journal of Behavioral Medicine, vol. 16, n. 1, p. 65-80, 1993, disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8433358, acesso: 12/02/2019.

TELES, G. G. A. BASTOS, J. A. V. AMARY, A., RUFATO, L. A. RITTY, R. S. BROGLIO, L. A. P. SOUZA, L. S. Tratamento de queimadura de segundo grau superficial em face e pescoço com heparina tópica: estudo comparativo, prospectivo e randomizado, Revista Brasileira Cirurgia Plástica, vol. 27, n. 3. P. 383-6, 2012 disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-51752012000300009&script=sci_abstract&tlng=pt, acesso: 13/12/2018.

WARRAICH, H. Is Pain a Sensation or an Emotion, The New York Times, Nova Iorque, Março 16, 2019, disponível em https://www.nytimes.com/2019/03/16/opinion/sunday/pain-opioids.html, acessado em: 17/03/2019.

Publicado
2019-06-28
Seção
Primeiros Escritos