EXPERIÊNCIA INICIAL COM A PRÁTICA DE HUMANIZAÇÃO NA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE EM ALUNOS DO PRIMEIRO PERÍODO DO CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE VASSOURAS

  • Eucir Rabello Docente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
  • Lívia Liberata barbosa Bandeira Discente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
  • Ivan Lucas Picone Borges dos Anjos Discente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
  • Caio Teixeira dos Santos Discente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
  • Thais Lemos de souza Macêdo Discente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
  • Carolina de Paula Orioli da Silva discente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
  • Dandhara Martins Rebello Discente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
  • Patrícia Rangel Sobral Dantas Docente do curso de medicina d Universidade de vassouras https://orcid.org/0000-0002-8280-4402
  • Renan da Rocha Soares Discente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
  • Antonio Rodrigues Braga Neto Docente do curso de medicina da Universidade de vassouras
  • Ivana Picone Borges de Aragão Docente do curso de medicina da Universidade de Vassouras https://orcid.org/0000-0002-4295-0165
Palavras-chave: "Alunos de Medicina" "Pacientes internados" "Hospital Universitário" "Relação médico-paciente" "Humanização"

Resumo

A aproximação dos alunos do primeiro período de medicina (PPM), precocemente aos pacientes internados no Hospital Universitário de Vassouras (HUV), propicia elos precoces na relação médico-paciente, além da participação das questões sociais que envolvem o processo saúde-doença. Humanização na área da saúde é a mudança dos modelos atuais de gestão e atenção, visando enfatizar as necessidades dos pacientes e a promoção da saúde. Importante explorar o lado humano do aluno, futuro médico, que vivenciará progressivas exigências de sua capacidade técnica/tecnológica, em detrimento ao lado afetivo e da empatia. O estudo objetivou desenvolver uma visão humanizada na relação médico-paciente nos alunos do primeiro período do curso de medicina (PPCM). Estudo prospectivo, observacional e transversal no ano de 2017 orientado e coordenado pelos professores do programa de aprendizagem Programa de Aproximação à Prática Médica I (PAPM I), com a participação de alunos da iniciação científica (IC), inseridos no projeto de pesquisa e de extensão, de mesmo nome e de alunos matriculados no PPCM – o calouro humano - da Universidade de Vassouras. No cronograma letivo da PAPMI, o aluno do PPCM é inserido no HUV para início da aprendizagem da coleta de dados da história clínica, nesse momento se alia a visão humanizada do paciente como ser humano. Cada dois alunos de IC acompanham uma dupla de alunos do PPCM duas vezes por semana à todos os pacientes que internarem em um leito pré-determinado do HUV, durante cada semestre letivo. Administrado questionários anônimos e de respostas rápidas múltiplas escolhas: aos pacientes contendo sete perguntas sobre aspectos sociais; aos alunos do PPCM com três perguntas acerca da experiência de participação. Resultados do início da experiencia do ano de 2017, nos somando dois semestres letivos a seguir. Total de 185 alunos PPCM responderam ao questionário: classificaram a experiência como ótima 122 (66%); boa 50 (27%); regular 13 (07%). Sentiram aproximação ao paciente como pessoa 170 (92%), inalterado 15 (08%). Perceberam que atenderam às necessidades do paciente plenamente 125 (68%); parcialmente 60 (32%). Total de 218 pacientes responderam ao questionário: informaram estar plenamente satisfeito com as informações sobre suas doenças 192 (88%); parcialmente satisfeito 22 (10%); insatisfeitos 04 (02%). Declararam estar recebendo atendimento humanizado 215 (98%). Enquanto internados, a prioridade para os pacientes internados era a cura em 169 (78%), atenção dos profissionais de saúde 26 (12%), informações sobre a doença 18 (08%) e atendimento respeitoso 05 (02%). O apoio do estudante de medicina foi considerado como ótima experiencia por 130 (60%) pacientes, como boa por 71 (33%) e como regular por 17 (08%). Em relação aos transtornos gerados pela internação, houve 110 (51%) negativas, 36 (17%) queixaram de dificuldade de comunicação com a família; 25(12%) de problemas pela própria doença; 14 (06%) de problemas com a ausência do trabalho; 13 (06%) de problemas financeiros. Questionados sobre necessidade de algum auxílio durante a internação, por parte dos alunos de PPM: 177 (54%) negaram necessidades; 08(04%) solicitaram laudo médico; 07 (03%) informações sobre sua doença; 04 (02%) contato com seus familiares; 22 (10%) não informaram. A maioria dos alunos considerou a experiência ótima  e demonstrou sentimento de proximidade ao paciente como pessoa, o que esteve em sintonia à percepção do paciente  que classificou a experiencia de ter um aluno de PPM lhe apoiando como ótima, apesar da maioria não evidenciar necessidade de auxílio durante a internação.

Biografia do Autor

Eucir Rabello, Docente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
mestre em medicina
Patrícia Rangel Sobral Dantas, Docente do curso de medicina d Universidade de vassouras
doutora emmedicina
Renan da Rocha Soares, Discente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
Doutor em medicina
Antonio Rodrigues Braga Neto, Docente do curso de medicina da Universidade de vassouras
Pós doutor e livre docente em medicina
Ivana Picone Borges de Aragão, Docente do curso de medicina da Universidade de Vassouras
doutora em medicina

Referências

Arruda M. Humanizar o infra-humano: a formação do ser humano integral: homo evolutivo, práxis e economia solidária. Petrópolis (RJ): Vozes; 2003.

Ayres JRCM. Hermenêutica e humanização das práticas de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(3):549-60.

Bermejo JC. Humanizar a saúde: cuidado, relações e valores. Petrópolis (RJ): Vozes; 2008.

BLASCO P.G.; É possível humanizar a Medicina? Reflexões a propósito do uso do Cinema na Educação Médica. O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(3):357-367.

Boff L. Saber cuidar: ética do humano - compaixão pela terra. 11a ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2004.

Borges RF. Humanização da rede pública de Porto Alegre: bases e estratégias das gerências de enfermagem no desenvolvimento do cuidado humano [dissertação]. Canoas: Universidade Luterana do Brasil; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 3a ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Casate JC, Corrêa AK. Humanização do atendimento em saúde: conhecimento veiculado na literatura brasileira de enfermagem. Rev Latinoam Enferm. 2005;13(1):105-11.

CREMESP. Uma história que não é de agora. História da medicina. Especialidades Médicas. Pág 36-38. Edição 63 – Abril/Maio/Junho 2013.

Cristina, Muccioli, Campos, Mauro S. Q., Dantas, Paulo E.C., Goldchmit, Mauro, Bechara, Samir J., Costa, Vital Paulino, & Matayoshi, Suzana. (2007). A humanização da medicina. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, 70(6), 897.

Deslandes SF. Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar. Ciênc Saúde Coletiva. 2004;9(1):7-14.

Fernández-Armesto F. Então você pensa que é humano? Uma breve história da humanidade. São Paulo: Companhia das Letras; 2007.

Ferreira ABH. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 4a ed. Curitiba: Positivo; c2009.

GALLIAN D.M.C. A (re)humanização da medicina. Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde da Unifesp-EPM

Heidegger M. Ser e tempo. 8a ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2001.

HumanizaSUS. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/231-sas-raiz/humanizasus/l1-humanizasus/12416-objetivos. Acesso em: 20/11/2016.

Noddings N. O cuidado: uma abordagem feminina à ética e à educação moral. São Leopoldo (RS): Unisinos; 2003.

Oliveira ME, Zampieri MFM, Brüggemann OM. A melodia da humanização: reflexões sobre o cuidado no processo de nascimento. Florianópolis: Cidade Futura; 2001.

Oliveira, Beatriz Rosana Gonçalves de, Collet, Neusa, & Viera, Cláudia Silveira. (2006). A humanização na assistência à saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(2), 277-284

OLIVEIRA, Beatriz Rosana Gonçalves de; COLLET, Neusa; VIERA, Cláudia Silveira. A humanização na assistência à saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 14, n. 2, p. 277-284, Apr. 2006

PASCHE D. F.; PASSOS E. A importância da humanização a partir do sistema único de saúde.

Pessini L, Bertachini L,organizadores. Humanização e cuidados paliativos. São Paulo: Centro Universitário São Camilo/Edições Loyola; 2004.

REGO S.;GOMES A.P.; BATISTA R. S.; Bioética e Humanização como Temas Transversais na Formação Médica. Revista brasileira de educação médica; 32 (4) : 482 – 491 ; 2008

REZENDE, JM. À sombra do plátano: crônicas de história da medicina [online]. São Paulo: Editora Unifesp, 2009. Curar algumas vezes, aliviar quase sempre, consolar sempre. pp. 55-59. ISBN 978-85-61673-63-5. BRASIL.Constituição,1988. Art. 198.

RIOS I.C. Humanização: a Essência da Ação Técnica e Ética nas Práticas de Saúde. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA 253 33 (2) : 253–261; 2009

RIOS I.C; JUNIOR A.L; KAUFMAN A.;VIEIRA J.E; SCANAVINO M.T.;OLIVEIRA R.A.; A Integração das Disciplinas de Humanidades Médicas na Faculdade de Medicina da USP – Um Caminho para o Ensino. Revista Brasileira de Educação Médica, v.32, n.1, p.112-121, 2008

Roach SMS. The human act of caring: a blueprint for the health professions. Ottawa (CA): Canadian Hospital Association Press; 2002.

Waldow VR. Cuidar: expressão humanizadora da enfermagem. Petrópolis (RJ): Vozes; 2006.

WALDOW, Vera Regina and BORGES, Rosália Figueiró. Cuidar e humanizar: relações e significados. Acta paul. enferm. [online]. 2011, vol.24, n.3, pp.414-418. ISSN 1982-0194.

Publicado
2019-06-13
Seção
Artigos