Estresse Acadêmico e o olhar da Psicologia Positiva

  • Viviane de Paula Archanjo Curso de Psicologia da Universidade de Vassouras.
  • Fátima Niemeyer da Rocha Universidade de Vassouras
Palavras-chave: Estresse, Estresse Acadêmico, Psicologia Positiva.

Resumo

O presente artigo objetiva discutir as possibilidades e desafios da aplicação do modelo psicoeducativo baseado nas propostas da Psicologia Positiva – a Educação Positiva –, e sua contribuição na prevenção e tratamento do estresse e seus agravantes na rotina acadêmica, com o uso de estratégias de valorização das forças e virtudes com a finalidade de ampliar as emoções positivas e o bem-estar subjetivo dos estudantes. Utilizou-se a metodologia de revisão da literatura especializada no tema, abordando o conceito de estresse apontado por Hans Selye e as pesquisas mais recentes coordenadas por Lipp, e o seu Modelo Quadrifásico, refletindo sobre o impacto de cada uma das fases do estresse no desempenho acadêmico. A Educação Positiva estimula a resiliência e os relacionamentos sociais positivos, o otimismo aprendido, a prática do Mindfulness e as oportunidades de vivenciar o flow, visando atividades que ofereçam um melhor desempenho ao aluno, com o cultivo das suas forças e virtudes, para o alcance do bem-estar, da saúde mental, das experiências ótimas adquiridas ao longo de sua formação, enfim, da qualidade de vida e, principalmente, do florescimento, com o objetivo de reduzir os impactos do estresse decorrente da intensa  rotina acadêmica.

Biografia do Autor

Viviane de Paula Archanjo, Curso de Psicologia da Universidade de Vassouras.
Graduanda do Curso de Psicologia da Universidade de Vassouras.
Fátima Niemeyer da Rocha, Universidade de Vassouras
Possui doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, mestrado em História pela Universidade Severino Sombra, Vassouras-RJ, especialização em Psicologia Social pela Fundação Getúlio Vargas/Rio de Janeiro-RJ, e graduação em Psicologia pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora-MG. Atualmente, é professora titular e exerce a função de Coordenadora Adjunta da Pós-Graduação Lato Sensu, da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, na Universidade de Vassouras. Tem experiência docente nos níveis de graduação e de pós-graduação, com desenvolvimento de pesquisas na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, principalmente, nos seguintes temas: psicologia positiva, qualidade de vida, bem-estar subjetivo e felicidade.

Referências

AGUIAR, S. M.; VIEIRA, A. P. G. F.; VIEIRA, K. M. F.; AGUIAR, S. M.; NÓBREGA, J. O. Prevalência de sintomas de estresse nos estudantes de medicina. J. bras. psiquiatr., v.58, n.1, p.34-38, 2009.

ARAÚJO, N. G. A.; ALCÂNTARA, K. L. O. Ansiedade de Desempenho no Contexto Acadêmico: caracterização e intervenção. In: ARAÚJO, N. G.; RUBINO, J. P. R.; OLIVEIRA, M. I. S. (Orgs.) Avaliação e intervenção na clínica em terapia cognitivo-comportamental: a prática ilustrada. Novo Hamburgo: Sinopsys, 2018. c.15, p.344-364.

BORGES, E. Psicologia Positiva: uma mudança de perspectiva. Joinville: Clube dos autores, 2017.

BZUNECK, J. A. As crenças de auto-eficácia e o seu papel na motivação do aluno. In E. BORUCHOVITCH; J. A. BZUNECK (Orgs.) A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, 2001. p.116-133.

CHAMON, E. M. O. Q.; SANTOS, O. A. S. G.; CHAMON, M. A. Estresse e estratégias de enfrentamento: instrumentos de avaliação e aplicações. In XXXII Encontro da ANPAD – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro. Anais... ENANPAD, 2008.

CINTRA, C. L.; GUERRA, V. M. Educação Positiva: A aplicação da Psicologia Positiva a instituições educacionais. Psicologia Escolar e Educacional, SP, v.21, n.3, setembro/dezembro, p.505-514, 2017.

CSIKSZENTMIHALYI, M. A descoberta do fluxo: a psicologia do envolvimento com a vida cotidiana. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

DINER, E.; SUH, E.; OISHI, S. Recent findings on subjective Well-being. Indian Journal of Clinical Psychology, v.24, n.1, p.25-41, 1997.

FERNANDES, O.; LIPP, M. E. N. Vidas no fórum: histórias de personagens da justiça. Análise psicológica do comportamento humano. Salvador: JusPodivm, 2017.

FIALHO, F. B. Programa de Reparação Cognitivo-Comportamental para vestibulandos. In: ALVES, J. M. e Cols. Abordagens cognitivo-comportamentais no contexto escolar. Novo Hamburgo: Sinopsys, 2018. c.13, p.240-260.

HOLMES, D. S. Psicologia dos transtornos mentais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 1997.

HUTZ, C. S.; ZANON, C.; VAZQUEZ, A. C. S. Escala de autoestima de Rosenberg. In C. S. HUTZ (Org.). Avaliação em psicologia positiva. Porto Alegre: Artmed, 2014.

KAMEI, H. H. Flow: o que é isso? Um estudo psicológico sobre experiências ótimas de fluxo na consciência, sob a perspectiva da Psicologia Positiva. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia, USP. São Paulo, 2010.

KEYES, C. L. M.; HAIDT, J. Flourishing: positive psychology and the life well-lived. Washington DC: APA, 2003.

LIMA, R. L. L.; SOARES, M. E. C. S.; PRADO, S. N.; ALBUQUERQUE, G. S. C. Estresse do Estudante de Medicina e Rendimento Acadêmico. Revista Brasileira de Educação Médica, v.40, n.4, p.678-684, 2016.

LIPP, M. E. N. (Org.). Mecanismos neuropsicológicos do stress: teoria e aplicações clínicas. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

LIPP, M. E. N. Compreendendo o Stress Emocional. In: LIPP, M. E. N.; TRICOLI, V. (Orgs.). Relacionamentos interpessoais no Século XXI e o stress emocional. Novo Hamburgo: Sinopsys, 2014. c. 1, p. 15-32.

MALAGRIS, L. E. N. A Frustração. In: LIPP, M. (Org.). Sentimentos que causam stress. Como lidar com eles. 3.ed. Campinas: Papirus, 2015. c.2, p.27-40.

MARQUES, J. R. Coaching positivo: psicologia positiva aplicada ao coaching. 2.ed.rev. Goiânia: IBC, 2015.

MORAES, L. S. K.; ROCHA, F. N. Resiliência no trauma – a possibilidade de manejo na Terapia Cognitivo-Comportamental. Revista Mosaico, v.07, n.2, p.03-10, 2017.

MOURA, C. F. Reação à frustração: construção e validação da medida e proposta de um perfil de reação. (Tese de doutorado) Universidade de Brasília. Brasília, 2008.

NUNES, M. F. O. Funcionamento e desenvolvimento das crenças de auto-eficácia: uma revisão. Revista Brasileira de Orientação Profissional, v.9, n.1, p.29-42, 2008.

OLIVEIRA, C.; NUNES, M. F. O.; LEGAL, E. J.; NORONHA, A. P. P. Bem-estar subjetivo: estudo de correlação com as Forças de Caráter. Avaliação Psicológica, v.15, n.2, p.177-185, 2016.

PACICO, J. C.; BASTIANELLO, M. R.; HUTZ, C. S. O Papel da esperança, da autoeficácia e do otimismo no desempenho acadêmico. In: NAKANO, T. C. (Org.). Psicologia Positiva Aplicada à Educação. São Paulo: Vetor, 2018. c.7, p.113-124.

PERES, A. Educação com Psicologia Positiva. In: PERES, A.; ROMA, A. (Coords.). Educando Positivamente: São Paulo: Leader, 2018. v.1, c. 3, p.64-77.

SELIGMAN, M. E. P. Florescer: Uma nova compreensão sobre a natureza da felicidade e do bem-estar. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

SELYE, H. Stress: a tensão da vida. São Paulo: IBRASA, 2018.

SILVA, E. A. T. Sempre espero o pior, tudo dá errado. In: LIPP, M. (Org.). O Stress está dentro de você. 8. ed. São Paulo: Contexto, 2013. c.6, p.77-84.

SILVA, E. A. T.; LAGE, R. F. Pressa e Excesso de Responsabilidade. In: LIPP, M. (Org.). Sentimentos que causam stress. Como lidar com eles. 3.ed. Campinas: Papirus, 2015. c.5, p.67-78.

SILVA, E. C.; HELENO, M. G. V. Qualidade de Vida e Bem-Estar Subjetivo de Estudantes Universitários. Revista Psicologia a Saúde, v.4, n.1, jan-jun, p.69-76, 2012.

SIQUEIRA, R. Mindfulness em ambientes educacionais. In: PEREZ, A.; ROMA, A. (Coord.). Educando positivamente. São Paulo: Leader, 2018. c.13, p.208-216.

SNYDER, C. R.; LOPEZ, S. J. Psicologia Positiva: Uma abordagem científica e prática das qualidades humanas. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SOARES, L. S.; RIBEIRO, M. F. F. Motivações no processo educacional: teoria e prática. In: ALVES, J. M. e Cols. Abordagens cognitivo-comportamentais no contexto escolar. Novo Hamburgo: Sinopsys, 2018. c.7, p.129-142.

YOSHIDA, G. Flow em sala de aula na educação de adultos: uma realidade possível. In: PEREZ, A.; ROMA, A. (Coord.). Educando positivamente. São Paulo: Leader, 2018. c.12, p.1988-207.

ZAKIR, N. S. Mecanismos de coping. In LIPP, M. E. N. (Org.). Mecanismos neuropsicológicos do stress: teoria e aplicações clínicas. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

Publicado
2019-06-25
Seção
Artigos de Demanda Contínua