Carolina e Maria Roza: a disputa entre escrava e senhora numa ação de liberdade (Freguesia de Santo Antônio de Jacutinga, Rio de Janeiro, 1850 – 1863)

  • Jéssica Andrade Costa Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Escravidão, Freguesia de Santo Antônio de Jacutinga, Recôncavo da Guanabara, re-escravização, ação de liberdade.

Resumo

Esse trabalho tem como objeto principal a análise da ação de liberdade proposta pela trabalhadora escrava Carolina Parda, na Vila de Iguassu, freguesia do Recôncavo Guanabarino, no Rio de Janeiro. Tal história se passa entre os anos de 1850 e 1863, narrados graças às inúmeras páginas do processo iniciado pela trabalhadora escrava, requerendo sua liberdade e a de seu irmão. Através dessa ação judicial foi possível observar a relação de gênero e a estratégia utilizada por Carolina contra sua senhora, Maria Roza, na tentativa de por fim à sua condição de cativa, além da possibilidade de analisar a tênue linha existente entre a liberdade e a re-escravização de um negro.

Biografia do Autor

Jéssica Andrade Costa, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Mestranda do programa de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Graduada em História pela UFRRJ – Instituto Multidisciplinar.

Referências

Referências

ASSUNÇÃO, Mathias R. A resistência escrava nas Américas: algumas considerações comparativas. In: Libby, Douglas Cole. e Furtado, Julia Ferreira (Orgs.) Trabalho livre, trabalho escravo: Brasil e Europa, séculos XVII e XIX. São Paulo: Annablume, 2006. 406 p.

BEZERRA, Nielson Roza. NOS SEIOS DA ESCRAVIDÃO: um olhar sobre alforrias negociadas por mulheres escravas. Freguesia de Santo Antônio da Jacutinga – Século XIX. Outros Tempos Volume 7, número 10, dezembro de 2010 - Dossiê História e Educação.

_________. Mosaicos da Escravidão: identidades africanas e conexões atlânticas do Recôncavo da Guanabara (1780 – 1840). Niterói, Tese de Doutorado – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2010.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

CHRISTILLINO, C. L. O homem livre e pobre no Brasil oitocentista. In: OLIVEIRA, TB., org. Trabalho e trabalhadores no Nordeste: análises e perspectivas de pesquisas históricas em Alagoas, Pernambuco e Paraíba. Campina Grande: EDUEPB, 2015, pp. 57-84. ISBN 978-85-7879- 333-3.

COWLLING, Camillia. Negociando a liberdade: Mulheres de cor e a transição para o trabalho livre em Cuba e no Brasil, 1870-1888”. In: Libby, Douglas Cole. e Furtado, Julia Ferreira (Orgs.) Trabalho livre, trabalho escravo: Brasil e Europa, séculos XVII e XIX. São Paulo: Annablume, 2006. 406 p.

GOMES, Flávio dos Santos. “Para Matar a Hidra”: uma História de Quilombolas no Reconcavo da Guananabara – séc XIX. Textos históricos 2[3] (1994): 1-31. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/textos/article/download/5750/4757 Acesso em 10/10/17

___________. Histórias de quilombolas: mocambos e comunidades de senzalas no Rio de Janeiro - século XIX. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 1995.

GRAHAM, Sandra Lauderdale. Proteção e Obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro (1860-1910). São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

_______. Caetana diz não: história de mulheres na sociedade escravista brasileira. São Paulo: Cia das Letras, 2005.

GRINBERG, Keila. Re-escravização, revogação da alforria e Direito no século XIX. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 22, 2003, João Pessoa. Anais do XXII Simpósio Nacional de História: História, acontecimento e narrativa. João Pessoa: ANPUH, 2003.

__________. Liberata: a lei da ambiguidade. As ações de liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro no século XIX. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008.

KARASCH, Mary. A vida dos escravos no Rio de Janeiro -1808 – 1850. 2ª Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

NASCIMENTO, Álvaro. “Qual a Condição Social dos Negros no Brasil depois do Fim da Escravidão? O Pós-Abolição no Ensino de História”. In: SALGUEIRO, Maria Aparecida Andrade. (Org.) A República e a Questão do Negro no Brasil. Rio de Janeiro: Museu da República, 2006.

REIS, João José; SILVA, Eduardo. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. Rio de Janeiro, Companhia das Letras, 1989.

SCOTT, James C. Formas cotidianas de resistência camponesa. Raízes, Campina Grande, vol. 21, nº 01, p. 10-31, jan/jun 2002.

SILVA, Lucia Helena Pereira da. Freguesia de Santo Antônio de Jacutinga: um capítulo da história da ocupação da Baixada Fluminense. Revista Uniabeu, Belford Roxo, V. 9, Número 21, p. 123 – 137, Jan – Abril de 2016.

LISTA DE FONTES

Arquivo Nacional. “Carolina, Maria Rosa do Espirito Santo”. Supremo Tribunal de Justiça. Num. 2616 – Maço 0 – Ano 1860.

DEBRET, Jean-Baptiste (desenhista), 1768-1848. Voyage pittoresque et historique au Brésil. Tome deuxième. p. 39

Publicado
2018-12-28
Seção
Artigos de Demanda Contínua