Atuação do Psicólogo no Transplante de Órgãos Pós-morte

  • Priscila Monteiro Carlos Universidade de Vassouras
  • Fátima Niemeyer da Rocha Universidade de Vassouras
Palavras-chave: Doação de órgãos, Transplante Pós-morte, Atuação do Psicólogo

Resumo

O presente artigo de revisão da literatura especializada tem como objetivo principal discutir acerca das possíveis contribuições do psicólogo em situações de doação de órgãos para transplante de um doador falecido. Aborda o trabalho que o psicólogo pode desenvolver junto à família do doador e, paralelamente, o manejo da equipe multidisciplinar que atua nesses casos. Destaca a importância do trabalho do psicólogo para a equipe de saúde multiprofissional no acolhimento, na escuta e no auxílio prestado aos familiares enlutados, dando suporte para o processo de doação de órgãos. O transplante é um procedimento cirúrgico em que se substitui um órgão ou tecido danificado de um receptor, no todo ou em parte, por outro órgão ou tecido normal de um doador, esteja este vivo ou morto. O doador vivo pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação e apresente compatibilidade com o receptor, desde que o procedimento não venha a prejudicar a sua própria saúde. No caso do doador falecido, este pode ser um paciente em quem foi comprovada a morte encefálica, e a doação vai depender da autorização pelos seus familiares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Monteiro Carlos, Universidade de Vassouras
Psicóloga. Aluna do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Psicologia Hospitalar e da Saúde. Universidade de Vassouras
Fátima Niemeyer da Rocha, Universidade de Vassouras
Possui doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, mestrado em História pela Universidade Severino Sombra, Vassouras-RJ, especialização em Psicologia Social pela Fundação Getúlio Vargas/Rio de Janeiro-RJ, e graduação em Psicologia pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora-MG. Atualmente, é professora titular e exerce a função de Coordenadora Adjunta da Pós-Graduação Lato Sensu, da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, na Universidade de Vassouras. Tem experiência docente nos níveis de graduação e de pós-graduação, com desenvolvimento de pesquisas na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, principalmente, nos seguintes temas: psicologia positiva, qualidade de vida, bem-estar subjetivo e felicidade.

Referências

ABTO – Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. São Paulo. Registro Brasileiro de Transplantes: dimensionamento dos transplantes no Brasil e em cada estado no período 2009-2016. Disponível em: http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/file/RBT/2016/RBT2016-leitura.pdf. Acesso em: 10 jan. 2018.

ALENCAR, S. C. S. Doação de órgãos e tecidos: a vivência dos familiares de crianças e adolescentes doadores. Dissertação, Mestrado em Enfermagem. Universidade Federal do Paraná: Curitiba, 2006.

ASSIS, F. N. Esperando um Coração: doação de órgãos e transplantes no Brasil. Pelotas: Universitária/UFPel, 2000.

BENDASSOLLI, P. F. Percepção do corpo, medo da morte, religião e doação de órgãos. Psicologia: reflexão e crítica, v.14, n.1, p.225-240, 2001.

BRASIL. Lei n. 9.434, de 4 de fevereiro de 1997. Centro de Documentação e Informação. Coordenação de Publicações. Série: Fontes de referência. Legislação n. 41. Brasília: 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. Doação de Órgãos: transplantes, lista de espera e como ser doador. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/doacao-de-orgaos. Acesso em: 12 dez 2018.

BOUSSO, R. S. O processo de decisão familiar na doação de órgãos do filho: uma teoria substantiva. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v.17, n.1, p.45-54, 2008.

CFM. Conselho Federal de Medicina. Resolução nº. 1.480, de 8 de agosto de 1997. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/1997/1480_1997.htm. Acesso em: 16 mar 2019.

CINQUE, V. M.; BIANCHI, E. R. F. A tomada de decisão das famílias para a doação de órgãos. Cogitare Enferm., v.15, n.1, p.69-73, 2010.

CUIBANO, R. S. Morte Encefálica no contexto de doação de órgãos. Cuibá, MT: 4 Estações Instituição de Psicologia, 2010. Disponível em: https://studylibpt.com/doc/4340048/morte-encef%C3%A1lica-no-contexto-de-doa%C3%A7%C3%A3o-de-%C3%B3rg%C3%A3os. Acesso em: 22 fev 2019.

FREIRE, S. G.; FREIRE, I. L. S.; PINTO, J. T. J. M.; VASCONCELOS, Q. L. D. A. Q.; TORRES, G. D. V. Alterações fisiológicas da morte encefálica em potenciais doadores de órgãos e tecidos para transplantes. Esc Anna Nery, v.16, n.4, p.761-6, 2012.

FURLAN, A. C.; ESPOLADOR, R. C. R. T.; MAZIERO, K. M. C. Disposição de Órgãos para Transplante. Revista de Ciências Jurídicas e Empresariais, v. 11, n. 1, 2015.

MARTINS, E. O.; VALENTE, H. S.; CALAIS, L. B. As possibilidades de intervenção do psicólogo em favor dos procedimentos de doação de órgãos e transplantes: um relato de experiência. Pesqui. Prát. Psicossociais, São João del-Rei, v.11, n.2, p.464-472, dez. 2016.

MORAES, M. C. O paciente oncológico, o psicólogo e o hospital. In: CARVALHO, M. M, M. J. Introdução à Psiconcologia. São Paulo: Psy II, 1994.

NEUMANN, J. Transplante de órgãos e tecidos. São Paulo: Sarvier, 1997.

RECH, T.; RODRIGUES FILHO, E. Entrevista familiar e consentimento. Rev. bras. ter. intensiva, São Paulo, v.19, n.1, jan./mar., 2007.

SADALA, M. L. A. Doação de órgãos: a experiência de enfermeiras, médicos e familiares de doadores. São Paulo-SP: Unesp, 2004.

SARCINELLI, A. R. D.; OBREGON, M. F. Q. A doação de órgãos post mortem à luz das legislações brasileira, espanhola e portuguesa. Âmbito Jurídico, Rio Grande, v.XXI, n. 171, abr 2018.

SILVA, A. L. P. O acompanhamento psicológico a familiares de pacientes oncológicos terminais no cotidiano hospitalar. Interação em Psicologia, Santa Catarina, v.7, n.1, p.27-35, jan.-jun., 2003.

STEINER, P. A doação de órgãos: a lei, o mercado e as famílias. Tempo Social -Revista de Sociologia da USP, v.16, n.2, p.101-108, 2004.

TIMM, G. A. Doação de órgãos e tecidos para transplantes: estudo comparativo entre o Brasil e o Uruguai. Mestrado em Política Social. Centro de Ciências Jurídicas e Sociais. Universidade Católica de Pelotas. Pelotas: 2011.

TORRES, J. C.; LAGE, A. M. V. Manifestações psicológicas de familiares com pacientes em morte encefálica. Revista de Psicologia, v. 4, n. 1, 2013.

WELLAUSEN, R. S., PICCININI, C. A. Trauma, luto e doação de órgãos: a família diante da perda e do consentimento para doação. Revista HCPA – UFRGS, Porto Alegre, v. 25, p. 207-207, 2005.

Publicado
2019-12-11
Seção
Artigos de Demanda Contínua