A Espiritualidade e os Cuidados Psicológicos Paliativos: Unidos para um melhor tratamento em Pacientes Terminais

  • Eliane Soares Baldoino Universidade de Vassouras
  • Fabio Lopes Telles Universidade de Vassouras

Resumo

Resumo

O presente estudo possui como objetivo principal poder demonstrar qual é a importância da religião e a espiritualidade na vivência dos familiares e pacientes que encontram-se sob os cuidados paliativos e em como a fé efetivamente apresenta-se perpassada aos indivíduos frente as questões cotidianas da condição da vida humana. A partir disso, também será exposta qual é a importância da implicabilidade e a influência da equipe técnica – bem como enfermeiros, médicos, fisioterapeutas e psicólogos – no manejo dessas ferramentas na busca de proporcionar um bem-estar àqueles que encontram-se envolvidos no contexto dos cuidados de assistência à saúde e dos cuidados paliativos. Ainda referente ao quesito da atuação em equipe, no percurso do artigo será destacada a importância da ótica, sensibilidade e a ética do psicólogo ao compreender a imersão do paciente em sua prática religiosa e espiritual. Por fim, pôde ser exposto que o conceito de espiritualidade possui como objetivo principal proporcionar ao indivíduo a possibilidade de uma busca da transcendência de si, que implicará em uma posição para além da materialidade orgânica. E a partir disso, poderá ser um grande aliado nos esforços de permitir a vivência de uma terminalidade física menos danosa psiquicamente e se desdobrando como um grande artifício terapêutico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Soares Baldoino, Universidade de Vassouras

Resumo

O presente estudo possui como objetivo principal poder demonstrar qual é a importância da religião e a espiritualidade na vivência dos familiares e pacientes que encontram-se sob os cuidados paliativos e em como a fé efetivamente apresenta-se perpassada aos indivíduos frente as questões cotidianas da condição da vida humana. A partir disso, também será exposta qual é a importância da implicabilidade e a influência da equipe técnica – bem como enfermeiros, médicos, fisioterapeutas e psicólogos – no manejo dessas ferramentas na busca de proporcionar um bem-estar àqueles que encontram-se envolvidos no contexto dos cuidados de assistência à saúde e dos cuidados paliativos. Ainda referente ao quesito da atuação em equipe, no percurso do artigo será destacada a importância da ótica, sensibilidade e a ética do psicólogo ao compreender a imersão do paciente em sua prática religiosa e espiritual. Por fim, pôde ser exposto que o conceito de espiritualidade possui como objetivo principal proporcionar ao indivíduo a possibilidade de uma busca da transcendência de si, que implicará em uma posição para além da materialidade orgânica. E a partir disso, poderá ser um grande aliado nos esforços de permitir a vivência de uma terminalidade física menos danosa psiquicamente e se desdobrando como um grande artifício terapêutico.

Fabio Lopes Telles, Universidade de Vassouras

Resumo

O presente estudo possui como objetivo principal poder demonstrar qual é a importância da religião e a espiritualidade na vivência dos familiares e pacientes que encontram-se sob os cuidados paliativos e em como a fé efetivamente apresenta-se perpassada aos indivíduos frente as questões cotidianas da condição da vida humana. A partir disso, também será exposta qual é a importância da implicabilidade e a influência da equipe técnica – bem como enfermeiros, médicos, fisioterapeutas e psicólogos – no manejo dessas ferramentas na busca de proporcionar um bem-estar àqueles que encontram-se envolvidos no contexto dos cuidados de assistência à saúde e dos cuidados paliativos. Ainda referente ao quesito da atuação em equipe, no percurso do artigo será destacada a importância da ótica, sensibilidade e a ética do psicólogo ao compreender a imersão do paciente em sua prática religiosa e espiritual. Por fim, pôde ser exposto que o conceito de espiritualidade possui como objetivo principal proporcionar ao indivíduo a possibilidade de uma busca da transcendência de si, que implicará em uma posição para além da materialidade orgânica. E a partir disso, poderá ser um grande aliado nos esforços de permitir a vivência de uma terminalidade física menos danosa psiquicamente e se desdobrando como um grande artifício terapêutico.

Referências

REFERÊNCIAS

BALBONI. T; et al. Support of cancer patients’ spiritual needs and associations with medical care costs at the end of life, US National Library of Medicine National Institutes of Health. v. 117, n. 23, p. 5383-91, 2011.

BARBOSA, Roberta Maria de Melo et al. A espiritualidade como estratégia de enfrentamento para familiares de pacientes adultos em cuidados paliativos. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 165-182, jun. 2017

BERTACHINE. L; PESSINI L. A importância da dimensão espiritual na prática dos cuidados paliativos. Rev Bioethicos. v. 4, n. 3, p. 315-23, 2010.

BOUSO, R. S., POLES, K., SERAFIM, T. S., MIRANDA, M. G. Crenças religiosas, doença e morte: perspectiva da família na experiência de doença. Revista da Escola de Enfermagem da USP On Line. n. 45, p. 397-403, 2011.

BREITBART. W. Espiritualidade e sentido nos cuidados paliativos. O Mundo da Saúde. v. 27, n. 1, p. 41-57, 2003.

CANTARELLI, A.P.S. Novas abordagens da atuação do psicólogo no contexto hospitalar. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 137-147, dez. 2009.

CAMPBELL. M.L. Cuidados paliativos em enfermagem. Porto Alegre: Artmed, 2011.

COELHO, M.E.M; FERREIRA. A.C. Cuidados paliativos: narrativas do sofrimento na escuta do outro. Rev. bioét. (Impr.). v. 23, n. 2, p. 340-8, 2015.

DOMINGUES. G.R; ALVES. K.O; CARMO. P.H.S.; GALVÃO. S.S; TEIXEIRA. S.S. A Atuação Do Psicólogo No Tratamento De Pacientes Terminais e Seus Familiares. Psicologia Hospitalar. v. 1, n. 1, p. 2-24, 2013.

EVANGELISTA, Carla Braz et al . Cuidados paliativos e espiritualidade: revisao integrativa da literatura. Rev. Bras. Enferm., Brasília , v. 69, n. 3, p. 591-601, June

GUERRERO. G.P; ZAGO. M.M.F; SAWADA. N.O; PINTO. M.H. Relação entre espiritualidade e câncer: perspectiva do paciente. Rev Bras Enferm. v. 64, n. 1, p. 53-59, 2011.

HIGUERA. J.C.B; GONZÁLEZ. B.L; DURBÁN. M.V; VELA. M.G. Atención espiritual en cuidados paliativos. Valoración y vivencia de los usuários. Med Paliat. v. 20, n. 3, p. 93-102, 2013.

KÜBLER-ROSS E. Sobre a morte e o morrer: o que os doentes terminais têm para ensinar a médicos, enfermeiras, religiosos e aos seus próprios parentes. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MATSUMOTO. D.Y. Cuidados paliativos: conceito, fundamentos e princípios. In CARVALHO R.T, PARSONS H.A, Orgs. Manual de cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Diagraphic, 2009.

MOOD, JR R. A Luz Do Além. 3. ed. Rio De Janeiro: Editora Nórdica. p. 159. 1989.

QUEIROGA. S. Saúde, espiritualidade e sentido: produção de cuidados em contexto hospitalar. (monografia). Instituto Universitário de Lisboa. Escola de Sociologia e Políticas Públicas, 2013.

SADALA, M.L.A.; SILVA, M.P. Cuidar De Pacientes Em Fase Terminal. Comunicação Saúde Educação, v.12, n.24, p.7-21, jan./mar. 2008.

SÁNCHEZ. C.T. Abordaje aconfesional de la espiritualidad en cuidados paliativos. FMC, v. 19, n. 6, p. 331-8. 2012.

SIMONETTI, A. Manual de Psicologia Hospitalar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

SINCLAIR. S; PEREIRA. J; RAFFIN S. A thematic review of the spirituality literature within palliative care. J Palliat Med, v. 9, n. 2, p. 464-79. 2006.

WORLD HEALTH ORGANIZATION WHO. Definition of Palliative Care. 2014. ŽIŽEK S. Vivendo no fim dos tempos. São Paulo: Boitempo, p. 13. 2012.

Publicado
2020-03-11
Seção
Artigos de Demanda Contínua