Aborto induzido: o atendimento psicológico em foco

  • Juliana Sereno Valadão Universidade de Vassouras.
  • Milena Farani Reis Universidade de Vassouras.
  • Fátima Niemeyer da Rocha Universidade de Vassouras
Palavras-chave: Aborto Induzido, Intervenção, (Des)preparo da Equipe Hospitalar, Atendimento Psicológico.

Resumo

O presente artigo objetiva analisar a vivência de mulheres frente à tomada da decisão de interromper sua gravidez, e as questões que envolvem o atendimento psicológico nessa situação, a partir de uma revisão da literatura especializada no tema referente ao aborto induzido. Diante da iniciativa precoce da gestante de finalizar a gravidez, a eficiência da intervenção da equipe hospitalar possibilita às mulheres que optam pela interrupção da gestação um atendimento mais apropriado, reduzindo o índice de mortalidade materna e de infecções por partos clandestinos, representando um grave problema de saúde pública. A discussão do tema é relevante diante da repercussão gerada pelo projeto de lei, que tramita no Congresso, sobre a descriminalização do aborto até a 12º semana de gestação, os motivos que possam levar a essa decisão e as consequências do mesmo na vida da mulher. Portanto, torna-se necessário explorar a eficiência dos processos de intervenção e ampliar os conhecimentos acerca de tópicos como o conceito de aborto induzido, o processo decisório em relação ao aborto induzido, a ilegalidade do aborto, o (des)preparo da equipe hospitalar no atendimento ao aborto induzido e o acolhimento psicológico nessas situações.

Biografia do Autor

Juliana Sereno Valadão, Universidade de Vassouras.
Graduanda do Curso de Psicologia. Universidade de Vassouras.
Milena Farani Reis, Universidade de Vassouras.
Graduanda do Curso de Psicologia. Universidade de Vassouras.
Fátima Niemeyer da Rocha, Universidade de Vassouras
Possui doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, mestrado em História pela Universidade Severino Sombra, Vassouras-RJ, especialização em Psicologia Social pela Fundação Getúlio Vargas/Rio de Janeiro-RJ, e graduação em Psicologia pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora-MG. Atualmente, é professora titular e exerce a função de Coordenadora Adjunta da Pós-Graduação Lato Sensu, da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, na Universidade de Vassouras. Tem experiência docente nos níveis de graduação e de pós-graduação, com desenvolvimento de pesquisas na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, principalmente, nos seguintes temas: psicologia positiva, qualidade de vida, bem-estar subjetivo e felicidade.

Referências

BENUTE, G. R. G.; NOMURA, Y. M. R.; PEREIRA, P. P.; LUCIA, M. C. S.; ZUGAIB, M. Abortamento espontâneo e provocado: ansiedade, depressão e culpa. Revista da Associação Médica Brasileira, v.55, n.3, p.322-327, 2009.

BITENCOURT, C. R. Tratado de direito penal: parte especial. São Paulo: Saraiva, 2007. v.2.

BRASIL. Ministério da Saúde. O progresso das mulheres no Brasil 2003-2010. Leila Linhares Barsted e Jacqueline Pitanguy (org.). Brasília: ONU Mulheres, 2011.

CAMPOS, A. Crime ou Castigo? Da perseguição das mulheres até à despenalização do aborto. Coimbra: Almedina, 2007.

CAPEZ, F. Direito penal: parte especial. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2004.

DINIZ, M. H. Estado atual do biodireito. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

DINIZ, D.; ALMEIDA, M. Bioética e aborto. In: Iniciação à Bioética. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1998. p.125-138.

DINIZ, D.; MEDEIROS, M. Aborto no Brasil: uma pesquisa domiciliar com técnica de urna. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.15, supl.1, p.959-966, Jun., 2010.

DINIZ, D; MEDEIROS, M. Itinerários e métodos do aborto ilegal em cinco capitais brasileiras. Cienc. Saúde Coletiva, v.17, n.7, p.1671-1681, 2013.

DINIZ, D; MEDEIROS, M; MADEIRO, A. Cytotec e aborto: a polícia, os vendedores e as mulheres. Cien. Saúde Coletiva, v.17, n.7, p.1795-1804, 2013.

FARHAT, R. Tag Archives: aborto. Conselho Federal de Psicologia. 2018. Disponível em: https://site.cfp.org.br/tag/aborto. Acesso em: 25 fev, 2019.

FONSECA, W. Características sócio-demográficas, reprodutivas e médicas de mulheres admitidas por aborto em hospital da Região Sul do Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 279-286, 1998.

JOÃO PAULO II, Papa. Evangelium Vitae: aos Presbíteros e Diáconos, aos religiosos e religiosas, aos fiéis leigos e a todas as pessoas de boa vontade sobre o valor e a inviolabilidade da vida humana. Vaticano, Igreja Católica. 1995.

MARIUTTI, M. G. O cuidado de enfermagem na visão de mulheres em situação de abortamento. Dissertação de Mestrado. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004.

MIRABETTE, J. F. Manual de direito penal: parte especial: São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011. v.2.

PIRANDELI, J. H. Manual de direito penal brasileiro: parte especial. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

ROSENDO, D.; GONÇALVES, T. A. Direito à vida e à personalidade do feto, aborto e religião no contexto brasileiro: mulheres entre a vida e a morte. Ethic@, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, v.14, n.2, p.300-319, Dez. 2015.

SARMENTO, D. Legalização do aborto e Constituição. Disponível em: http://www.mundojuridico.adv.br. Acesso em: 03 de fev. 2019.

SCAVONE, L. Políticas feministas do aborto. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 2, p. 675-80, mai./ago., 2008.

SOUZA, V. L. C. A violência conjugal e sua influência na decisão da mulher pelo aborto. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2011.

SOUZA, Z.; DINIZ, N. Aborto provocado: o discurso das mulheres sobre suas relações familiares. Texto contexto - Enfermagem, Florianópolis, v.20, n.4, p.742-750, 2011.

SOUZA, Z. C. S. N.; DINIZ, N. M. F.; COUTO, T. M.; GESTEIRA, S. M. A. Trajetória de mulheres em situação de aborto provocado no discurso sobre clandestinidade. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 23, n. 6, p. 732-736, maio/jun. 2010.

Publicado
2019-10-23
Seção
Primeiros Escritos