Atuação do psicólogo em transplantes: características e vicissitudes

  • Emiliane Mara da Silva Costa Universidade de Vassouras
  • Fátima Niemeyer da Rocha Universidade de Vassouras

Resumo

Diante do aparecimento de uma doença crônica, surge a possibilidade de realização de um transplante como possibilidade de cura para o paciente, o que provoca um sentimento de alívio e esperança; no entanto, no Brasil, enfrenta-se a grande dificuldade de captação dos órgãos por meio da doação. Muitas famílias ainda se recusam, por diversos fatores, a doar os órgãos dos seus entes queridos. O preparo psicológico para o transplante é necessário, porque as reações são as mais diversas possíveis e dependem da significação que o paciente dá ao órgão substituído, das suas experiências pregressas, do preparo para adaptar-se às novas condições de vida, do conhecimento real ou fantasioso do que está acontecendo, dentre outras variáveis. Cabe ao psicólogo que atua no âmbito da equipe de transplantes favorecer uma percepção holística do paciente, promover os recursos necessários para o enfrentamento das situações de crise que o paciente e sua família irão enfrentar e melhorar a adesão ao tratamento.

Biografia do Autor

Emiliane Mara da Silva Costa, Universidade de Vassouras
Psicóloga, Aluna do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Psicologia Hospitalar e da Saúde, Universidade de Vassouras
Fátima Niemeyer da Rocha, Universidade de Vassouras
Possui doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, mestrado em História pela Universidade Severino Sombra, Vassouras-RJ, especialização em Psicologia Social pela Fundação Getúlio Vargas/Rio de Janeiro-RJ, e graduação em Psicologia pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora-MG. Atualmente, é professora titular e exerce a função de Coordenadora Adjunta da Pós-Graduação Lato Sensu, da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, na Universidade de Vassouras. Tem experiência docente nos níveis de graduação e de pós-graduação, com desenvolvimento de pesquisas na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, principalmente, nos seguintes temas: psicologia positiva, qualidade de vida, bem-estar subjetivo e felicidade.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Biblioteca Virtual em Saúde. 2008. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/doacao-de-orgaos. Acesso em: 25 Jan. 2019.

BOUSSO, R. S. O processo de decisão familiar na doação de órgãos do filho: uma teoria substantiva. Texto Contexto Enferm., v.17, n.1, p.45-54, 2008.

CASTELLI, I.; MENESES, N. P.; COSTA JUNIOR; A. L. Doação de Órgãos: a experiência dos profissionais de saúde. JBT - Jornal Brasileiro de Transplantes, v.19, n.1, p.1-27, 2016.

DONOSO, M. T. V.; GONÇALVES, V. A. M. S.; MATTOS, S. S. A família do paciente frente à doação de órgãos: uma revisão integrativa de literatura. R. Enferm. Cent. O. Min., v.3, n.1, p.597-604, 2013.

FISHER, A. J.; DONELLY, S. C.; PRITCHARD, G.; DARK, J. H.; CORRIS, P. A. Objective assessment of criteria for selection of donor lungs suitable for transplantation. Lung Transplantation, v.59, p. 434-7, 2004.

FIGUEIRÊDO, E. M. F. A inserção da psicologia hospitalar no processo de doação e transplante de órgãos e tecidos em Alagoas. Maria de Fátima Pereira dos Santos (orientação). Maceió: Faculdades Integradas Tiradentes, 2012.

LAMB, D. Transplante de órgãos e Ética. São Paulo: Sociedade Brasileira de Vigilância de Medicamentos/Hucitec, 2000.

MARTINS, E. O. As possibilidades de intervenção do psicólogo em favor dos procedimentos de doação de órgãos e transplantes: um relato de experiência. Pesqui. prát. Psicossociais, São João del-Rei, v.11, n.2, dez., 2016.

MARTINS-GIOIA, D.; ROCHA JÚNIOR, A. Psicologia da saúde e o novo paradigma: novo paradigma? Psicologia: teoria e prática, v.3, n.1, p.35-42, 2001.

OLIVEIRA, J. V. Dilemas e conflitos éticos na doação de órgãos. Revista Espaço Aberto USP, v.145, Dez./Jan., 2013. Disponível em: http://www.usp.br/espacoaberto/?materia=dilemas-e-conflitos-eticos-na-doacao-de-orgaos. Acesso em 04 mar. 2019.

PEREIRA, W. A. História dos Transplantes. In: PEREIRA, W. A. (org.). Manual de Transplantes de Órgãos e Tecidos. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

SILVA, V. F. A. A atuação do psicólogo junto a equipe de saúde em unidades de transplantes. Ciências Biológicas e da Saúde, Maceió, v. 2, n.2, p. 153-164, Nov., 2014.

SILVA NETO, M. L. História dos transplantes. Instituto NEPSS, PUC Goiás, 2007. Disponível em: http://www.pucgoias.edu.br/ucg/institutos/nepss/monografia/monografia_02.pdf. Acesso em: 08 mar. 2019.

SPINK, M. J. (Ed.). A psicologia em diálogo com o SUS: prática profissional e produção acadêmica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

TONETTO, A. M.; GOMES, W. B. A prática do psicólogo hospitalar em equipe multidisciplinar. Estudos de Psicologia, Campinas, v.24, n.1, p.89-98, jan.-mar., 2007.

TORRANO-MASETTI, L. M.; OLIVEIRA, E. A.; SANTOS, M. A. Atendimento Psicológico numa Unidade de Transplante de Medula Óssea. Medicina, Ribeirão Preto, v.33, p.161-169, abr./jun., 2000.

TRANSPLANTES de órgãos no Brasil. Editorial. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v.49, n.1, p.1, Jan., 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302003000100001&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 02 Fev. 2019.

Publicado
2019-10-23
Seção
Primeiros Escritos