A (Des) Construção dos padrões normativos de gênero.

  • Adriana Vasconcelos Bernardino Universidade de Vassoura.
  • Karine Mageste Ferreira Universidade de Vassouras
  • Larissa Primo Pereira Lasneau Universidade de Vassouras.

Resumo

O presente artigo baseia-se em uma abordagem histórica e psicossocial para discorrer sobre os estereótipos de gênero à construção e à desconstrução de padrões normativos de gênero, em contraposição às possibilidades de subjetivação, num cenário cultural de pluralidade identitária e, ao mesmo tempo, tradicionalista. Discutiremos sobre os papéis estereotipados que nos são determinados, apoiados ainda em um forte contexto histórico herdado do patriarcado, acentuando determinadas crenças sobre gênero. O modelo tradicional de masculinidade, que predominava de forma inquestionável até meados do século XX, ignorando as necessidades afetivas e valorizando características como a competitividade, a preocupação com o desempenho, o autoritarismo, a dominação e a opressão, vem sendo questionado como pilar maior da identidade masculina tradicional. Enquanto isso, as mulheres abrem mão do papel de “Rainha do Lar”, “Sexo frágil”, “Submissa”, ao qual estavam secularmente atreladas. Esse processo de transformação nos papéis femininos e masculinos, multiplicados por todo o mundo, marca a sociedade contemporânea, pela conquista de diferentes posições e necessidades de adaptações por que passam os novos paradigmas permeados pelas questões de gênero.

Biografia do Autor

Adriana Vasconcelos Bernardino, Universidade de Vassoura.

Doutora, Docente do Curso de Graduação em Psicologia

Karine Mageste Ferreira, Universidade de Vassouras

Discente do Curso de Graduação em Psicologia da Universidade de Vassouras.

Larissa Primo Pereira Lasneau, Universidade de Vassouras.

Discente do Curso de Graduação em Psicologia da Universidade de Vassouras.

Referências

BADINTER, E. XY: sobre a identidade masculina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BEAUVOIR, S. de O Segundo Sexo, VI, II. Tradução Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BERNARDINO, A.V. da S. As transformações no papel da mulher na passagem do século XX para o XXI e o surgimento de uma angústia: um estudo de caso em Vassouras. 2007. 96 p. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Severino Sombra, Vassouras, 2007.

BERNARDINO, A.V. da S. Convivendo com a Mulher Contemporânea: Com a Palavra, Maridos e Filhas. 2015. 125 p. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

BIASOLI-ALVES, Z. M. M. Continuidades e rupturas no papel da mulher brasileira no século XX. Psicologia Teoria e Pesquisa, 16 (3), 233, 2000.

CAMACHO, T. Mulher, trabalho e poder: o machismo nas relações de gênero da UFES. Vitória: EDUFES, 1997.

CARNEIRO, T. (Org.). Família e casal: saúde, trabalho e modos de vinculação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007. p. 203-228.

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CHAUÍ, M. Participando do Debate sobre Mulher e Violência. In: CARDOSO, Ruth, CHAUÍ, M. & PAOLI, M. C. (Org.). Perspectivas Antropológicas da Mulher 4, São Paulo: Zahar, 1985.

DEL PRIORE, M. História das mulheres: as vozes do silêncio. In: FREITAS, Marcos César de. (org.) Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo, Contexto/EDUSF, 1998, p.227.

GUNDELACH, P. Panorama des changements valeurs recents em Europe Occidentale. A New Europe de Base, 2, 1991, . 3-27.

JABLONSKI, B. O cotidiano do casamento contemporâneo: a difícil e conflitiva divisão de tarefas e responsabilidades entre homens e mulheres. In: FÉRES-

LAURETIS, T. de A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, H. B. de (org.). Tendências e Impasses: o feminismo como critica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

NOLASCO, S. A desconstrução do masculino: uma crítica à análise de gênero. In: A desconstrução do masculino. Rio de Janeiro, Rocco, 1995, p.16.

ROCHA-COUTINHO, M. L. A difícil arte de harmonizar família, trabalho e vida pessoal. In: FÉRES-CARNEIRO, T. (Org.). Casal e família: transmissão, conflito e violência. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013. p. 13-33.

SANTOS, R. P. A desconstrução da masculinidade na sociedade patriarcal. In: I Seminário Nacional de Gênero e práticas Culturais, 2007, João Pessoa PB. I Seminario Nacional de Gênero e práticas Culturais - GT 7. João Pessoa PB: EUFPB, 2007. v. 1. p. 1-1.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, jul./dez., 1990.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise. In: Educação e Realidade. Porto Alegre, 1995, p.71-99.

SILVA, L. I. C. Papagaio, pira, peteca e coisas dos gêneros. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém, 2006.

SORJ, B. Pesquisas comparativas: uma análise crítica dos indicadores de gênero. Revista Z Cultural UFRJ, Rio de Janeiro, ano VIII, n. 3, p. 1-8, 2007. Disponível em: <http://revistazcultural.pacc.ufrj.br/pesquisas-comparativas-uma-analise-critica-dos-indicadores-de-genero-de-bila-sorj-2/>. Acesso: em 16 mar. 2019.

Publicado
2019-10-23
Seção
Primeiros Escritos