Família e sociedade: uma análise sobre o processo do desenvolvimento humano

  • Karina Afonso da Costa Universidade de Vassouras
  • Tamires Jordão Laport Universidade de Vassouras
Palavras-chave: Família, Desenvolvimento Humano, Interação Social, Comportamento, Criação.

Resumo

Todos nós nascemos inseridos em contexto social. Nossa primeira forma de contato geralmente é a família, logo, o mundo nos é apresentado através dos olhos de quem já passou por um processo de construção e desenvolvimento (constantes). A criação apresenta muitas variáveis, desafios naturais e outros trazidos pela modernidade e evolução das sociedades, tais como o período de adolescência, aplicação de punição, entrada e ascensão da mulher (mãe) no mercado de trabalho, novas configurações de família e relacionamentos, adoção etc. Diante disso, se ressaltam os possíveis desdobramentos envolvidos neste curso. A discussão deste tema é necessária para que se faça um levantamento da parcela de influência familiar e do meio no processo de o indivíduo se tornar quem ele é, identificando seus fatores responsáveis e de que forma são propagados, tendo em vista a pequena quantidade de documentos relacionados ao tema específico. Para expor o assunto em questão, o método utilizado foi a revisão de literatura especializada, abordando os aspectos determinantes relacionados às heranças genéticas, comportamentais e sociais de nossos cuidadores e do ambiente, sob a perspectiva comportamental e sócio-interacionista. Em suma, podemos nos considerar frutos construídos pela interação com a família e o meio, atribuídos de influências consideráveis que nos são passadas de diversas maneiras e afetam nossas vivências ao longo da vida, capazes de determinar comportamentos, através das experiências pessoais. 

Biografia do Autor

Karina Afonso da Costa, Universidade de Vassouras
Graduanda do Curso de Psicologia da Universidade de Vassouras
Tamires Jordão Laport, Universidade de Vassouras
Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Juíz de Fora

Referências

BAUMRIND, D. The influence of parenting style on adolescent competence and substance use. The Journal of Early Adolescence, v. 11, n. 1, p. 56-95, 1991.

BAPTISTA, S. M. S. Maternidade e profissão. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1995.

DORAIS, M. O homem desamparado. São Paulo: Loyola. 1994.

EREL, O.; BURMAN, B. Interrelatedness of marital relations and parent-child relations: A meta-analytic review. Psychological Bulletin, v.118, p.108-132, 1995.

FRANCA, M. R. C. Famílias homoafetivas. Rev. bras. psicodrama, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 21-33, 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010453932009000100003&lg=pt&nrm=iso>. Acesso em: 07 mar. 2019.

GOMIDE, P. I. C. Pais Presentes, Pais Ausentes – Regras e Limites. Petrópolis: Vozes, 2004.

GUILHARDI, H. J. Punição não é castigo. Instituto de Análise de Comportamento / Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento, 2001.

LEMES, A. C.; BUENO, G. N.; BUENO, L. N. Família: ambiente favorecedor ao comportamento governado por regras. Comportamento em Foco, v. 1, p. 339-353, 2011.

LENVINZON, G. K. Adoção. São Paulo: Casa do Psicólogo. Coleção clínica Psicanalítica, 2004.

MATOS, M. A. Comportamento governado por regras. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, v. 3, n. 2, p. 51-66, 2011.

MINUCHIN, P. Families and individual development: provocations from the field of family therapy. Child Development, v. 56, p.289-302, 1985.

OETTING, E.; DONNERMEYER, J. Primary socialization theory: The etiology of drug use and deviance. Part I. Substance Use & Misuse, v.33, p.995-1026, 1998.

OLIVARES, J.; MENDES, F. X.; ROS, M. C. O treinamento de pais em contexto clínicos e da saúde. In: V. E. Caballo; M. A. Simon (Org.), Manual de Psicologia Clínica Infantil e do Adolescente: Transtornos específicos. São Paulo: Santos, 2007. (p. 365-385).

OSÓRIO, L. C. Família hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

PAIVA, L. D. Adoção: significado e possibilidades. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

PINHEIRO, M. I. S.; HAASE, V. G.; DEL PRETTE; A., AMARANTE; C. L. D.; DEL PRETTE, Z. A. P. Treinamento de habilidades sociais educativas para pais de crianças com problemas de comportamento. Psicologia: Refexão e Crítica, v.19, n.3, p.407-414, 2006.

SHAFFER, D. R. Psicologia do desenvolvimento: infância e adolescência. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

SILVA, V.; MATTOS, H. Os jovens são mais vulneráveis às drogas? In: I. Pinsky; M. A. Bessa (Org.) Adolescência e drogas. São Paulo: Contexto, 2004. (p. 31-44)

VIEIRA, J. M. Os filhos que escolhemos: discursos e práticas da adoção em camadas médias. 2004. Dissertação. (Mestrado em Antropologia Social), Universidade Estadual de Campinas , São Paulo, 2004.

WAGNER, A. et al. Compartilhar As mudanças sociais no papel da mulher e a tarefas? Papéis e funções de pai e mãe na família contemporânea. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 21, n. 2, p. 181-186, 2005.

WEBER, L. N. D. Aspectos psicológicos da adoção. Curitiba: Juruá, 1999.

YOUNG, Jeffrey E.; KLOSKO, Janet S.; WEISHAAR, Marjorie E. Terapia do esquema: guia de técnicas cognitivo-comportamentais inovadoras. Porto Alegre: Artmed, 2009.

ZAMBERLAN, M. A. T. Psicologia e prevenção: modelos de intervenção na infância e na adolescência. Londrina: EDUEL, 2003.

Publicado
2019-06-26
Seção
Primeiros Escritos