De coração partido: a obscuridade e a clareza da vivência do luto

  • Raisa Rodrigues Alves
  • Fátima Niemeyer da Rocha Universidade de Vassouras
Palavras-chave: Luto, Estresse, Psicoterapia.

Resumo

Com o intuito de refletir sobre o papel que a psicologia pode desempenhar no processo de luto, a partir de uma revisão de literatura o artigo aborda aspectos gerais do luto, como o luto normal, o luto patológico e o luto antecipatório. Três perspectivas teóricas relativas ao luto são explanadas: os estágios do luto de Kübler-Ross, as fases do luto de Bowlby e as tarefas do luto de Worden. E discutealgumas possíveis consequências desse episódio de sofrimento, como o estresse, chamando a atenção para algumas doenças psicossomáticas que podem advir dessa vivência: psoríase, vitiligo e herpes labial.O psicólogo deve atuar no processo do luto,em especial através da intervenção psicoterapêutica, contribuindo para que o enlutado aprenda a conviver com a realidade da perda, no sentido de minimizar sua dor e lhe proporcionar uma melhor qualidade de vida.

Biografia do Autor

Raisa Rodrigues Alves
Psicóloga
Fátima Niemeyer da Rocha, Universidade de Vassouras
Doutora em Psicologia

Referências

ABREU, K. L. et al. Estresse ocupacional e Síndrome de Burnout no exercício profissional da psicologia. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 22, n. 2, p. 22-29, June, 2002.

ARCHER, J. The Nature of Grief: The Evolution and Psychology of Reactions to Loss. Londres: Routledge, 1999.

ARIÈS, P. História da morte no ocidente. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

BECK, J. Terapia Cognitiva: Teoria e Prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BOWLBY, J. Apego e perda. São Paulo: Martins Fontes, 1990. v.1: A natureza do vínculo.

BOWLBY, J. Uma base segura: aplicações clínicas da teoria do apego. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

CABALLO, V. E. Manual de Avaliação e Treinamento das Habilidades Sociais. São Paulo: Santos, 2003.

CASELLATO, G. et al. O processo de luto: técnicas de intervenções no processo de luto. 4 Estações, Instituto de Psicologia, São Paulo, p. 133-156, 2003.

CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio Janeiro: Elsevier, 1999.

COUTO, H. A. Stress e qualidade de vida dos executivos. Rio de Janeiro: COP, 1987.

FLAVELL, J. Metacognition and cognitive monitoring. American Psychologist, 34, 906-911, 1979.

FONSECA, J. P. Luto antecipatório: as experiências pessoais, familiares e sociais diante de uma morte anunciada. São Paulo: Livro Pleno, 2004.

FRANÇA, A. C. L.; RODRIGUES, A. L. Stress e trabalho: guia básico com abordagem psicossomática. São Paulo: Atlas, 1997.

FRANCO, M. H. P. Estudos avançados sobre o luto. Campinas: Livro Pleno, 2002.

FREITAS, N. K. Luto materno e psicoterapia breve. São Paulo: Summus, 2000.

FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

JARAMILLO, I. F. Morrer Bem. São Paulo: Planeta, 2006.

KLEIN, M. O sentimento de solidão. Rio de Janeiro: Imago, 1971.

KLEIN, Melanie. Obras Completas de Melanie Klein. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

KOVÁCS, M. J. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002.

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a Morte e o Morrer. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a Morte e o Morrer: o que os Doentes Terminais Têm para Ensinar a Médicos, Enfermeiras, Religiosos e aos seus Próprios Parentes. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

KÜBLER-ROSS, E.; KESSLER, D. On Grief and Grievining: Finding the meaning of grief through the five stages of loss. New York: Scribner, 2005.

LIPP, M. E. N. Pesquisas sobre stress no Brasil – Saúde, ocupações e grupos de risco. Campinas: Papirus, 1996.

LISBOA, C.; KOLLER, S. H.; RIBAS, F. F.; BITENCOURT, K.; OLIVEIRA, L.; PORCIUNCULA, L. P. et al. Estratégias de coping de crianças vítimas e não vítimas de violência doméstica. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(2),345-362, 2002.

OLIVEIRA, M. F.; LUGINGER, S.; BERNARDO, A.; BRITO, M. Morte: intervenção psicológica junto da família do paciente terminal. Lusíada (PT): Universidade Lusíada, 2004.

PARKES, C. M. Luto: estudos sobre perdas na vida adulta. São Paulo: Summus, 1998.

PINCUS, L. A família e a morte: Como enfrentar o luto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

RANDO, T. A. Clinical Dimensions of Antecipatory Mourning – Theory and Practice in Working with the Dying their Loved Ones, and their Caregivers. Illinois: Research Press, 2000.

REMOR, E. A. Abordagem psicológica da Aids através do enfoque cognitivo comportamental. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(1), 89-106, 1999.

REZENDE, V. L. (Org.). Reflexões sobre a vida e a morte: abordagem interdisciplinar do paciente terminal. Campinas: Unicamp, 2000.

SANDERS, C. Grief. The Mourning After: Dealing with Adult Bereavement. 2nd ed. New York: JonhWiley& Sons, 1999.

SILVA, A. C. O.; NARDI, A. E. Luto pela morte de um filho: utilização de um protocolo de terapia cognitivo-comportamental. RevPsiquiatr Rio Gd Sul, 32(3):113-116, 2010.

SIMONETTI, A. Manual de Psicologia Hospitalar: o mapa da doença. 6. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

TEIXEIRA, J. A. C. Psicologia da saúde. Análise Psicológica, 3 (XXII), p. 441-448, 2004.

WORDEN, W. Terapia do luto: um manual para o profissional de saúde mental. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

YOUNG, J.; KLOSKO, J.; WEISHAAR, M. Terapia do esquema. Guia de técnicas cognitivo-comportamentais inovadoras. Porto Alegre: Artmed, 2008.

Publicado
2019-06-25
Seção
Artigos de Demanda Contínua