A Dificuldade de Aceitação no Processo Saúde e Doença Diante o Diagnóstico Renal Crônico: A Importância do Psicólogo

  • Rosimar Viana Baptista Corrêa Psicóloga, graduado pela Universidade de Vassouras; pós-graduando em Psicologia Hospitalar e da Saúde pela Universidade de Vassouras (Vassouras-RJ, Brasil).
  • Barbara Silveira Psicóloga, Mestre em Ensino de Ciências da Saúde – Universidade Federal de São Paulo (SP); Especialista em Psicanálise; Professora de Pós-Graduação em Psicologia Hospitalar e da Saúde na Universidade de Vassouras (Vassouras-RJ, Brasil); Supervisora da Residência em Psicologia Hospitalar no HUV (Hospital Universitário de vassouras), pela Universidade de Vassouras.

Resumo

Entre os acometimentos crônicos a doença renal crônica é uma das mais agressivas tanto em aspectos físicos, quanto em aspectos emocionais e sociais, pois consiste na perda progressiva e irreversível da função renal, e da necessidade de terapia renal substitutiva, onde existe uma indumentária tecnológica no qual o portador precisar manter-se conectado por horas do dia, para a manutenção da vida. O objetivo do presente trabalho é evidenciar a atuação do psicólogo com o paciente renal crônico, e possui como especificidade: evidenciar as dificuldades de aceitação do paciente renal crônico; descrever as rotinas de psicologia para assistir o paciente no processo de doença renal crônica; evidenciar a intervenção de psicologia nas terapias renais substitutivas. Para isso utilizou como método a revisão bibliográfica integrativa, e concluiu que o profissional psicólogo possui importância grandiosa no que tange a aceitação do quadro de doença renal crônica pelo paciente, e também, atua com a equipe e com a família, possuindo então uma função valiosíssima de aproximação e empatia, gerando assim um elo entre o paciente renal crônico e todos os membros que fazem parte de sua rotina diária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARROS, Elvino; MANFRO, Roberto C.; THOMÉ, Fernando S.; GONÇALVES, Luis Felipe. Nefrologia: Rotinas, diagnóstico e tratamento - 3ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2006.

CAIUBY, A. V. S. & KARAM, C. H. (2010). Aspectos Psicológicos de Pacientes com Insuficiência Renal Crônica. In: S. M. C. Ismael (Org), A Prática Psicológica e sua Interface com as Doenças. (pp. 131-148) São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

CAMPOS, C. J. G., & TURATO, E. R. (2010). Tratamento HemodialíticoSob a Ótica do Doente Renal: Estudo Clínico Qualitativo. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(5), 799-805.

DINIZ, D. P. & SCHOR, N. (2006). Psiconefrologia: Humanização e Qualidade de vida. In: Denise Pará Diniz e Nestor Schor (Coord). Guia de Qualidade deVida (pp. 35-53). Barueri, SP: Manole.

FARIAS, L. A. B. (2012). A Produção Brasileira Sobre a Atuação do Psicólogo Junto a Pacientes com Insuficiência Renal Crônica em Diálise: Uma Análise Crítica.(Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

GUYTON, A. C., Hall, J. E. (2006). Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro, RJ: Editora Elsevier 11ª Ed. 4ª tiragem.

KÜBLER-ROSS, E. (2011). Sobre a Morte e o Morrer. São Paulo, SP: WMF Martins Fontes.

MACIEL; M. G. S. (2006). Modelo de intervenção em cuidados paliativos: a experiência do HSPE-SP. In: C. A. M. Pimenta; D. D. C. F. Mota; D. A. L. M. Cruz (Org.), Dor e Cuidados Paliativos: Enfermagem, Medicina e Psicologia. (p. 384-408). Barueri: Manole.

MALDANER, Cláudia Regina; BEUTER, Margrid; BRONDANI, Cecília Maria; BUDÓ, Maria de Lourdes Denardin; PAULETTO, Macilene Regina. Fatores que Influenciam a Adesão ao Tratamento na Doença Renal Crônica: O Doente em Terapia Hemodialítica.Revista Gaúcha de Enfermagem 29(4): 647-53. 2008.

MUCCILLO, N. (2006). O Preparo do Corpo Após a Morte: Aspectos Culturais, Cuidados Físicos e Emocionais. In: C. A. M. Pimenta; D. D. C. F. Mota; D. A. L. M. Cruz (Org.), Dor e cuidados paliativos: enfermagem, medicina e psicologia (p. 347-359). Barueri: Manole.

NAKAO, R. T. (2013). Variáveis Sociodemográficas, Clínicas e Psicológicas Associadas à Adesão à Hemodiálise.(Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

NASCIMENTO, F.A.F. Uma Contribuição às Reflexões Sobre os Aspectos Emocionais e o Papel do Psicólogo na Hemodiálise.Rev SBPH. 2013;16(1):70-87.

PACHECO, G.S; SANTOS, I; BREGMAN, R. Características de Clientes com Doença Renal Crônica: Evidências para o Ensino do Autocuidado. Revista de enfermagem - UERJ. 2006; 14:434-9.

REIS, C. K., GUIRARDELLO, E. B. & CAMPOS, C. J. G. (2008). O Indivíduo Renal Crônico e as Demandas de Atenção. Brasília: Revista Brasileira de Enfermagem; 61(3)pp.336-341.

RESENDE, M. C., SANTOS, F. A., SOUZA, M. M. & MARQUES, T. P. (2007). Atendimento Psicológico a Pacientes com Insuficiência Renal Crônica: Em Busca de Ajustamento Psicológico.Psicologia Clínica, 19 (2), 87-99.

RIELLA, Miguel Carlos et al. Princípios de Nefrologia e Distúrbios Hidroeletrolíticos - 5ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.

ROMÃO JÚNIOR, J.E. Doença Renal Crônica: Definição, Epidemiologia e Classificação.Jornal Brasileiro de Nefrologia. 2004; 26:1-3.

SILVA, Gabriela Lisangela Della-Flora da; THOMÉ, Elisabeth Gomes da Rocha. Complicações do Procedimento Hemodialítico em Pacientes com Insuficiência Renal Aguda: Intervenções de Enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem 30(1): 33-9. 2009.

SIMONE, M. C. L. (2011). Analítica dos Sentidos e Significados Atribuídos por Pessoas Vivendo com Insuficiência Renal Crônica em Tratamento de Hemodiálise: Seus Modos de Ser-no-Mundo/Transcendência.(Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA (2014, 04 de abril). SBN Insuficiência Renal Crônica. Recuperado de: http://www.sbn.org.br/.

SOUSA, Maiana Regina Gomes; SILVA, Ana Elisa Bauer de Camargo; BEZERRA, Ana Lúcia Queiroz; FREITAS, Juliana Santana de; MIASSO, Adriana Inocenti. Eventos adversos em Hemodiálise: Relatos de Profissionais de Enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem USP 47(1): 76-83. 2013.

STRAUB, R. O. (2014). Psicologia da Saúde: Uma Abordagem Psicossocial. (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

TORRES, T. L. (1999). O Psicólogo Centrado na Pessoa e a Instituição Hospitalar. In: FÓRUM BRASILEIRO DA A.C.P. Ouro Preto. Recuperado em 25 de março de 2010, de http://www.apacp. org.br/art055.html

Publicado
2020-03-11
Seção
Artigos de Demanda Contínua